Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
O governo brasileiro criou o Pacto Nacional de Enfrentamento às Violações de Direitos Humanos na internet, ou Humaniza Redes para os mais íntimos ;-)

Mas podem ficar tranquilos, pois esta ferramenta nos "protegerá" de todos os perigos das redes sociais.

- Oooooh que legaaaaaaal!

Confira o vídeo e entenda melhor o caso.



O mais incrível é que todo o dinheiro para manter esta campanha milionária está saindo do nosso bolso!

- Governo, se querem humanizar as redes sociais, que tal começarem humanizando a saúde, a educação, a segurança, ou até mesmo os benefícios concedidos aos políticos?!

Abraços,

Otário Anonymous,

Fonte: Canal do Otário

Humaniza Redes #DesumanizaRedes

O governo brasileiro criou o Pacto Nacional de Enfrentamento às Violações de Direitos Humanos na internet, ou Humaniza Redes para os mais íntimos ;-)

Mas podem ficar tranquilos, pois esta ferramenta nos "protegerá" de todos os perigos das redes sociais.

- Oooooh que legaaaaaaal!

Confira o vídeo e entenda melhor o caso.



O mais incrível é que todo o dinheiro para manter esta campanha milionária está saindo do nosso bolso!

- Governo, se querem humanizar as redes sociais, que tal começarem humanizando a saúde, a educação, a segurança, ou até mesmo os benefícios concedidos aos políticos?!

Abraços,

Otário Anonymous,

Fonte: Canal do Otário

Em prol do lucro, câncer e outras doenças, projeto que retira aviso sobre transgênicos é aprovado na Câmara para saciar bolso de bancada ruralista e agroempresariado.

A Câmara dos Deputados aprovou ontem (28) o projeto que acaba com a exigência de afixar o símbolo de transgenia nos rótulos dos mortais produtos geneticamente modificados (OGM) destinados a consumo humano. O texto modifica a Lei 11.105/2005 que determinava a obrigação da informação em todos os produtos destinados a consumo humano que contivessem ou fossem produzidos com OGM ou derivados, por exemplo, milho, soja, arroz, óleo de soja e fubá e tantos outros alimentos industrializados que se consomem atualmente.

Assim como ocorreu com a aprovação do projeto de lei sobre a biodiversidade, o debate sobre o fim da exigência do rótulo colocou em oposição deputados da bancada ruralista e defensores do meio ambiente, que argumentaram que o projeto retira o direito de quem consome de saber o que está comprando.

“O projeto é excelente, garantimos o direito do consumidor de ser informado”, ousou dizer o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), membro da bancada ruralista. Segundo ele, 90% da soja e do milho comercializados no Brasil têm produtos transgênicos em sua composição. “Nós não podemos, nós mesmos, criar obstáculos para o consumo dos nossos produtos. O agronegócio é que alimenta o país”, afirmou o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), relator da matéria na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio.

“Eu queria alertar que esse projeto visa a diminuir o nível de informações que tem hoje. Ele não está acrescentando nada; ele está retirando o direito do consumidor de saber que produto está levando para a sua casa”, disse o líder do PV, Sarney Filho (MA). “Se hoje o agronegócio é uma das atividades que beneficia o Brasil, se é uma atividade dinâmica, ele tem a responsabilidade de informar corretamente o consumidor”, completou.

“Se todo mundo aqui diz que o transgênico é uma maravilha, porque quer retirar o símbolo [que identifica o produto] do rótulo. Isso é muito contraditório”, ressaltou o vice-líder do PT, Alessandro Molon (RJ).
O deputado Ivan Valente (Psol-SP) afirmou que, enquanto outros países proíbem completamente o uso de alimentos transgênicos, no Brasil se busca “desobrigar a rotulagem dos transgênicos e excluir o símbolo de identificação”. Ivan Valente depois afirmou que não existe consenso se os transgênicos fazem ou não mal à saúde.

Ao fim da votação, os deputados contrários ao projeto conseguiram retirar do texto trecho que determinava que os alimentos que não contêm transgênicos só poderiam inserir na embalagem a informação “livre de transgênicos”, somente se houvesse produtos “similares transgênicos no mercado brasileiro e comprovada a total ausência no produto de organismos geneticamente modificados, por meio de análise específica.” “Não há motivo para inserir essa restrição no projeto”, disse Molon. O texto agora vai para análise e votação dos senadores.

Fontes:EBC e Câmara , Uniomystikaum


Transgênicos: aprovado projeto que acaba com exigência de informação no rótulo

Em prol do lucro, câncer e outras doenças, projeto que retira aviso sobre transgênicos é aprovado na Câmara para saciar bolso de bancada ruralista e agroempresariado.

A Câmara dos Deputados aprovou ontem (28) o projeto que acaba com a exigência de afixar o símbolo de transgenia nos rótulos dos mortais produtos geneticamente modificados (OGM) destinados a consumo humano. O texto modifica a Lei 11.105/2005 que determinava a obrigação da informação em todos os produtos destinados a consumo humano que contivessem ou fossem produzidos com OGM ou derivados, por exemplo, milho, soja, arroz, óleo de soja e fubá e tantos outros alimentos industrializados que se consomem atualmente.

Assim como ocorreu com a aprovação do projeto de lei sobre a biodiversidade, o debate sobre o fim da exigência do rótulo colocou em oposição deputados da bancada ruralista e defensores do meio ambiente, que argumentaram que o projeto retira o direito de quem consome de saber o que está comprando.

“O projeto é excelente, garantimos o direito do consumidor de ser informado”, ousou dizer o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), membro da bancada ruralista. Segundo ele, 90% da soja e do milho comercializados no Brasil têm produtos transgênicos em sua composição. “Nós não podemos, nós mesmos, criar obstáculos para o consumo dos nossos produtos. O agronegócio é que alimenta o país”, afirmou o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), relator da matéria na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio.

“Eu queria alertar que esse projeto visa a diminuir o nível de informações que tem hoje. Ele não está acrescentando nada; ele está retirando o direito do consumidor de saber que produto está levando para a sua casa”, disse o líder do PV, Sarney Filho (MA). “Se hoje o agronegócio é uma das atividades que beneficia o Brasil, se é uma atividade dinâmica, ele tem a responsabilidade de informar corretamente o consumidor”, completou.

“Se todo mundo aqui diz que o transgênico é uma maravilha, porque quer retirar o símbolo [que identifica o produto] do rótulo. Isso é muito contraditório”, ressaltou o vice-líder do PT, Alessandro Molon (RJ).
O deputado Ivan Valente (Psol-SP) afirmou que, enquanto outros países proíbem completamente o uso de alimentos transgênicos, no Brasil se busca “desobrigar a rotulagem dos transgênicos e excluir o símbolo de identificação”. Ivan Valente depois afirmou que não existe consenso se os transgênicos fazem ou não mal à saúde.

Ao fim da votação, os deputados contrários ao projeto conseguiram retirar do texto trecho que determinava que os alimentos que não contêm transgênicos só poderiam inserir na embalagem a informação “livre de transgênicos”, somente se houvesse produtos “similares transgênicos no mercado brasileiro e comprovada a total ausência no produto de organismos geneticamente modificados, por meio de análise específica.” “Não há motivo para inserir essa restrição no projeto”, disse Molon. O texto agora vai para análise e votação dos senadores.

Fontes:EBC e Câmara , Uniomystikaum



De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil é uma das menores da história, e fechou o ano de 2014 em apenas 4,3%.

- Ooooh que legaaaaal!

Países de primeiro mundo como EUA, Alemanha e França sonham com taxas de desemprego tão baixas como esta. Porém, a metodologia adotada pelo IBGE desconsidera uma série de fatores que acabam por mascarar bastante a real taxa de desemprego no país.

Adicionando-se as variáveis dispensadas pelo IBGE, chegamos a um valor um pouco mais próximo da realidade (cerca de 16% de desemprego no Brasil).

Enfim, confira o vídeo  e fique por dentro deste assunto.

Abraços,

Otário Anonymous



Links úteis

A real taxa de desemprego no Brasil
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1471

Desemprego registra a menor taxa para o mês de outubro dos últimos 12 anos
http://globotv.globo.com/globo-news/conta-corrente/v/desemprego-registra-a-menor-taxa-para-o-mes-de-outubro-dos-ultimos-12-anos/3777192/

Pesquisa Mensal de Emprego - PME
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/pme_201410tm_01.shtm

Pesquisa de Emprego e Desemprego - DIEESE http://www.dieese.org.br/analiseped/2014/201406pedmet.pdf

Número de desempregados cai, mas pagamento de seguro-desemprego ainda é recorde http://www.contasabertas.com.br/website/arquivos/8253

O mistério do seguro-desemprego: O desemprego diminui, mas os gastos do governo com o auxílio destinado a quem perde emprego aumentam em percentuais até três vezes maiores. Fraudes e desvios de recursos explicam a contradição
http://www.istoe.com.br/reportagens/392247_O+MISTERIO+DO+SEGURO+DESEMPREGO

Classe média no Brasil tem renda entre R$ 291 e R$ 1.019
http://www.canaldootario.com.br/blog/classe-media-brasil-tem-renda-entre-291-e-1019/

Indústria de São Paulo demitiu 128,5 mil pessoas em 2014
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-01/industria-de-sao-paulo-demitiu-1285-mil-pessoas-em-2014

IPCA sobe 1,22% em fevereiro e acumula inflação de 7,7% em 12 meses http://www.valor.com.br/u/3940728

Notas Metodológicas - IBGE - Pesquisa Mensal de Emprego PME ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Mensal_de_Emprego/Notas_Tecnicas/pmemet1.pdf
Fonte: Canal do Otário

A real taxa de desemprego no Brasil

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil é uma das menores da história, e fechou o ano de 2014 em apenas 4,3%.

- Ooooh que legaaaaal!

Países de primeiro mundo como EUA, Alemanha e França sonham com taxas de desemprego tão baixas como esta. Porém, a metodologia adotada pelo IBGE desconsidera uma série de fatores que acabam por mascarar bastante a real taxa de desemprego no país.

Adicionando-se as variáveis dispensadas pelo IBGE, chegamos a um valor um pouco mais próximo da realidade (cerca de 16% de desemprego no Brasil).

Enfim, confira o vídeo  e fique por dentro deste assunto.

Abraços,

Otário Anonymous



Links úteis

A real taxa de desemprego no Brasil
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1471

Desemprego registra a menor taxa para o mês de outubro dos últimos 12 anos
http://globotv.globo.com/globo-news/conta-corrente/v/desemprego-registra-a-menor-taxa-para-o-mes-de-outubro-dos-ultimos-12-anos/3777192/

Pesquisa Mensal de Emprego - PME
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/pme_201410tm_01.shtm

Pesquisa de Emprego e Desemprego - DIEESE http://www.dieese.org.br/analiseped/2014/201406pedmet.pdf

Número de desempregados cai, mas pagamento de seguro-desemprego ainda é recorde http://www.contasabertas.com.br/website/arquivos/8253

O mistério do seguro-desemprego: O desemprego diminui, mas os gastos do governo com o auxílio destinado a quem perde emprego aumentam em percentuais até três vezes maiores. Fraudes e desvios de recursos explicam a contradição
http://www.istoe.com.br/reportagens/392247_O+MISTERIO+DO+SEGURO+DESEMPREGO

Classe média no Brasil tem renda entre R$ 291 e R$ 1.019
http://www.canaldootario.com.br/blog/classe-media-brasil-tem-renda-entre-291-e-1019/

Indústria de São Paulo demitiu 128,5 mil pessoas em 2014
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-01/industria-de-sao-paulo-demitiu-1285-mil-pessoas-em-2014

IPCA sobe 1,22% em fevereiro e acumula inflação de 7,7% em 12 meses http://www.valor.com.br/u/3940728

Notas Metodológicas - IBGE - Pesquisa Mensal de Emprego PME ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Mensal_de_Emprego/Notas_Tecnicas/pmemet1.pdf
Fonte: Canal do Otário

Published at: 10:47, March 12, 2015 By Luis R. Miranda
PRISM, XKeyscore e os Five Eyes são parte da rede global de espionagem.




A Base faz parte do Programa Exploração de Redes de comunicação da NSA.

Às vezes, é necessário perguntar se fatos surpreendentes são realmente tão surpreendentes.

O Brasil tem sido sujeito da espionagem americana ao ponto de ser descoberto que as comunicações da atual presidente do Brasil, Dilma Rousseff, teriam sido espiadas pela a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) .

O governo do Brasil não demorou muito para manifestar a sua insatisfação com tal prática e Dilma inclusive cancelou uma visita oficial à Washington. O Brasil recusou-se a aceitar desculpas do governo americano e desde então as relações públicas entre os dois países não são muito boas.

No entanto, a espionagem deixa de ser tão surpreendente ao saber que o governo brasileiro hospeda uma base de espionagem americana no coração do país, na sua capital Brasília.

De acordo com um relatório recente publicado pela RT.com, cujo foco principal é a recusa em permitir que a Alemanha faça parte dos Five Eyes (Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia), um grupo de cinco nações que espiam ativamente em nome do governo dos Estados Unidos, o Brasil é parte de uma rede de países que permite a existência de bases americanas cujo objetivo é ampliar o aparato de espionagem do governo do Presidente Barack Obama.

A rede de Bases de Espionagem da NSA está espalhada por todo o globo. O governo dos Estados Unidos e, mais especificamente, a NSA, negocia diferentes acordos com diferentes países e grupos de países separadamente e os coloca em três níveis segundo o a sua cooperação.

O primeiro nível é composto pelos Five Eyes, que fornecem ‘completa cooperação’ à NSA.

O segundo nível, identificado como de ‘Cooperação Focada’ inclui um total de 20 outras nações.

“O terceiro grupo chamado de ‘Cooperação limitada’ é composto por países como a França, Israel, Índia e Paquistão.

Finalmente, o quarto grupo de ‘Cooperação Excepcional’ inclui países que os EUA considera como hostis aos seus interesses”, relata Electrospaces.net.

Muitos dos locais onde as Bases da NSA estão localizadas também têm outros fins. Por exemplo, eles servem como bases de operações para a Agência Central de Inteligência (CIA), Locais de Acesso por Cabo, Conexão con Terceiros e Centros Regionais, entre outros. A Base Espia CSC que funciona em Brasília, é chamada de Rede de Exploração de Comunicações ou CNE.



Locais como o de Brasília é o tipo de lugar em que a NSA cria cerca de 50.000 implantes em redes de computadores, como parte de suas operações de exploração de comunicações. “Essas operações são realizadas pela divisão altamente especializada e secreta da NSA chamada Tailored Operações Access (TAO)”, relata Electrospaces.net.

“A partir dos documentos revelados pelo Edward Snowden, sabemos que as operações de acesso utilizam uma grande variedade de ferramentas de hacking sofisticados para obter acesso a redes de computadores estrangeiros. Por exemplo, eles operam uma rede de servidores de internet secreta, sob o nome FOXACID, que é usada para atrair o tráfego de objetivos, a fim de instalar software de espionagem em seus computadores”.

Sitios web associados a este tipo de atividade estão localizados em lugares tais como como o CARBOY, Bude (Grã Bretanha), SOUNDER, Ayios Nikolaos (Chipre), – SNICK, near Seeb (Oman), SCAPEL, Nairobi (Kenya), STELLAR, Geraldton (Australia), SHOAL BAY, Darwin (Australia), IRONSAND, Nova Zelandia. Lugares menos conhecidos incluem sítios como CORALINE – Sabena Seca (Puerto Rico), GARLICK Bad Aibling (Alemanha), SCAPEL – Nairobi (Kenya), and SHOAL BAY – Darwin (Australia).
Fonte: Real Agenda

Brasil sedia Operação de Espionagem Americana

Published at: 10:47, March 12, 2015 By Luis R. Miranda
PRISM, XKeyscore e os Five Eyes são parte da rede global de espionagem.




A Base faz parte do Programa Exploração de Redes de comunicação da NSA.

Às vezes, é necessário perguntar se fatos surpreendentes são realmente tão surpreendentes.

O Brasil tem sido sujeito da espionagem americana ao ponto de ser descoberto que as comunicações da atual presidente do Brasil, Dilma Rousseff, teriam sido espiadas pela a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) .

O governo do Brasil não demorou muito para manifestar a sua insatisfação com tal prática e Dilma inclusive cancelou uma visita oficial à Washington. O Brasil recusou-se a aceitar desculpas do governo americano e desde então as relações públicas entre os dois países não são muito boas.

No entanto, a espionagem deixa de ser tão surpreendente ao saber que o governo brasileiro hospeda uma base de espionagem americana no coração do país, na sua capital Brasília.

De acordo com um relatório recente publicado pela RT.com, cujo foco principal é a recusa em permitir que a Alemanha faça parte dos Five Eyes (Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia), um grupo de cinco nações que espiam ativamente em nome do governo dos Estados Unidos, o Brasil é parte de uma rede de países que permite a existência de bases americanas cujo objetivo é ampliar o aparato de espionagem do governo do Presidente Barack Obama.

A rede de Bases de Espionagem da NSA está espalhada por todo o globo. O governo dos Estados Unidos e, mais especificamente, a NSA, negocia diferentes acordos com diferentes países e grupos de países separadamente e os coloca em três níveis segundo o a sua cooperação.

O primeiro nível é composto pelos Five Eyes, que fornecem ‘completa cooperação’ à NSA.

O segundo nível, identificado como de ‘Cooperação Focada’ inclui um total de 20 outras nações.

“O terceiro grupo chamado de ‘Cooperação limitada’ é composto por países como a França, Israel, Índia e Paquistão.

Finalmente, o quarto grupo de ‘Cooperação Excepcional’ inclui países que os EUA considera como hostis aos seus interesses”, relata Electrospaces.net.

Muitos dos locais onde as Bases da NSA estão localizadas também têm outros fins. Por exemplo, eles servem como bases de operações para a Agência Central de Inteligência (CIA), Locais de Acesso por Cabo, Conexão con Terceiros e Centros Regionais, entre outros. A Base Espia CSC que funciona em Brasília, é chamada de Rede de Exploração de Comunicações ou CNE.



Locais como o de Brasília é o tipo de lugar em que a NSA cria cerca de 50.000 implantes em redes de computadores, como parte de suas operações de exploração de comunicações. “Essas operações são realizadas pela divisão altamente especializada e secreta da NSA chamada Tailored Operações Access (TAO)”, relata Electrospaces.net.

“A partir dos documentos revelados pelo Edward Snowden, sabemos que as operações de acesso utilizam uma grande variedade de ferramentas de hacking sofisticados para obter acesso a redes de computadores estrangeiros. Por exemplo, eles operam uma rede de servidores de internet secreta, sob o nome FOXACID, que é usada para atrair o tráfego de objetivos, a fim de instalar software de espionagem em seus computadores”.

Sitios web associados a este tipo de atividade estão localizados em lugares tais como como o CARBOY, Bude (Grã Bretanha), SOUNDER, Ayios Nikolaos (Chipre), – SNICK, near Seeb (Oman), SCAPEL, Nairobi (Kenya), STELLAR, Geraldton (Australia), SHOAL BAY, Darwin (Australia), IRONSAND, Nova Zelandia. Lugares menos conhecidos incluem sítios como CORALINE – Sabena Seca (Puerto Rico), GARLICK Bad Aibling (Alemanha), SCAPEL – Nairobi (Kenya), and SHOAL BAY – Darwin (Australia).
Fonte: Real Agenda

Se você pensou que a voracidade da imprensa tradicional em atacar o atual Governo se relaciona basicamente em entregar nosso petróleo, no caso o pré-sal, você se enganou.

O BRICS é uma ameaça ao modelo de colonialismo dos EUA e a Europa. Cinco países, trẽs sendo quase que continentais, dois sendo os mais populosos, podem de uma vez por todas acabar com as regalias de uma plutocracia cada vez mais poderosa

Mas por que nossa imprensa faria isso? Basta lembrar que a maior parte dela foi estruturada com dinheiro americano, após a II Guerra Mundial.
Não só o Brasil, mas nessa atual conjuntura outros países do bloco estão sendo sabotados. O processo é sempre o mesmo, inteligência da CIA, financiamento de grupos locais e partidos pró-EUA, e mídia tradicional manipulando fatos, fomentando a mídia social, para que tudo fique com cara de vontade popular.
(docverdade)



Agradecimentos à Antonio S. pela sugestão e link.

Fonte: DocVerdade

Brasil: O Que Está Por Trás do Terceiro Turno?

Se você pensou que a voracidade da imprensa tradicional em atacar o atual Governo se relaciona basicamente em entregar nosso petróleo, no caso o pré-sal, você se enganou.

O BRICS é uma ameaça ao modelo de colonialismo dos EUA e a Europa. Cinco países, trẽs sendo quase que continentais, dois sendo os mais populosos, podem de uma vez por todas acabar com as regalias de uma plutocracia cada vez mais poderosa

Mas por que nossa imprensa faria isso? Basta lembrar que a maior parte dela foi estruturada com dinheiro americano, após a II Guerra Mundial.
Não só o Brasil, mas nessa atual conjuntura outros países do bloco estão sendo sabotados. O processo é sempre o mesmo, inteligência da CIA, financiamento de grupos locais e partidos pró-EUA, e mídia tradicional manipulando fatos, fomentando a mídia social, para que tudo fique com cara de vontade popular.
(docverdade)



Agradecimentos à Antonio S. pela sugestão e link.

Fonte: DocVerdade

Tribuna do Advogado
OAB-RJ, 12/02/2015




As comissões de Direito Ambiental (CDA) e de Bioética e Biodireito (CBB) da OAB/RJ receberam, na última semana, membros da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), que recentemente se manifestaram criticamente à forma como a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou a produção de mosquitos geneticamente modificados para o combate ao Aedes aegypti , inseto transmissor do vírus da dengue.

Na reunião, os pesquisadores Hermano Castro, diretor da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fiocruz; Lia Giraldo da Silva Augusto, professora na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); e Carlos dos Santos Silva, que é secretário executivo da Abrasco, relataram estar sofrendo pressão da empresa Oxitec, que produz os mosquitos, em razão de uma nota técnica que a associação teria soltado sobre a questão.

De acordo com o texto, que reflete a posição dos cientistas que integraram o grupo de trabalho para estudo do tema na Abrasco, não foram realizados os estudos dos impactos ambientais da inserção de tal espécime no ambiente, causando surpresa não só a falta de estudos como a rapidez na aprovação.

Representando a OAB/RJ, o presidente da CDA, Flávio Ahmed; a vice-presidente e o membro da CBB, Fernanda Bianco e Gabriel Bianconi Fernandes, respectivamente, manifestaram repúdio a qualquer tentativa de inibir posicionamentos científicos em relação a meio ambiente e saúde pública.

“O direito à informação e a participação são fundamentais quanto tratamos do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem constitucionalmente protegido e de titularidade difusa, exigindo as discussões que envolvem seu uso ampla reverberação. Daí porque a censura à discussão envolve também a violação ao livre acesso à informação e ao próprio direito ambiental como direito humano fundamental”, afirmou Ahmed. Segundo ele, as comissões pretendem realizar uma série de discussões sobre o tema.

Após o encontro, a Abrasco decidiu publicar uma segunda nota, em que ratifica alguns pontos da original e retifica outros: “Há questões que realmente não precisamos discutir, mas outras reforçamos, porque entendemos que é dever da Abrasco mostrar o posicionamento de seus cientistas”, explicou Lia.

Segundo os pesquisadores da entidade, os dados colhidos nos testes realizados nas cidades de Jacobina e Juazeiro, do estado da Bahia, seriam “insuficientes para um posicionamento consistente e qualquer órgão de pesquisa, muito mais, para a CTNBio”. Eles também alertam para o fato de não existem ainda normas adequadas de liberação planejada para avaliação de insetos e que a alteração na reprodução do Aedes aegypti pode atrair outros insetos, como o A. albopictus, espécie selvagem existente no Brasil e com capacidade vetorial para o vírus da dengue.

OAB-RJ acompanhará alerta da Abrasco sobre mosquitos transgênicos

Tribuna do Advogado
OAB-RJ, 12/02/2015




As comissões de Direito Ambiental (CDA) e de Bioética e Biodireito (CBB) da OAB/RJ receberam, na última semana, membros da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), que recentemente se manifestaram criticamente à forma como a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou a produção de mosquitos geneticamente modificados para o combate ao Aedes aegypti , inseto transmissor do vírus da dengue.

Na reunião, os pesquisadores Hermano Castro, diretor da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fiocruz; Lia Giraldo da Silva Augusto, professora na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); e Carlos dos Santos Silva, que é secretário executivo da Abrasco, relataram estar sofrendo pressão da empresa Oxitec, que produz os mosquitos, em razão de uma nota técnica que a associação teria soltado sobre a questão.

De acordo com o texto, que reflete a posição dos cientistas que integraram o grupo de trabalho para estudo do tema na Abrasco, não foram realizados os estudos dos impactos ambientais da inserção de tal espécime no ambiente, causando surpresa não só a falta de estudos como a rapidez na aprovação.

Representando a OAB/RJ, o presidente da CDA, Flávio Ahmed; a vice-presidente e o membro da CBB, Fernanda Bianco e Gabriel Bianconi Fernandes, respectivamente, manifestaram repúdio a qualquer tentativa de inibir posicionamentos científicos em relação a meio ambiente e saúde pública.

“O direito à informação e a participação são fundamentais quanto tratamos do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem constitucionalmente protegido e de titularidade difusa, exigindo as discussões que envolvem seu uso ampla reverberação. Daí porque a censura à discussão envolve também a violação ao livre acesso à informação e ao próprio direito ambiental como direito humano fundamental”, afirmou Ahmed. Segundo ele, as comissões pretendem realizar uma série de discussões sobre o tema.

Após o encontro, a Abrasco decidiu publicar uma segunda nota, em que ratifica alguns pontos da original e retifica outros: “Há questões que realmente não precisamos discutir, mas outras reforçamos, porque entendemos que é dever da Abrasco mostrar o posicionamento de seus cientistas”, explicou Lia.

Segundo os pesquisadores da entidade, os dados colhidos nos testes realizados nas cidades de Jacobina e Juazeiro, do estado da Bahia, seriam “insuficientes para um posicionamento consistente e qualquer órgão de pesquisa, muito mais, para a CTNBio”. Eles também alertam para o fato de não existem ainda normas adequadas de liberação planejada para avaliação de insetos e que a alteração na reprodução do Aedes aegypti pode atrair outros insetos, como o A. albopictus, espécie selvagem existente no Brasil e com capacidade vetorial para o vírus da dengue.

Published at: By Luis R. Miranda

O Brasil vem vivendo em dois mundos paralelos nos últimos 16 anos. (Foto: abril.com.br)
Os brasileiros estão começando a sentir o aperto da segunda  administração Dilma Rousseff, o mais recente governo em um total de 4 em quase 16 anos de controle do PT.

PORTO ALEGRE - Mesmo as pessoas que são apolíticas ou que realmente não dão a mínima para a política agora estão falando sobre um inicio de ano não muito promisor.

A mais recente lista de medidas governamentais dá a razão aos brasileiros no inicio do segundo governo de Dilma Rousseff: aumentos de impostos, inflação fora de controle, aumento no preço dos serviços públicos, menos financiamento para a educação, taxas de juros mais elevadas e por último, mas não menos importante, o mais novo escândalo político na Petrobras.

Dadas as circunstâncias, o início de 2015 não parece muito bom.

O que acontece é que o Brasil vem vivendo em dois mundos paralelos nos últimos 16 anos. Em um deles, um mundo de fantasia, os políticos falam sobre as grandes realizações alcançadas sob o socialismo do PT.

No outro mundo, o verdadeiro, é o lugar onde os brasileiros tiveram mais aumentos de impostos, maior inflação, aumento no preço dos serviços públicos, menos financiamento para a educação,  taxas de juros mais altas, o colapso da infra-estrutura básica, piores serviços de saúde e assim por diante.

Depois de manter-se no poder na última eleição e sem nada a perder em seu segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff parece pronta para dizer como ela pretende governar.

Depois de ter a confiança de milhões de brasileiros, Dilma e o PT perderam a maioria dessa confiança nos últimos 5 anos, com escândalo após escândalo apontando para a liderança política como administradores de corrupção.

É a esta situação que Dilma precisa oferecer esperança, uma vez que parece que o início de 2015 só trouxe desilusão e medo de ter que lidar com um momento amargo de austeridade econômica.

Um país que, durante a última eleição foi dividido apenas por alguns milhões de votos, ainda não é um país dilacerado, mas está bem encaminhado para se tornar um. É o mesmo Brasil que o mundo conhecia antes da Copa das Confederações em 2013.

Aqueles que deram o seu voto para outros candidatos têm o mesmo sonho de aqueles que votaram de novo pelo PT: um país melhor para si e para seus futuros filhos. O problema é que o Partido dos Trabalhadores tem se recusado a trabalhar pelo país e por esse objetivo por quase 16 anos.

Pode ser uma divisão entre duas formas de governo, entre duas idéias políticas, mas ambos os blocos sociais, os partidários de políticas neoliberais e aqueles que preferem o socialismo querem mudar o Brasil de hoje pelo Brasil do século 21, o mesmo que Lula e Dilma anunciaram há alguns anos, mas que nunca chegou.

Os brasileiros parecem estar cansados da corrupção, da hipocrisia, da mediocridade e da falta de ética que não deve ser a regra, porque eles confiaram em seus líderes para trabalhar de uma forma diferente.

Brasileiros de ambos os lados pensam o mesmo sobre a corrupção política, a deslealdade, os abusos de poder e a falta de participação da sociedade civil noo governo.

Dilma precisa entender que ela agora está governando para um público cada vez mais informado cujos números aumentam diariamente. Mais pessoas lêem de forma diferente, não com as lentes da apatia política e do conformismo.

Cada novo presidente, a partir de agora, terá maior dificuldade para governar porque os brasileiros despertaram de um longo sono e, ao fazê-lo, não aceitam passivamente as ordens pois adquiriram maior capacidade para monitorar seus governantes.

Pode ser mais difícil e complexo para os governantes. Neste caso, para Dilma, nos próximos quatro anos, ela vai ser observada por uma oposição política mais ativa com a qual ela tem que viver sem estigmatizá-la.

A líder de 200 milhões de brasileiros tem a tarefa e a obrigação de tomar decisões que são consistentes com as promessas de campanha e ser capaz de corrigir os erros que negaram uma vitória mais ampla.

A pergunta é: Será que ela vai fazer isso? Será que ela pode? Infelizmente, a resposta a estas duas perguntas é não. A presidente não pode e não vai acabar com a corrupção, a desigualdade e a injustiça, quando ela participa da corrupção, da desigualdade e da injustiça e quando sua ética tem sido comprometida.

Embora a sabedoria comum diz que não deve ser difícil governar um país onde tudo o que as pessoas querem é ser amadas, reconhecidas pela sua dignidade e respeitadas, nenhuma figura política que tomou parte no escândalo do Mensalão ou a extorsão na Petrobras tem a posição política ou moral para fazer o trabalho bem feito.

Além dos escândalos políticos, os brasileiros têm que lidar com a crise econômica iminente causada pela pobre gestão dos dinheiros públicos, uma infra-estrutura em colapso, o crescimento da pobreza, uma moeda fortemente desvalorizada, um salário mínimo insuficiente e a acumulação acelerada de riqueza nas mãos das elites políticas e econômicas.

A sociedade brasileira satisfeita com pouco e feliz de seguir o seu “jeitinho” está morrendo. O que está emergindo é um país mais exigente, talvez menos cordial e ainda mais violento, mas mais moderno e realista.

Talvez o renomado antropólogo Roberto da Matta, que desvendou como poucos as idiossincrasias do brasileiro, que se divide entre a casa e a rua, fala sobre a nova sociedade que está surgindo, onde muitas portas e janelas estão entrando em colapso. “Os brasileiros encontraram uma nova maneira de viver, usando as redes sociais para serem mais políticos, as pessoas começam a ser mais políticas e a fazer mais política do que nos gabinetes da Presidência.”

O Brasil está começando a andar, mas ainda na ponta dos pés, caminhando em direção a novas formas de modernidade que assustam a velha guarda. Dilma vai governar estes quatro anos com sua orelha e cabeça colada aos anseios dos novos brasileiros.

Hoje, a elite política sabe que os brasileiros estão conscientes de sua escravidão pelos governos democraticamente eleitos. A questão é, então, será que as elites políticas e econômicas entendem o que significa essa consciência?

Brasil abriu 2015 com a inauguração de Dilma Rousseff como presidente, que será o quarto mandato consecutivo do Partido dos Trabalhadores (PT), a mais longa da democracia brasileira.

Em seu discurso de posse em Brasília, Dilma defendeu sua política e disse que continuará abrindo espaço para ganhos sociais e mais responsabilidade econômica.

“Nós vamos provar que você pode fazer ajustes na economia sem perder os direitos adquiridos“, disse ela depois do passeio cerimonial em um Rolls Royce conversível que a levou ao Congresso.

Ela poderia ter mostrado os contrastes entre o que diz e o que faz de forma mais clara andando de Rolls Royce e avisando sobre ajustes econômicos?

Rousseff passou os primeiros minutos de seu discurso falando sobre a recente transformação social do país que, segundo ela, tem resgatado 36 milhões de pessoas da pobreza extrema“, especialmente durante as administrações do seu partido.

A crença de Dilma é que é aceitável que existam pessoas em situação de pobreza e que, enquanto eles estão em situação de pobreza e não em pobreza extrema, isso significa que as coisas estão melhores.

No meu primeiro mandato superamos a pobreza extrema. Vivemos a primeira geração de brasileiros que não sofreu a tragédia da fome. Nunca antes existem tantos empregos formais. Nunca antes tantos brasileiros tornaram-se proprietários de casas, disse a presidente sob os aplausos de seus convidados.

A realidade está, no entanto, longe do discurso político de Dilma. Os políticos vivem em um mundo de fantasia paralelo, lembra? Enquanto Dilma se elogia e elogia o seu partido pelo que ela considera grandes realizações, sob as linhas de pobreza internacionais, o número de pobres no Brasil chega a 7%, que é aproximandamente 14 milhões de pessoas que vivem com menos de 2 dólares por dia. Em 2013, quase 15% dos brasileiros viviam abaixo da linha nacional de pobreza no Brasil.

O discurso da Dilma continuou a reafirmar a nova direção econômica que o país seguirá depois que seu discurso confirmou a seleção do banqueiro Joaquim Levy como novo Ministro das Finanças.

Como já informamos em 2014, Levy é um ex-gerente de ativos do conglomerado bancário Bradesco. “Ele é um defensor do neoliberalismo ortodoxo, tendo ganho um PhD na Universidade de Chicago, a mesma instituição na qual formou-se o ex-ditador chileno Augusto Pinochet“, escreve Bill Van Auken, um jornalista, ativista e político.

As promessas de austeridade e ajustes têm despertado a ira dos eleitores do Partido dos Trabalhadores (PT), que não acham que Levy seja o campeão de seus ideais econômicos socialistas.

“A presidente conhece o Levy muito bem. Se ela o escolheu é porque ela sabe da necessidade de uma nova abordagem“, defendeu o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci.

Um dos principais desafios para Rousseff é melhorar as condições econômicas através da recuperação da economia, do comércio internacional e da política fiscal sem criar despesas desnecessárias.

Em um país onde o governo controla quase tudo, vai ser muito mais difícil cortar gastos desnecessários, a menos que o governo acabe com milhares de CCs ou cargos de confiança, cujos titulares ganham três ou quatro vezes mais do que aqueles que são pagos o salário mínimo.

As contas, no entanto, não serão a única preocupação de Rousseff. A presidente de 67 anos começou seu segundo mandato com um PT dividido, uma máfia política enfraquecida por alegações que prejudicam a imagem e ações - ou inações - vistas no escândalo Petrobras.

A suspeita de que a rede corrupta desvia dinheiro e suborna funcionários do governo agora é bem conhecida, pois é de conhecimento público que tais esquemas de corrupção foram estabelecidos durante a administração Lula da Silva e Dilma Rousseff para beneficiar seus aliados políticos.

Como qualquer outro político, a presidente anunciou em seu discurso a criação de um novo pacote de leis para combater a corrupção. Isso é exatamente o que os políticos que não sabem nada sobre como governar fazem: criam mais burocracia para lidar com a corrupção que decorre de estruturas burocráticas existentes.

Será que o Brasil pode sobreviver mais quatro anos?

Luis Miranda é um jornalista premiado e fundador e editor-chefe do The Real Agenda News. Durante seus 18 anos de carreira jornalísitica ele trabalhou em quase todas as formas de mídia. Seus artigos incluem temas como o ambientalismo, a Agenda 21, a mudança climática, a geopolítica, a globalização, a saúde, as vacinas, a segurança alimentar, o controle corporativo dos governos, imigração e os cartéis bancários, entre outros. Luis trabalhou como repórter e apresentador de programas de notícias ao vivo. Ele também trabalhou como roteirista, produtor e co-produtor de notícias.

Fonte: Real Agenda  

O Brasil pode sobreviver mais quatro anos?

Published at: By Luis R. Miranda

O Brasil vem vivendo em dois mundos paralelos nos últimos 16 anos. (Foto: abril.com.br)
Os brasileiros estão começando a sentir o aperto da segunda  administração Dilma Rousseff, o mais recente governo em um total de 4 em quase 16 anos de controle do PT.

PORTO ALEGRE - Mesmo as pessoas que são apolíticas ou que realmente não dão a mínima para a política agora estão falando sobre um inicio de ano não muito promisor.

A mais recente lista de medidas governamentais dá a razão aos brasileiros no inicio do segundo governo de Dilma Rousseff: aumentos de impostos, inflação fora de controle, aumento no preço dos serviços públicos, menos financiamento para a educação, taxas de juros mais elevadas e por último, mas não menos importante, o mais novo escândalo político na Petrobras.

Dadas as circunstâncias, o início de 2015 não parece muito bom.

O que acontece é que o Brasil vem vivendo em dois mundos paralelos nos últimos 16 anos. Em um deles, um mundo de fantasia, os políticos falam sobre as grandes realizações alcançadas sob o socialismo do PT.

No outro mundo, o verdadeiro, é o lugar onde os brasileiros tiveram mais aumentos de impostos, maior inflação, aumento no preço dos serviços públicos, menos financiamento para a educação,  taxas de juros mais altas, o colapso da infra-estrutura básica, piores serviços de saúde e assim por diante.

Depois de manter-se no poder na última eleição e sem nada a perder em seu segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff parece pronta para dizer como ela pretende governar.

Depois de ter a confiança de milhões de brasileiros, Dilma e o PT perderam a maioria dessa confiança nos últimos 5 anos, com escândalo após escândalo apontando para a liderança política como administradores de corrupção.

É a esta situação que Dilma precisa oferecer esperança, uma vez que parece que o início de 2015 só trouxe desilusão e medo de ter que lidar com um momento amargo de austeridade econômica.

Um país que, durante a última eleição foi dividido apenas por alguns milhões de votos, ainda não é um país dilacerado, mas está bem encaminhado para se tornar um. É o mesmo Brasil que o mundo conhecia antes da Copa das Confederações em 2013.

Aqueles que deram o seu voto para outros candidatos têm o mesmo sonho de aqueles que votaram de novo pelo PT: um país melhor para si e para seus futuros filhos. O problema é que o Partido dos Trabalhadores tem se recusado a trabalhar pelo país e por esse objetivo por quase 16 anos.

Pode ser uma divisão entre duas formas de governo, entre duas idéias políticas, mas ambos os blocos sociais, os partidários de políticas neoliberais e aqueles que preferem o socialismo querem mudar o Brasil de hoje pelo Brasil do século 21, o mesmo que Lula e Dilma anunciaram há alguns anos, mas que nunca chegou.

Os brasileiros parecem estar cansados da corrupção, da hipocrisia, da mediocridade e da falta de ética que não deve ser a regra, porque eles confiaram em seus líderes para trabalhar de uma forma diferente.

Brasileiros de ambos os lados pensam o mesmo sobre a corrupção política, a deslealdade, os abusos de poder e a falta de participação da sociedade civil noo governo.

Dilma precisa entender que ela agora está governando para um público cada vez mais informado cujos números aumentam diariamente. Mais pessoas lêem de forma diferente, não com as lentes da apatia política e do conformismo.

Cada novo presidente, a partir de agora, terá maior dificuldade para governar porque os brasileiros despertaram de um longo sono e, ao fazê-lo, não aceitam passivamente as ordens pois adquiriram maior capacidade para monitorar seus governantes.

Pode ser mais difícil e complexo para os governantes. Neste caso, para Dilma, nos próximos quatro anos, ela vai ser observada por uma oposição política mais ativa com a qual ela tem que viver sem estigmatizá-la.

A líder de 200 milhões de brasileiros tem a tarefa e a obrigação de tomar decisões que são consistentes com as promessas de campanha e ser capaz de corrigir os erros que negaram uma vitória mais ampla.

A pergunta é: Será que ela vai fazer isso? Será que ela pode? Infelizmente, a resposta a estas duas perguntas é não. A presidente não pode e não vai acabar com a corrupção, a desigualdade e a injustiça, quando ela participa da corrupção, da desigualdade e da injustiça e quando sua ética tem sido comprometida.

Embora a sabedoria comum diz que não deve ser difícil governar um país onde tudo o que as pessoas querem é ser amadas, reconhecidas pela sua dignidade e respeitadas, nenhuma figura política que tomou parte no escândalo do Mensalão ou a extorsão na Petrobras tem a posição política ou moral para fazer o trabalho bem feito.

Além dos escândalos políticos, os brasileiros têm que lidar com a crise econômica iminente causada pela pobre gestão dos dinheiros públicos, uma infra-estrutura em colapso, o crescimento da pobreza, uma moeda fortemente desvalorizada, um salário mínimo insuficiente e a acumulação acelerada de riqueza nas mãos das elites políticas e econômicas.

A sociedade brasileira satisfeita com pouco e feliz de seguir o seu “jeitinho” está morrendo. O que está emergindo é um país mais exigente, talvez menos cordial e ainda mais violento, mas mais moderno e realista.

Talvez o renomado antropólogo Roberto da Matta, que desvendou como poucos as idiossincrasias do brasileiro, que se divide entre a casa e a rua, fala sobre a nova sociedade que está surgindo, onde muitas portas e janelas estão entrando em colapso. “Os brasileiros encontraram uma nova maneira de viver, usando as redes sociais para serem mais políticos, as pessoas começam a ser mais políticas e a fazer mais política do que nos gabinetes da Presidência.”

O Brasil está começando a andar, mas ainda na ponta dos pés, caminhando em direção a novas formas de modernidade que assustam a velha guarda. Dilma vai governar estes quatro anos com sua orelha e cabeça colada aos anseios dos novos brasileiros.

Hoje, a elite política sabe que os brasileiros estão conscientes de sua escravidão pelos governos democraticamente eleitos. A questão é, então, será que as elites políticas e econômicas entendem o que significa essa consciência?

Brasil abriu 2015 com a inauguração de Dilma Rousseff como presidente, que será o quarto mandato consecutivo do Partido dos Trabalhadores (PT), a mais longa da democracia brasileira.

Em seu discurso de posse em Brasília, Dilma defendeu sua política e disse que continuará abrindo espaço para ganhos sociais e mais responsabilidade econômica.

“Nós vamos provar que você pode fazer ajustes na economia sem perder os direitos adquiridos“, disse ela depois do passeio cerimonial em um Rolls Royce conversível que a levou ao Congresso.

Ela poderia ter mostrado os contrastes entre o que diz e o que faz de forma mais clara andando de Rolls Royce e avisando sobre ajustes econômicos?

Rousseff passou os primeiros minutos de seu discurso falando sobre a recente transformação social do país que, segundo ela, tem resgatado 36 milhões de pessoas da pobreza extrema“, especialmente durante as administrações do seu partido.

A crença de Dilma é que é aceitável que existam pessoas em situação de pobreza e que, enquanto eles estão em situação de pobreza e não em pobreza extrema, isso significa que as coisas estão melhores.

No meu primeiro mandato superamos a pobreza extrema. Vivemos a primeira geração de brasileiros que não sofreu a tragédia da fome. Nunca antes existem tantos empregos formais. Nunca antes tantos brasileiros tornaram-se proprietários de casas, disse a presidente sob os aplausos de seus convidados.

A realidade está, no entanto, longe do discurso político de Dilma. Os políticos vivem em um mundo de fantasia paralelo, lembra? Enquanto Dilma se elogia e elogia o seu partido pelo que ela considera grandes realizações, sob as linhas de pobreza internacionais, o número de pobres no Brasil chega a 7%, que é aproximandamente 14 milhões de pessoas que vivem com menos de 2 dólares por dia. Em 2013, quase 15% dos brasileiros viviam abaixo da linha nacional de pobreza no Brasil.

O discurso da Dilma continuou a reafirmar a nova direção econômica que o país seguirá depois que seu discurso confirmou a seleção do banqueiro Joaquim Levy como novo Ministro das Finanças.

Como já informamos em 2014, Levy é um ex-gerente de ativos do conglomerado bancário Bradesco. “Ele é um defensor do neoliberalismo ortodoxo, tendo ganho um PhD na Universidade de Chicago, a mesma instituição na qual formou-se o ex-ditador chileno Augusto Pinochet“, escreve Bill Van Auken, um jornalista, ativista e político.

As promessas de austeridade e ajustes têm despertado a ira dos eleitores do Partido dos Trabalhadores (PT), que não acham que Levy seja o campeão de seus ideais econômicos socialistas.

“A presidente conhece o Levy muito bem. Se ela o escolheu é porque ela sabe da necessidade de uma nova abordagem“, defendeu o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci.

Um dos principais desafios para Rousseff é melhorar as condições econômicas através da recuperação da economia, do comércio internacional e da política fiscal sem criar despesas desnecessárias.

Em um país onde o governo controla quase tudo, vai ser muito mais difícil cortar gastos desnecessários, a menos que o governo acabe com milhares de CCs ou cargos de confiança, cujos titulares ganham três ou quatro vezes mais do que aqueles que são pagos o salário mínimo.

As contas, no entanto, não serão a única preocupação de Rousseff. A presidente de 67 anos começou seu segundo mandato com um PT dividido, uma máfia política enfraquecida por alegações que prejudicam a imagem e ações - ou inações - vistas no escândalo Petrobras.

A suspeita de que a rede corrupta desvia dinheiro e suborna funcionários do governo agora é bem conhecida, pois é de conhecimento público que tais esquemas de corrupção foram estabelecidos durante a administração Lula da Silva e Dilma Rousseff para beneficiar seus aliados políticos.

Como qualquer outro político, a presidente anunciou em seu discurso a criação de um novo pacote de leis para combater a corrupção. Isso é exatamente o que os políticos que não sabem nada sobre como governar fazem: criam mais burocracia para lidar com a corrupção que decorre de estruturas burocráticas existentes.

Será que o Brasil pode sobreviver mais quatro anos?

Luis Miranda é um jornalista premiado e fundador e editor-chefe do The Real Agenda News. Durante seus 18 anos de carreira jornalísitica ele trabalhou em quase todas as formas de mídia. Seus artigos incluem temas como o ambientalismo, a Agenda 21, a mudança climática, a geopolítica, a globalização, a saúde, as vacinas, a segurança alimentar, o controle corporativo dos governos, imigração e os cartéis bancários, entre outros. Luis trabalhou como repórter e apresentador de programas de notícias ao vivo. Ele também trabalhou como roteirista, produtor e co-produtor de notícias.

Fonte: Real Agenda  


Aquilo o que por óbvia dedução já era certeza para muita gente, agora possui sua confirmação para os seguidores cegos que não queriam enxergar: dois dos maiores líderes evangélicos do segmento pentecostal e neo-pentecostal nacional tiveram seus nomes divulgados numa homenagem prestada pela ordem Grande Oriente do Brasil. Contudo, antes que alguns fiquem aliviados por não identidicarem os nomes de outras personalidades renomadas do meio evangélico na mesma listagem; já adianto que a honraria é somente aos 110 maiores de toda a história brasileira(e somente do Grande Oriente do Brasil.), o que de cara já reduz bastante a possibilidade de termos gente como Waldemiro Santiago, Thales e outros que, embora atraiam multidões cegas de adoradores aonde quer que vão, não possuem o mesmo peso que os demais citados.

Não é de hoje que Malafaia e Macedo são recorrentemente acusados de envolvimento com a maçonaria, uma seita ecumênica na qual seus adeptos precisam prestar adoração às mais diversas entidades dos inúmeros segmentos religiosos existentes(incluindo Lúcifer, nos 3 últimos graus.). Tudo isso em meio a juramentos e pactos secretos, dentre eles o de jamais admitir que é maçom(a menos que, de alguma forma, isso venha a favorecer os interesses da ordem.). Sem falar que, conforme muita gente que já passou por lá afirma, a lealdade entre os membros é tamanha que nada os impede de favorecerem uns aos outros no concívio social, algo que levanta sérias dúvidas quanto à sua postura sempre que surge a necessidade de burlar a legislação vigente em favorecimento a um irmão de fraternidade (exemplo: um réu e seu juíz, um policial e um traficante, o dono de um jornal e um candidato à presidência.). Enfim, por essas e outras é que o ambiente maçônico torna-se algo que, definitivamente, não condiz com aquilo o que a Bíblia exige de um crente verdadeiramente convertido a Cristo.

Quanto às suspeitas em relação aos 2 lobos em pele de ovelha, creio que seria mais fácil perguntar "o que existe neles que não levanta tais suspeitas". Silas, um homem conhecido por não ter papas na língua e dono de uma mega-editora gospel, já publicou material apologético sobre várias seitas e heresias tradicionalmente combatidas pelo cristianismo(Testemunhas de Jeová, kardecismo, catolicismo...), porém rigorosamente nada contra a maçonaria. Tendo em vista o fato do meio evangélico e seus líderes serem o celeiro que mais engorda o hall de adeptos das lojas maçônicas espalhadas pelo Brasil, seria natural que alguém sempre tão combativo e há tanto tempo de estrada como Malafaia divulgasse ao menos uma nota de 3 linhas a respeito do tema. Todavia, isso nunca aconteceu. Muito pelo contrário, no vídeo abaixo ele chega a elogiar a ordem, além de admitir que não combate a seita templária por jogo de interesse(será que Jesus ou um dos apóstolos deixaria de dizer o que precisa ser dito para não receber algum tipo de punição???):

MALAFAIA ELOGIA MAÇONARIA E ADMITE QUE TEME SER PUNIDO POR ELA:

Ora, como pode um homem que costuma rebater a tudo e a todos, não ter se indignado contra esta lista? O que impede silas Malafaia de se manifestar publicamente contra esta"mentira"?

Particularmente, acredito que Malafaia tenha se tornado maçom no momento em que ele abraçou à teologia da prosperidade, pois não é de hoje a existência de relatos de pastores que afirmam terem recebido ofertas maçônicas de crescimento financeiro para seus templos desde que ingressassem à ordem. Acho que ali Malafaia se corrompeu, por isso deixou de ser o maior crítico da Universal que havia até então, passando a elogiá-la publicamente:

MALAFAIA DEFENDE IGREJA MUNDIAL

MALAFAIA DEFENDE UNIVERSAL

MALAFAIA ANTES DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADEBlog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.

E quem não lembra da campanha dos R$911,00 que Malafaia realizou ao lado do satânico Morris Cerullo? Ora, não é mais segredo para ninguém que o "911" é um número importante na numerologia illuminati:

MALAFAIA E MORRIS CERULLO FAZEM CAMPANHA CABALÍSTICA COM NÚMERO 911Blog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.


O SIGNIFICADO ILLUMINATI DO 911

Sei que alguns podem levantar o seguinte argumento:"Mas como pode ele ser maçom, e ser contra o socialismo e toda a gama de ideias liberais que estão implantando em nosso país?" Resposta: primeiro que o fato do sujeito ser maçom não o impede se ser conservador(lembre-se que o EUA foi fundado por evangélicos maçons e já teve como presidentes vários republicanos maçons. Diga-se de passagem, faço coro com Silas sempre que a defesa dos valores familiares estão em jogo. Pena que não tenho certeza se as intenções dele são tão puras quanto as minhas.). Segundo que sempre houve e sempre haverá guerras entre as muitas facções maçônicas existentes. A principio, defendendo causas sociais(que podem parecer mais ou menos nobres dependendo do ponto de vista de cada um.), porém com um fim único: favorecer o seu lado no conflito, uma vez que eles é que controlam a sociedade. Nós, os de fora e que não tem acesso ao "conhecimento exclusivo" deles, somos meras cabeças de gado, apenas coadjuvantes ou, se preferir; o prêmio da guerra. Terceiro: a bancada evangélica no congresso atualmente é a terceira maior e, como todos sabem(ou deveriam saber.), Malafaia possui uma influência tremenda sobre o eleitorado protestante brasileiro. Sendo assim, não é difícil deduzir os privilégios que Silas e sua denominação possam receber sempre que ele dá as caras na TV lutando contra leis liberais que, obviamente, batem de frente com as instituições evangélicas.

Quanto a Edir Macedo, se for falar dele, terei de escrever um livro aqui. Qualquer um com o mínimo de conhecimento bíblico(só o basico do básico.) e honestidade intelectual pode muito bem olhar para a Universal e facilmente constatar que nada, absolutamente nenhum elemento presente ali é cristão. A "Universal do Reino de Deus" é uma seita anti-cristã e deve ser combatida como tal. Como não se bastassem os inúmeros itens heréticos existentes nesta denominação diabólica, também há muitas referências maçônicas nela(colunas jônicas, olho de Hórus, arca da aliança no altar, estrela de Davi, dentre outros...).

MACEDO CITA TEMPLOS MAÇÔNICOS E AFIRMA QUE SEU TEMPLO DE SALOMÃO FOI CONSTRUÍDO PELO "ARQUITETO DO UNIVERSO(TERMO USADO NA MAÇONARIA PARA SE REFERIR AO DEUS MAÇÔNICO CHAMADO GADU.)".Blog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.

DIGA-SE DE PASSAGEM, MALAFAIA TAMBÉM CITOU O GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO RECENTEMENTESILAS MAFALAIA SIMBOLOGIA MAÇONARIA MÃOS - Priscila e Maxwell Palheta

SEMELHANÇAS ENTRE MAÇONARIA E UNIVERSAL DO REINO DE DEUS.

Enfim, chegamos à tal lista. Está no site oficial da Loja Maçônica Mestre Chico Abílio Nº4246. Claramente, não se trata de boato ou sensacionalismo(a acusação predileta de quem ataca este blog, por exemplo.), mas de um veículo de divulgação federado ao Grande Oriente do Brasil e jurisdicionado ao Grande Oriente do Piauí.

MAÇONS DO BRASIL

110 MAÇONS ILUSTRES DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL (GOB)
1. Ademar de Barros (Ex - Governador – SP)
2. Alceu Collares (Ex-Governador – RS)
3. Aldo Rebelo (Político)
4. Aleijadinho (Gênio Barroco)
5. Almir Pazzianotto (Ex-Ministro - Governo Sarney)
6. Alvarenga e Ranchinho (Dupla Caipira)
7. Álvaro Dias (Senador – PR)
8. Antônio Carlos Magalhães (Ex-Governador – BA)
9. Antônio Palocci (Político)
10. Barão de Mauá (Político e Industrial)
11. Barão do Rio Branco (Diplomata)
12. Basílio da Gama (Escritor)
13. Benjamin Constant (O Pai da República)
14. Bento Gonçalves (Revolucionário Gaúcho)
15. Bob Nelson (Cantor)
16. Campos Sales (4º Presidente do Brasil)
17. Carlos Gomes (Compositor Clássico)
18. Casimiro de Abreu (Escritor)
19. Castro Alves (Poeta)
20. Cipriano Barata (Prócer da Independência)
21. Ciro Gomes (Ex-Governador – CE)
22. D. Pedro I (1º Imperador e Libertador do Brasil)
23. Delfim Moreira (10º Presidente do Brasil)
24. Deodoro da Fonseca (1º Presidente do Brasil )
25. Divaldo Suruagy (Ex-Governador – AL)
26. Duque de Caxias (Patrono do Exército)
27. Edir Macedo (Pastor Evangélico)
28. Eliazar de Carvalho (Maestro)
29. Enéas Carneiro (Médico e Político)
30. Ernesto Geisel (29º Presidente do Brasil)
31. Esperidião Amin (Político)
32. Fábio Júnior (Cantor e Compositor)
33. Fernando Collor (32º Presidente do Brasil)
34. Fernando Gabeira (Político)
35. Fernando Henrique Cardoso (34º Pr. do Brasil)
36. Floriano Peixoto (2º Presidente do Brasil)
37. Francisco Cuoco (Ator)
38. Francisco Dornelles (Político)
39. Frei Caneca (Revolucionário)
40. General Osório (Grande Militar)
41. Genival Lacerda (Cantor)
42. George Savalla (O palhaço Carequinha)
43. Geraldo Alckmim (Governador – SP)
44. Germano Rigotto (Ex - Governador – RS)
45. Gilberto Kassab (Ex-Prefeito de São Paulo)
46. Gilliard (Cantor)
47. Gilmar Mendes (Ex-Presidente do STF)
48. Golbery do Couto e Silva (Militar)
49. Gonçalves Ledo (Prócer da Independência)
50. Hermes da Fonseca (8º Presidente do Brasil)
51. Hipólito da Costa (Patriarca da Imprensa BR)
52. Jaime Wright (Pastor Presbiteriano)
53. Jânio Quadros (22º Presidente do Brasil)
54. João Batista Figueiredo (30º Presidente do Brasil)
55. João Caetano (Ator Teatral)
56. João Paulo Cunha (Ex-Presidente do Congresso)57. Joaquim Nabuco (Escritor e Abolicionista)
58. José Bonifácio (O Patriarca da Independência)
59. José de Alencar (Escritor)
60. José do Patrocínio (Abolicionista)
61. José Lins do Rêgo (Escritor)
62. José Roberto Arruda (Ex-Governador – DF)
63. José Serra (Ex-Governador – SP)
64. José Wilker (Ator)
65. Júlio Prestes (Político)
66. Lamartine Babo (Músico e Compositor)
67. Luis Eduardo Greenhalgh (Político)
68. Lindomar Castilho (Cantor)
69. Luiz Gonzaga (O Rei do Baião)
70. Luiz Vieira (Cantor e Compositor)
71. Machado de Assis (Escritor)
72. Manoel da Nóbrega (Produtor de Televisão)
73. Mário Covas (Ex – Governador – SP)
74. Marquês de Sapucaí (Político e Jurista)
75. Michel Temer (Vice-Presidente do Brasil)
76. Milton Gonçalves (Ator)
77. Mozarildo Cavalcante (Senador)
78. Nereu Ramos (20° Presidente do Brasil)
79. Newton Cardoso (Político)
80. Nilo Peçanha (7º Presidente do Brasil)
81. Orestes Quércia (Ex – Governador – SP)
82. Oscarito (Ator Cômico)
83. Padre Antônio Feijó (Regente do Império)
84. Paulo Maluf (Ex-Governador – SP)
85. Pedro de Toledo (Líder da Revolução de 32)
86. Pinheiro Machado (Advogado e Político)
87. Pixinguinha (Músico e Compositor)
88. Prudente de Morais (3º Presidente do Brasil)
89. Quintino Bocaiúva (Ex-Governador – RJ)
90. Renan Calheiros (Presidente do Senado – AL)
91. Roberto de Carvalho (Músico. Esposo de Rita Lee)
92. Roberto Jéferson (Político)
93. Roberto Marinho (Dono da Rede Globo)
94. Roberto Requião (Senador – PR)
95. Rodrigues Alves (5º Presidente do Brasil)
96. Roger Avanzi (O Palhaço Picolino)
97. Rui Barbosa (O Águia de Haia)
98. Sérgio Vieira de Melo (Diplomata)
99. Silas Malafaia (Pastor Evangélico)
100. Teófilo Ottoni (Político)
101. Tião Viana (Governador – AC)
102. Tiradentes (Herói da Inconfidência)
103. Tonico (Dupla Tonico e Tinoco)
104. Valdir Raupp (Senador – RO)
105. Venceslau Brás (9º Presidente do Brasil)
106. Vicente Celestino (Cantor)
107. Vinícius de Moraes (Poeta e Compositor)
108. Waldemar Seyssel (O palhaço Arrelia)
109. Washington Luís (13º Presidente do Brasil)
110. Zé Rodrix (Cantor e Compositor)
Pesquisa realizada pelo Ir∴ Sebastião Wagner Pereira Alves.
Venerável Mestre da Loja Maçônica Mestre Chico Abílio Nº 4246
Oriente de Fronteiras -PI. Confederada ao GOB

Link da lista: http://media.wix.com/ugd/dd48c6_c2006c7d...9daf6f.pdf

Isso somente confirma o que, há 7 anos atrás, o Dr.José Renato Pedroza trouxe a público no programa"Vejam Só!" da RIT(emissora de R.R.Soares.). Na ocasião, a lista de pastores maçons revelada pelo médico caiu feito uma bomba no cenário evangélico nacional, porém abafada por todos os veículos de mídia gospel. Segundo Pedroza, suas 4 participações no "Vejam Só!" foram a verdadeira causa da demissão do apresentador Éber Cocareli(que retornou pouco mais de 1 ano após o episódio.). Não apenas isso, mas o anestesiologista afirma que a emissora teria recebido um telefonema de Silas Malafaia no qual o pastor assembleiano fez severas ameaças a R.R.Soares. Coincidência ou não, após 4 participações que renderam altos índices de audiência na época(ainda mais se considerarmos tratar-se de uma TV de pequeno porte.), Pedroza nunca mais foi convidado a estar no programa. Quanto à pessoa que lhe passou a tal listagem, Stefani Saad, gravou um vídeo de forma desesperada na casa do próprio Pedroza(Saad chegou de surpresa até Pedroza, desesperado querendo entregar a tal lista na desconfiança de que estaria com os dias contados.). Depois do tal vídeo, Saad sumiu e, até então, não se sabe o que houve com o homem. Simplesmente nunca mais se ouviu falar nele.

Abaixo, deixo o vídeo de quem trouxe a bomba a público, o blog "Priscila e Maxwell Palheta": CONFIRMADO: SILAS MALAFAIA MAÇOM!



Trata-se de uma rápida e acurada análise de quem já vem há algum tempo no encalço dos pastores maçons(indispensável para quem deseja entender melhor as implicações do caso.).

E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.
2 Pedro 2:2-3

Buck Williams

O texto com todos os links citados e em sua formatação original encontra-se aqui:

http://media.wix.com/ugd/dd48c6_c2006c7dd9f74d9ab4eb3765299daf6f.pdf

http://www.lojamaconicamca.com/#!trabalhos/cmx5


Fontes: Loja Maconica MCA , Libertar , Fórum Anti Nova Ordem Mundial

Site Maçônico coloca Silas Malafaia e Edir Macedo na lista de MAÇONS 'ilustres'


Aquilo o que por óbvia dedução já era certeza para muita gente, agora possui sua confirmação para os seguidores cegos que não queriam enxergar: dois dos maiores líderes evangélicos do segmento pentecostal e neo-pentecostal nacional tiveram seus nomes divulgados numa homenagem prestada pela ordem Grande Oriente do Brasil. Contudo, antes que alguns fiquem aliviados por não identidicarem os nomes de outras personalidades renomadas do meio evangélico na mesma listagem; já adianto que a honraria é somente aos 110 maiores de toda a história brasileira(e somente do Grande Oriente do Brasil.), o que de cara já reduz bastante a possibilidade de termos gente como Waldemiro Santiago, Thales e outros que, embora atraiam multidões cegas de adoradores aonde quer que vão, não possuem o mesmo peso que os demais citados.

Não é de hoje que Malafaia e Macedo são recorrentemente acusados de envolvimento com a maçonaria, uma seita ecumênica na qual seus adeptos precisam prestar adoração às mais diversas entidades dos inúmeros segmentos religiosos existentes(incluindo Lúcifer, nos 3 últimos graus.). Tudo isso em meio a juramentos e pactos secretos, dentre eles o de jamais admitir que é maçom(a menos que, de alguma forma, isso venha a favorecer os interesses da ordem.). Sem falar que, conforme muita gente que já passou por lá afirma, a lealdade entre os membros é tamanha que nada os impede de favorecerem uns aos outros no concívio social, algo que levanta sérias dúvidas quanto à sua postura sempre que surge a necessidade de burlar a legislação vigente em favorecimento a um irmão de fraternidade (exemplo: um réu e seu juíz, um policial e um traficante, o dono de um jornal e um candidato à presidência.). Enfim, por essas e outras é que o ambiente maçônico torna-se algo que, definitivamente, não condiz com aquilo o que a Bíblia exige de um crente verdadeiramente convertido a Cristo.

Quanto às suspeitas em relação aos 2 lobos em pele de ovelha, creio que seria mais fácil perguntar "o que existe neles que não levanta tais suspeitas". Silas, um homem conhecido por não ter papas na língua e dono de uma mega-editora gospel, já publicou material apologético sobre várias seitas e heresias tradicionalmente combatidas pelo cristianismo(Testemunhas de Jeová, kardecismo, catolicismo...), porém rigorosamente nada contra a maçonaria. Tendo em vista o fato do meio evangélico e seus líderes serem o celeiro que mais engorda o hall de adeptos das lojas maçônicas espalhadas pelo Brasil, seria natural que alguém sempre tão combativo e há tanto tempo de estrada como Malafaia divulgasse ao menos uma nota de 3 linhas a respeito do tema. Todavia, isso nunca aconteceu. Muito pelo contrário, no vídeo abaixo ele chega a elogiar a ordem, além de admitir que não combate a seita templária por jogo de interesse(será que Jesus ou um dos apóstolos deixaria de dizer o que precisa ser dito para não receber algum tipo de punição???):

MALAFAIA ELOGIA MAÇONARIA E ADMITE QUE TEME SER PUNIDO POR ELA:

Ora, como pode um homem que costuma rebater a tudo e a todos, não ter se indignado contra esta lista? O que impede silas Malafaia de se manifestar publicamente contra esta"mentira"?

Particularmente, acredito que Malafaia tenha se tornado maçom no momento em que ele abraçou à teologia da prosperidade, pois não é de hoje a existência de relatos de pastores que afirmam terem recebido ofertas maçônicas de crescimento financeiro para seus templos desde que ingressassem à ordem. Acho que ali Malafaia se corrompeu, por isso deixou de ser o maior crítico da Universal que havia até então, passando a elogiá-la publicamente:

MALAFAIA DEFENDE IGREJA MUNDIAL

MALAFAIA DEFENDE UNIVERSAL

MALAFAIA ANTES DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADEBlog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.

E quem não lembra da campanha dos R$911,00 que Malafaia realizou ao lado do satânico Morris Cerullo? Ora, não é mais segredo para ninguém que o "911" é um número importante na numerologia illuminati:

MALAFAIA E MORRIS CERULLO FAZEM CAMPANHA CABALÍSTICA COM NÚMERO 911Blog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.


O SIGNIFICADO ILLUMINATI DO 911

Sei que alguns podem levantar o seguinte argumento:"Mas como pode ele ser maçom, e ser contra o socialismo e toda a gama de ideias liberais que estão implantando em nosso país?" Resposta: primeiro que o fato do sujeito ser maçom não o impede se ser conservador(lembre-se que o EUA foi fundado por evangélicos maçons e já teve como presidentes vários republicanos maçons. Diga-se de passagem, faço coro com Silas sempre que a defesa dos valores familiares estão em jogo. Pena que não tenho certeza se as intenções dele são tão puras quanto as minhas.). Segundo que sempre houve e sempre haverá guerras entre as muitas facções maçônicas existentes. A principio, defendendo causas sociais(que podem parecer mais ou menos nobres dependendo do ponto de vista de cada um.), porém com um fim único: favorecer o seu lado no conflito, uma vez que eles é que controlam a sociedade. Nós, os de fora e que não tem acesso ao "conhecimento exclusivo" deles, somos meras cabeças de gado, apenas coadjuvantes ou, se preferir; o prêmio da guerra. Terceiro: a bancada evangélica no congresso atualmente é a terceira maior e, como todos sabem(ou deveriam saber.), Malafaia possui uma influência tremenda sobre o eleitorado protestante brasileiro. Sendo assim, não é difícil deduzir os privilégios que Silas e sua denominação possam receber sempre que ele dá as caras na TV lutando contra leis liberais que, obviamente, batem de frente com as instituições evangélicas.

Quanto a Edir Macedo, se for falar dele, terei de escrever um livro aqui. Qualquer um com o mínimo de conhecimento bíblico(só o basico do básico.) e honestidade intelectual pode muito bem olhar para a Universal e facilmente constatar que nada, absolutamente nenhum elemento presente ali é cristão. A "Universal do Reino de Deus" é uma seita anti-cristã e deve ser combatida como tal. Como não se bastassem os inúmeros itens heréticos existentes nesta denominação diabólica, também há muitas referências maçônicas nela(colunas jônicas, olho de Hórus, arca da aliança no altar, estrela de Davi, dentre outros...).

MACEDO CITA TEMPLOS MAÇÔNICOS E AFIRMA QUE SEU TEMPLO DE SALOMÃO FOI CONSTRUÍDO PELO "ARQUITETO DO UNIVERSO(TERMO USADO NA MAÇONARIA PARA SE REFERIR AO DEUS MAÇÔNICO CHAMADO GADU.)".Blog de unidoscontraomundo : UNIDOS CONTRA O MUNDO, ÓRGÃO OFICIAL DA MAÇONARIA BRASILEIRA REVELA LISTA COM 100 NOMES DE MAÇONS FAMOSOS.

DIGA-SE DE PASSAGEM, MALAFAIA TAMBÉM CITOU O GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO RECENTEMENTESILAS MAFALAIA SIMBOLOGIA MAÇONARIA MÃOS - Priscila e Maxwell Palheta

SEMELHANÇAS ENTRE MAÇONARIA E UNIVERSAL DO REINO DE DEUS.

Enfim, chegamos à tal lista. Está no site oficial da Loja Maçônica Mestre Chico Abílio Nº4246. Claramente, não se trata de boato ou sensacionalismo(a acusação predileta de quem ataca este blog, por exemplo.), mas de um veículo de divulgação federado ao Grande Oriente do Brasil e jurisdicionado ao Grande Oriente do Piauí.

MAÇONS DO BRASIL

110 MAÇONS ILUSTRES DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL (GOB)
1. Ademar de Barros (Ex - Governador – SP)
2. Alceu Collares (Ex-Governador – RS)
3. Aldo Rebelo (Político)
4. Aleijadinho (Gênio Barroco)
5. Almir Pazzianotto (Ex-Ministro - Governo Sarney)
6. Alvarenga e Ranchinho (Dupla Caipira)
7. Álvaro Dias (Senador – PR)
8. Antônio Carlos Magalhães (Ex-Governador – BA)
9. Antônio Palocci (Político)
10. Barão de Mauá (Político e Industrial)
11. Barão do Rio Branco (Diplomata)
12. Basílio da Gama (Escritor)
13. Benjamin Constant (O Pai da República)
14. Bento Gonçalves (Revolucionário Gaúcho)
15. Bob Nelson (Cantor)
16. Campos Sales (4º Presidente do Brasil)
17. Carlos Gomes (Compositor Clássico)
18. Casimiro de Abreu (Escritor)
19. Castro Alves (Poeta)
20. Cipriano Barata (Prócer da Independência)
21. Ciro Gomes (Ex-Governador – CE)
22. D. Pedro I (1º Imperador e Libertador do Brasil)
23. Delfim Moreira (10º Presidente do Brasil)
24. Deodoro da Fonseca (1º Presidente do Brasil )
25. Divaldo Suruagy (Ex-Governador – AL)
26. Duque de Caxias (Patrono do Exército)
27. Edir Macedo (Pastor Evangélico)
28. Eliazar de Carvalho (Maestro)
29. Enéas Carneiro (Médico e Político)
30. Ernesto Geisel (29º Presidente do Brasil)
31. Esperidião Amin (Político)
32. Fábio Júnior (Cantor e Compositor)
33. Fernando Collor (32º Presidente do Brasil)
34. Fernando Gabeira (Político)
35. Fernando Henrique Cardoso (34º Pr. do Brasil)
36. Floriano Peixoto (2º Presidente do Brasil)
37. Francisco Cuoco (Ator)
38. Francisco Dornelles (Político)
39. Frei Caneca (Revolucionário)
40. General Osório (Grande Militar)
41. Genival Lacerda (Cantor)
42. George Savalla (O palhaço Carequinha)
43. Geraldo Alckmim (Governador – SP)
44. Germano Rigotto (Ex - Governador – RS)
45. Gilberto Kassab (Ex-Prefeito de São Paulo)
46. Gilliard (Cantor)
47. Gilmar Mendes (Ex-Presidente do STF)
48. Golbery do Couto e Silva (Militar)
49. Gonçalves Ledo (Prócer da Independência)
50. Hermes da Fonseca (8º Presidente do Brasil)
51. Hipólito da Costa (Patriarca da Imprensa BR)
52. Jaime Wright (Pastor Presbiteriano)
53. Jânio Quadros (22º Presidente do Brasil)
54. João Batista Figueiredo (30º Presidente do Brasil)
55. João Caetano (Ator Teatral)
56. João Paulo Cunha (Ex-Presidente do Congresso)57. Joaquim Nabuco (Escritor e Abolicionista)
58. José Bonifácio (O Patriarca da Independência)
59. José de Alencar (Escritor)
60. José do Patrocínio (Abolicionista)
61. José Lins do Rêgo (Escritor)
62. José Roberto Arruda (Ex-Governador – DF)
63. José Serra (Ex-Governador – SP)
64. José Wilker (Ator)
65. Júlio Prestes (Político)
66. Lamartine Babo (Músico e Compositor)
67. Luis Eduardo Greenhalgh (Político)
68. Lindomar Castilho (Cantor)
69. Luiz Gonzaga (O Rei do Baião)
70. Luiz Vieira (Cantor e Compositor)
71. Machado de Assis (Escritor)
72. Manoel da Nóbrega (Produtor de Televisão)
73. Mário Covas (Ex – Governador – SP)
74. Marquês de Sapucaí (Político e Jurista)
75. Michel Temer (Vice-Presidente do Brasil)
76. Milton Gonçalves (Ator)
77. Mozarildo Cavalcante (Senador)
78. Nereu Ramos (20° Presidente do Brasil)
79. Newton Cardoso (Político)
80. Nilo Peçanha (7º Presidente do Brasil)
81. Orestes Quércia (Ex – Governador – SP)
82. Oscarito (Ator Cômico)
83. Padre Antônio Feijó (Regente do Império)
84. Paulo Maluf (Ex-Governador – SP)
85. Pedro de Toledo (Líder da Revolução de 32)
86. Pinheiro Machado (Advogado e Político)
87. Pixinguinha (Músico e Compositor)
88. Prudente de Morais (3º Presidente do Brasil)
89. Quintino Bocaiúva (Ex-Governador – RJ)
90. Renan Calheiros (Presidente do Senado – AL)
91. Roberto de Carvalho (Músico. Esposo de Rita Lee)
92. Roberto Jéferson (Político)
93. Roberto Marinho (Dono da Rede Globo)
94. Roberto Requião (Senador – PR)
95. Rodrigues Alves (5º Presidente do Brasil)
96. Roger Avanzi (O Palhaço Picolino)
97. Rui Barbosa (O Águia de Haia)
98. Sérgio Vieira de Melo (Diplomata)
99. Silas Malafaia (Pastor Evangélico)
100. Teófilo Ottoni (Político)
101. Tião Viana (Governador – AC)
102. Tiradentes (Herói da Inconfidência)
103. Tonico (Dupla Tonico e Tinoco)
104. Valdir Raupp (Senador – RO)
105. Venceslau Brás (9º Presidente do Brasil)
106. Vicente Celestino (Cantor)
107. Vinícius de Moraes (Poeta e Compositor)
108. Waldemar Seyssel (O palhaço Arrelia)
109. Washington Luís (13º Presidente do Brasil)
110. Zé Rodrix (Cantor e Compositor)
Pesquisa realizada pelo Ir∴ Sebastião Wagner Pereira Alves.
Venerável Mestre da Loja Maçônica Mestre Chico Abílio Nº 4246
Oriente de Fronteiras -PI. Confederada ao GOB

Link da lista: http://media.wix.com/ugd/dd48c6_c2006c7d...9daf6f.pdf

Isso somente confirma o que, há 7 anos atrás, o Dr.José Renato Pedroza trouxe a público no programa"Vejam Só!" da RIT(emissora de R.R.Soares.). Na ocasião, a lista de pastores maçons revelada pelo médico caiu feito uma bomba no cenário evangélico nacional, porém abafada por todos os veículos de mídia gospel. Segundo Pedroza, suas 4 participações no "Vejam Só!" foram a verdadeira causa da demissão do apresentador Éber Cocareli(que retornou pouco mais de 1 ano após o episódio.). Não apenas isso, mas o anestesiologista afirma que a emissora teria recebido um telefonema de Silas Malafaia no qual o pastor assembleiano fez severas ameaças a R.R.Soares. Coincidência ou não, após 4 participações que renderam altos índices de audiência na época(ainda mais se considerarmos tratar-se de uma TV de pequeno porte.), Pedroza nunca mais foi convidado a estar no programa. Quanto à pessoa que lhe passou a tal listagem, Stefani Saad, gravou um vídeo de forma desesperada na casa do próprio Pedroza(Saad chegou de surpresa até Pedroza, desesperado querendo entregar a tal lista na desconfiança de que estaria com os dias contados.). Depois do tal vídeo, Saad sumiu e, até então, não se sabe o que houve com o homem. Simplesmente nunca mais se ouviu falar nele.

Abaixo, deixo o vídeo de quem trouxe a bomba a público, o blog "Priscila e Maxwell Palheta": CONFIRMADO: SILAS MALAFAIA MAÇOM!



Trata-se de uma rápida e acurada análise de quem já vem há algum tempo no encalço dos pastores maçons(indispensável para quem deseja entender melhor as implicações do caso.).

E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.
2 Pedro 2:2-3

Buck Williams

O texto com todos os links citados e em sua formatação original encontra-se aqui:

http://media.wix.com/ugd/dd48c6_c2006c7dd9f74d9ab4eb3765299daf6f.pdf

http://www.lojamaconicamca.com/#!trabalhos/cmx5


Fontes: Loja Maconica MCA , Libertar , Fórum Anti Nova Ordem Mundial

Escrito por Lúcio Big

Desde o mês de setembro passado a OPS(OPERAÇÃO POLÍTICA SUPERVISIONADA) tenta contato com os responsáveis pelo gabinete do deputado federal Eudes Xavier (PT/CE), carinhosamente chamado por mim de “O Rei da Papelari

Conforme foi publicado no Canal do Otário, o deputado efetuou compras de material de escritório em quantidades astronômicas e impossíveis de serem utilizadas em toda uma legislatura, quanto mais em três ou quatro meses. Além disso, ainda tem o fato de a loja escolhida pelo parlamentar não abrir suas portas ao público, segundo informações que a OPS obteve de moradores da região onde está localizada a papelaria.

Em uma primeira tentativa, eu pedi aos que me assistem no YouTube, aos que leem meus artigos aqui, no meu blog e também na minha coluna no Congresso em Foco, que enviassem e-mails ao deputado exigindo explicações destes estranhos gastos efetuados com dinheiro público. Infelizmente, ninguém se honrou em responder.

A segunda tentativa ocorreu dias depois após a OPS conseguir, em apenas uma semana, fazer um abaixo assinado com 2105 assinaturas exigindo a mesma coisa, ou seja, explicações. Novamente, sem nenhum remorso aparente, o deputado e assessores mantiveram-se calados.

A terceira tentativa de comunicação foi realizada através de inúmeros telefonemas ao gabinete, mas em nenhum deles obtive qualquer tipo de explicação.

Restou-nos então apelar para o Conselho de Ética da Câmara Federal. Conforme determina a lei, qualquer cidadão deste país pode exigir que seja apurado possível quebra do decoro parlamentar. Com o apoio jurídico da advogada da OPS, Dra. Camila Albuquerque, que elaborou o documento, no dia 19/11/14 eu fui à Câmara e protocolei o documento. Você pode lê-lo aqui.

Segundo informações prestadas pela servidora da Câmara, o processo será encaminhado ao departamento jurídico que analisará toda a documentação. Se este departamento achar que há fundamentos para a denúncia, uma demanda é aberta no Conselho de Ética que irá apurar o caso. Em última consequência, o deputado pode ter seu mandato cassado.

Porém, sem obter êxito nas eleições deste ano, o deputado Eudes Xavier deixará a Casa e isso deve dificultar ou até impossibilitar que ele seja punido pela Câmara Federal. Diante disso, resolvi também entrar com uma Ação Pública contra o deputado na esperança de que os valores utilizados para o pagamento das três suntuosas compras retornem aos cofres públicos.

No vídeo abaixo você poderá ver a entrega do documento na Secretaria Geral da Mesa da Câmara Federal.



Lúcio Big, ativista no combate à corrupção. Morador de Brasília e com uma vontade enorme de ajudar o Brasil a ser mais justo.

Contatos:
luciobig@ops.net.br
https://www.facebook.com/groups/opera...
https://www.facebook.com/groups/notic... 

Fonte: Canal do Otário

Notícias Absurdas:O Rei da Papelaria a caminho do Conselho de Ética

Escrito por Lúcio Big

Desde o mês de setembro passado a OPS(OPERAÇÃO POLÍTICA SUPERVISIONADA) tenta contato com os responsáveis pelo gabinete do deputado federal Eudes Xavier (PT/CE), carinhosamente chamado por mim de “O Rei da Papelari

Conforme foi publicado no Canal do Otário, o deputado efetuou compras de material de escritório em quantidades astronômicas e impossíveis de serem utilizadas em toda uma legislatura, quanto mais em três ou quatro meses. Além disso, ainda tem o fato de a loja escolhida pelo parlamentar não abrir suas portas ao público, segundo informações que a OPS obteve de moradores da região onde está localizada a papelaria.

Em uma primeira tentativa, eu pedi aos que me assistem no YouTube, aos que leem meus artigos aqui, no meu blog e também na minha coluna no Congresso em Foco, que enviassem e-mails ao deputado exigindo explicações destes estranhos gastos efetuados com dinheiro público. Infelizmente, ninguém se honrou em responder.

A segunda tentativa ocorreu dias depois após a OPS conseguir, em apenas uma semana, fazer um abaixo assinado com 2105 assinaturas exigindo a mesma coisa, ou seja, explicações. Novamente, sem nenhum remorso aparente, o deputado e assessores mantiveram-se calados.

A terceira tentativa de comunicação foi realizada através de inúmeros telefonemas ao gabinete, mas em nenhum deles obtive qualquer tipo de explicação.

Restou-nos então apelar para o Conselho de Ética da Câmara Federal. Conforme determina a lei, qualquer cidadão deste país pode exigir que seja apurado possível quebra do decoro parlamentar. Com o apoio jurídico da advogada da OPS, Dra. Camila Albuquerque, que elaborou o documento, no dia 19/11/14 eu fui à Câmara e protocolei o documento. Você pode lê-lo aqui.

Segundo informações prestadas pela servidora da Câmara, o processo será encaminhado ao departamento jurídico que analisará toda a documentação. Se este departamento achar que há fundamentos para a denúncia, uma demanda é aberta no Conselho de Ética que irá apurar o caso. Em última consequência, o deputado pode ter seu mandato cassado.

Porém, sem obter êxito nas eleições deste ano, o deputado Eudes Xavier deixará a Casa e isso deve dificultar ou até impossibilitar que ele seja punido pela Câmara Federal. Diante disso, resolvi também entrar com uma Ação Pública contra o deputado na esperança de que os valores utilizados para o pagamento das três suntuosas compras retornem aos cofres públicos.

No vídeo abaixo você poderá ver a entrega do documento na Secretaria Geral da Mesa da Câmara Federal.



Lúcio Big, ativista no combate à corrupção. Morador de Brasília e com uma vontade enorme de ajudar o Brasil a ser mais justo.

Contatos:
luciobig@ops.net.br
https://www.facebook.com/groups/opera...
https://www.facebook.com/groups/notic... 

Fonte: Canal do Otário

Crise da água em São Paulo está entre as piores da história (Foto: Reprodução)
Para muitos, o racionamento de água em São Paulo já é uma realidade líquida e certa. Resta saber até quando políticos ganharão tempo para escondê-la ou se a população agirá, a ponto de, quem sabe, se repetirem as chamadas ‘guerras da água’, já vistas em locais onde os serviços hídricos e sanitários foram privatizados. De toda forma, o assunto não é passageiro e exige toda uma reflexão a respeito dos atuais modelos de vida e economia.

“Em primeiro lugar, é preciso reeducar a população a reduzir o consumo. As empresas também, pois quando se fala em redução de consumo parece que só a população consome. Mas, no Brasil, 70% da água é consumida pela agricultura, 22%, pela indústria e 8%, pelas residências. E quando se fala em redução de consumo, só se fala dos 8%, mas não dos 92%”, afirmou Marzeni Pereira, tecnólogo em saneamento da Sabesp, em entrevista ao Correio da Cidadania.

Na conversa, Marzeni elenca uma série de razões históricas, desde as locais até as mais abrangentes, que levaram São Paulo à atual crise hídrica, cujas consequências ainda não foram quantificadas. Trata-se de mais um fracasso do modelo de gestão privatista, de mãos dadas com um projeto desenvolvimentista que tem gerado mudanças ambientais em todos os grandes biomas do país.

“A Sabesp é a empresa mais preparada do Brasil para gerir o sistema de saneamento. Tem o melhor corpo técnico, a melhor estrutura etc. O problema principal é justamente a administração voltada ao mercado e ao lucro. Além disso, a empresa, sem dúvida, vem sofrendo sucateamento. Em 2004, tinha 18 mil trabalhadores e sua base de atuação era menor. Hoje, a empresa tem menos de 14 mil. A terceirização é um dos principais problemas, por exemplo, na perda de água”, explicou, em relação ao contexto paulista.

Por outro lado, Marzeni não deixou de fora toda a relação com um modelo já há décadas hegemônico. “No ano passado, em torno somente de soja, carne, milho e café, o Brasil exportou cerca de 200 bilhões de m³ de água. Significa abastecer São Paulo por quase 100 anos. A umidade atmosférica, mantida através dos chamados ‘rios voadores’, que vêm do Norte do Brasil e precisam da continuidade da vegetação, foi reduzida. A atuação do agronegócio, quem mais desmata, teve influência em SP. E teve também o desmatamento de todo o centro-oeste do estado”, resumiu.

A entrevista completa com Marzeni Pereira, realizada nos estúdios da webrádio Central3, pode ser lida a seguir.

Correio da Cidadania: Qual o resumo que você faz, num breve histórico, das origens e razões da crise da água no estado de São Paulo?

Marzeni Pereira: Podemos dizer que o histórico da crise de água em São Paulo tem bastante tempo. Em 2003, por exemplo, o sistema Cantareira chegou próximo de zero, com menos de 5% de sua capacidade de armazenamento e todo o sistema de saneamento quase entrou em colapso. Houve um princípio de racionamento, com a Operação Pajé (na qual se bombardeavam nuvens e se pulverizava sua água).

Nesse período, foi elaborado um plano para que o saneamento de São Paulo dependesse menos do Cantareira, ao ser assinada uma outorga com vistas a reduzir a dependência do reservatório – o que mais abastece a capital e a região metropolitana. De lá pra cá, a ideia era reduzir perdas, aumentar o reuso e encontrar novas formas de abastecimento, por outros mananciais. Isso não aconteceu.

Em 2004 e 2005, houve uma recuperação da reservação de água; em 2009, houve um pico, com quase 100% das represas cheias. Em 2009, houve um período de enchentes, como a do Jardim Pantanal (zona leste); e em 2011, teve a enchente de Franco da Rocha, por conta da abertura da represa Paiva Castro. Mas, de toda forma, não houve redução da participação do sistema Cantareira. As perdas caíram, mas não o suficiente para suprir a demanda, que cresceu. Não houve, portanto, contrapartida suficiente na disponibilidade de água. Esse é o principal problema.

Outro ponto é que tivemos, recentemente, em 2013 e 2014, uma estiagem bastante forte, apesar de curta, comparando com outras regiões do Brasil, com 5 ou 10 anos de estiagem. Aqui são menos de dois anos, de modo que não era pra estarmos na atual situação.

Neste ano, também teve outro problema: com eleições e Copa do Mundo, havia a necessidade de o governo manter sua imagem em alta. Por isso, não se tomaram medidas para reduzir o consumo de água a partir de janeiro e fevereiro de 2014.

Correio da Cidadania: Qual o papel da Sabesp, com seu modelo de gestão, nesse processo?

Marzeni Pereira: A Sabesp é a empresa mais preparada do Brasil para gerir o sistema de saneamento. Tem o melhor corpo técnico, a melhor estrutura etc. O problema principal é justamente a administração voltada ao mercado e ao lucro. Outra coisa é a dependência das influências diretas do governador e dos acionistas privados.

Além disso, a empresa, sem dúvida, vem sofrendo sucateamento e redução da sua capacidade de trabalho. Em 2004, a Sabesp tinha 18 mil trabalhadores e sua base de atuação era menor. Hoje, a empresa tem menos de 14 mil, uma redução de cerca de 20% do quadro. Isso influencia, certamente.

Outra coisa é que, a partir do momento em que se reduz o número de trabalhadores diretos, há a necessidade de terceirizar serviços. A terceirização é um dos principais problemas, por exemplo, na perda de água. Porque o serviço é mal feito, o cara faz num dia e no outro dia já vaza de novo... Significa que o serviço tem de ser feito várias vezes, e aí temos mais perdas.

É uma lógica adotada nos últimos 20 anos: a empresa depender de outras empresas privadas. Hoje, as empresas privadas têm muita influência no dia a dia da Sabesp. Portanto, é claro que o modelo de gestão tem tudo a ver com a crise.

Correio da Cidadania: Como dimensiona a crise da água no país como um todo, em si e relativamente a São Paulo? Em que medida a destruição dos biomas do Cerrado e amazônico explicam a grave situação que vivemos?
Marzeni Pereira: A estiagem em São Paulo, com certeza, tem relação com o desmatamento da Amazônia e do Cerrado. Obviamente, sempre que há desmatamento se reduz a evaporação de água pela evapotranspiração das árvores. O Cerrado brasileiro sofreu muito com a devastação promovida pelo agronegócio.

Para se ter ideia, no ano passado, em torno somente de quatro produtos (soja, carne, milho e café), o Brasil exportou cerca de 200 bilhões de metros cúbicos de água. Não produziu, apenas exportou, ‘água virtual’, como se diz. Tal número significa abastecer São Paulo por quase 100 anos, apenas com a quantidade de água gasta por esses quatro produtos.

Outro problema é que houve redução da quantidade de água superficial. À medida que há uma degradação, tanto pela remoção da vegetação como pela irrigação intensiva de larga escala, reduzem-se os afluentes dos grandes rios, como os amazônicos e o São Francisco, que já está sofrendo muito com a redução da água.

A umidade atmosférica, mantida através dos chamados “rios voadores”, que vêm do Norte do Brasil e precisam da continuidade da vegetação, foi reduzida. A atuação do agronegócio, quem mais desmata no Brasil, teve influência em São Paulo.

Mas não é só isso. Teve também o desmatamento de todo o centro-oeste do estado de São Paulo. Praticamente toda a vegetação de tal região foi removida, para plantios de cana, eucalipto, laranja etc. A redução dessa vegetação também tem influência. A redução das matas ciliares dos rios que abastecem as represas é outro fator, pois provoca o assoreamento e um secamento mais rápido.

Correio da Cidadania: O que pensa dos primeiros protestos que começam a ser organizados, ou que ocorrem até espontaneamente, em torno à água, a exemplo do que tem ocorrido em cidades como Itu? Acredita que possam crescer a ponto de se tornarem massivos, e até mesmo reproduzirem as chamadas “guerras da água” que ocorreram em vários países?

Marzeni Pereira: Itu é um caso bastante emblemático. Lá, a gestão da água é de uma empresa privada, que vendeu água até acabar. E há o risco de a empresa abandonar a cidade quando a água acabar de vez e começar o prejuízo. Afinal, ela está lá atrás de lucro, não para fazer serviço filantrópico. Esse é o grande risco de o setor privado atuar no saneamento. Temos de combatê-lo.

Quanto aos protestos, são iniciativas interessantes da população. Ela tem de fazer parte da vida política do país, não pode ficar omissa em casa. É importante ter pauta de reivindicações, um programa a ser apresentado no momento. As manifestações ainda estão tímidas, mas acredito que a tendência é de ganharem força.

Mesmo porque a previsão para 2015 é de faltar mais água. Se não chover muito nesse verão, a coisa será pior. Portanto, há tendência de aumento de protestos no ano que vem. Como cidadão, já estou participando, como nos dias 1 e 5. São manifestações importantes e precisam continuar.

Correio da Cidadania: Nesse sentido, como acredita que será o ano de 2015 em São Paulo, especialmente no que toca a vida do cidadão médio? O racionamento, que de fato já ocorre, vai ser intensificado?

Marzeni Pereira: Na realidade, ainda não existe racionamento. O que é racionamento? É a definição de quanto cada pessoa, ou família, pode usar. Seria, por exemplo, definir uma cota de 150 litros por dia. Isso é racionamento. Existe outro modelo, o rodízio, que é quando se joga água de uma região para outra. Num dia, um local fica sem água e outro a recebe. Portanto, há diferença entre um e outro tipo de política.

Inclusive, penso que o racionamento tem de ser adotado, especialmente quando a situação se acirrar. Se não, alguns terão água e outros não, como acontece no rodízio. Quem tem caixa d’água ou um reservatório grande em casa não fica sem água. Quem não tem, fica sem. Imagine uma pessoa que sai de casa às 8 da manhã e volta às 10 da noite. Se não tiver caixa d’água, não toma banho. O rodízio é injusto pra quem não tem condição de comprar caixa d´água grande.

Em relação ao ano que vem, observamos que a recuperação do reservatório do Cantareira, nos últimos 10 anos, tem sido, em média, de 23%. Se, por exemplo, está em 10% em outubro, quando chegar a março deverá estar com 30% ou 40%. E essa marca não tem sido ultrapassada, com exceção de 2004 e 2008.

O problema é que neste ano estamos com 17% negativos. O volume operacional acabou em 15 maio; de lá pra cá, está sendo usado o volume morto. Se o reservatório recuperar 20% do volume, no final do período de chuvas não teremos mais de 5% de volume operacional. Se não tiver chuva em abril, quando normalmente ela é escassa, esses 5% durariam uns 30 dias, o que nos faria voltar a usar o volume morto em maio. Há um risco de usarmos o volume morto do Cantareira bem antes do período em que começamos a usar em 2014.

Correio da Cidadania: Finalmente, o que pensa que poderiam ser soluções tanto a curto, dada a gravidade da situação, como a médio e longo prazos?

Marzeni Pereira: A principal solução é chover. Se chover, tudo se resolve. Torcemos pra isso; de fato, caso contrário, a população vai sofrer. Se não chover, temos de tomar algumas medidas (na verdade, mesmo que chova, teremos que tomá-las).

Em primeiro lugar, é preciso reeducar a população a reduzir o consumo. As empresas também, pois quando se fala em redução de consumo parece que só a população consome. Mas, no Brasil, 70% da água é consumida pela agricultura, 22%, pela indústria e 8%, pelas residências. E quando se fala em redução de consumo, só se fala dos 8%, mas não dos 92%.

A região metropolitana de São Paulo não tem muito peso da agricultura, mas tem da indústria. Precisa reduzir o consumo residencial e industrial. Precisa também de uma forte redução de perdas. Precisa de uma orientação sem meio termo para a população. Não pode ser como hoje, o governo e a Sabesp têm de falar mais claramente à população de como a situação é grave, além de esclarecer se precisamos fazer rodízio, racionamento ou as duas coisas juntas.

Há a necessidade de definir as atividades humanas básicas que terão suprimento de água garantido, como hospitais, escolas, creches. Quanto à população de baixa renda, com menos condição de comprar caixa d’água, seria necessário o governo distribuir tais caixas, distribuir filtros de hipoclorito, porque muita gente vai usar água de mina se precisar, o que traz risco de contaminação. Em caso de falta de água generalizada e uso de carros-pipa, tem que se saber como aqueles que não têm caixa poderão armazená-la.

Outro ponto é em relação ao emprego. Se de fato se concretizar a previsão, ou seja, se ocorrer falta de água generalizada em 2015, muitas empresas vão fechar, ao menos temporariamente, ou se mudar. Se não tiver política de estabilidade no emprego, pode ser uma catástrofe.

Também se deve incentivar uso de água de chuva e reuso. Pouco se fala em coletar água de chuva. Se a população fizesse isso, e reduzisse ao menos 10% do consumo, teríamos cerca de 5 metros cúbicos por segundo de economia de água. Isso equivale ao novo sistema que a Sabesp constrói agora, o São Lourenço, que custará 2 bilhões de reais.

Finalmente, é necessário estatizar o saneamento – não a Sabesp, mas o próprio saneamento. Não tem sentido um serviço tão importante quanto esse na mão de quem quer lucro. Mas a estatização não pode ficar na mão do governo, com empresários controlando por dentro. É preciso controle dos trabalhadores. Além de uma comissão e investigação populares, que apurem responsabilidades. É preciso coletar e tratar mais esgoto, usando tal água em atividades, principalmente, industriais, pois há uma série de usos possíveis com a água de esgoto.

Recuperar mananciais é outro ponto importante. Se isso não for feito, as consequências futuras podem ser mais graves. O Rodoanel passou pelos mananciais, o que mostra como não se deu importância a eles. Pessoas que moram em áreas de mananciais precisam sair de lá, através de negociações sérias, com plano habitacional. Com casa garantida, claro, ao invés de serem retiradas como lixo.

Há uma série de ações possíveis no médio e curto prazo. Mas têm de ser feitas em diálogos com a população, se não os interesses pelo lucro vão falar mais alto.

Gílson Sampaio/Correio da Cidadania 

Fontes: Correio da Cidadania , Notícia Final

Brasil: crise hídrica de São Paulo passa pelo agronegócio, desperdício e privatização da água

Crise da água em São Paulo está entre as piores da história (Foto: Reprodução)
Para muitos, o racionamento de água em São Paulo já é uma realidade líquida e certa. Resta saber até quando políticos ganharão tempo para escondê-la ou se a população agirá, a ponto de, quem sabe, se repetirem as chamadas ‘guerras da água’, já vistas em locais onde os serviços hídricos e sanitários foram privatizados. De toda forma, o assunto não é passageiro e exige toda uma reflexão a respeito dos atuais modelos de vida e economia.

“Em primeiro lugar, é preciso reeducar a população a reduzir o consumo. As empresas também, pois quando se fala em redução de consumo parece que só a população consome. Mas, no Brasil, 70% da água é consumida pela agricultura, 22%, pela indústria e 8%, pelas residências. E quando se fala em redução de consumo, só se fala dos 8%, mas não dos 92%”, afirmou Marzeni Pereira, tecnólogo em saneamento da Sabesp, em entrevista ao Correio da Cidadania.

Na conversa, Marzeni elenca uma série de razões históricas, desde as locais até as mais abrangentes, que levaram São Paulo à atual crise hídrica, cujas consequências ainda não foram quantificadas. Trata-se de mais um fracasso do modelo de gestão privatista, de mãos dadas com um projeto desenvolvimentista que tem gerado mudanças ambientais em todos os grandes biomas do país.

“A Sabesp é a empresa mais preparada do Brasil para gerir o sistema de saneamento. Tem o melhor corpo técnico, a melhor estrutura etc. O problema principal é justamente a administração voltada ao mercado e ao lucro. Além disso, a empresa, sem dúvida, vem sofrendo sucateamento. Em 2004, tinha 18 mil trabalhadores e sua base de atuação era menor. Hoje, a empresa tem menos de 14 mil. A terceirização é um dos principais problemas, por exemplo, na perda de água”, explicou, em relação ao contexto paulista.

Por outro lado, Marzeni não deixou de fora toda a relação com um modelo já há décadas hegemônico. “No ano passado, em torno somente de soja, carne, milho e café, o Brasil exportou cerca de 200 bilhões de m³ de água. Significa abastecer São Paulo por quase 100 anos. A umidade atmosférica, mantida através dos chamados ‘rios voadores’, que vêm do Norte do Brasil e precisam da continuidade da vegetação, foi reduzida. A atuação do agronegócio, quem mais desmata, teve influência em SP. E teve também o desmatamento de todo o centro-oeste do estado”, resumiu.

A entrevista completa com Marzeni Pereira, realizada nos estúdios da webrádio Central3, pode ser lida a seguir.

Correio da Cidadania: Qual o resumo que você faz, num breve histórico, das origens e razões da crise da água no estado de São Paulo?

Marzeni Pereira: Podemos dizer que o histórico da crise de água em São Paulo tem bastante tempo. Em 2003, por exemplo, o sistema Cantareira chegou próximo de zero, com menos de 5% de sua capacidade de armazenamento e todo o sistema de saneamento quase entrou em colapso. Houve um princípio de racionamento, com a Operação Pajé (na qual se bombardeavam nuvens e se pulverizava sua água).

Nesse período, foi elaborado um plano para que o saneamento de São Paulo dependesse menos do Cantareira, ao ser assinada uma outorga com vistas a reduzir a dependência do reservatório – o que mais abastece a capital e a região metropolitana. De lá pra cá, a ideia era reduzir perdas, aumentar o reuso e encontrar novas formas de abastecimento, por outros mananciais. Isso não aconteceu.

Em 2004 e 2005, houve uma recuperação da reservação de água; em 2009, houve um pico, com quase 100% das represas cheias. Em 2009, houve um período de enchentes, como a do Jardim Pantanal (zona leste); e em 2011, teve a enchente de Franco da Rocha, por conta da abertura da represa Paiva Castro. Mas, de toda forma, não houve redução da participação do sistema Cantareira. As perdas caíram, mas não o suficiente para suprir a demanda, que cresceu. Não houve, portanto, contrapartida suficiente na disponibilidade de água. Esse é o principal problema.

Outro ponto é que tivemos, recentemente, em 2013 e 2014, uma estiagem bastante forte, apesar de curta, comparando com outras regiões do Brasil, com 5 ou 10 anos de estiagem. Aqui são menos de dois anos, de modo que não era pra estarmos na atual situação.

Neste ano, também teve outro problema: com eleições e Copa do Mundo, havia a necessidade de o governo manter sua imagem em alta. Por isso, não se tomaram medidas para reduzir o consumo de água a partir de janeiro e fevereiro de 2014.

Correio da Cidadania: Qual o papel da Sabesp, com seu modelo de gestão, nesse processo?

Marzeni Pereira: A Sabesp é a empresa mais preparada do Brasil para gerir o sistema de saneamento. Tem o melhor corpo técnico, a melhor estrutura etc. O problema principal é justamente a administração voltada ao mercado e ao lucro. Outra coisa é a dependência das influências diretas do governador e dos acionistas privados.

Além disso, a empresa, sem dúvida, vem sofrendo sucateamento e redução da sua capacidade de trabalho. Em 2004, a Sabesp tinha 18 mil trabalhadores e sua base de atuação era menor. Hoje, a empresa tem menos de 14 mil, uma redução de cerca de 20% do quadro. Isso influencia, certamente.

Outra coisa é que, a partir do momento em que se reduz o número de trabalhadores diretos, há a necessidade de terceirizar serviços. A terceirização é um dos principais problemas, por exemplo, na perda de água. Porque o serviço é mal feito, o cara faz num dia e no outro dia já vaza de novo... Significa que o serviço tem de ser feito várias vezes, e aí temos mais perdas.

É uma lógica adotada nos últimos 20 anos: a empresa depender de outras empresas privadas. Hoje, as empresas privadas têm muita influência no dia a dia da Sabesp. Portanto, é claro que o modelo de gestão tem tudo a ver com a crise.

Correio da Cidadania: Como dimensiona a crise da água no país como um todo, em si e relativamente a São Paulo? Em que medida a destruição dos biomas do Cerrado e amazônico explicam a grave situação que vivemos?
Marzeni Pereira: A estiagem em São Paulo, com certeza, tem relação com o desmatamento da Amazônia e do Cerrado. Obviamente, sempre que há desmatamento se reduz a evaporação de água pela evapotranspiração das árvores. O Cerrado brasileiro sofreu muito com a devastação promovida pelo agronegócio.

Para se ter ideia, no ano passado, em torno somente de quatro produtos (soja, carne, milho e café), o Brasil exportou cerca de 200 bilhões de metros cúbicos de água. Não produziu, apenas exportou, ‘água virtual’, como se diz. Tal número significa abastecer São Paulo por quase 100 anos, apenas com a quantidade de água gasta por esses quatro produtos.

Outro problema é que houve redução da quantidade de água superficial. À medida que há uma degradação, tanto pela remoção da vegetação como pela irrigação intensiva de larga escala, reduzem-se os afluentes dos grandes rios, como os amazônicos e o São Francisco, que já está sofrendo muito com a redução da água.

A umidade atmosférica, mantida através dos chamados “rios voadores”, que vêm do Norte do Brasil e precisam da continuidade da vegetação, foi reduzida. A atuação do agronegócio, quem mais desmata no Brasil, teve influência em São Paulo.

Mas não é só isso. Teve também o desmatamento de todo o centro-oeste do estado de São Paulo. Praticamente toda a vegetação de tal região foi removida, para plantios de cana, eucalipto, laranja etc. A redução dessa vegetação também tem influência. A redução das matas ciliares dos rios que abastecem as represas é outro fator, pois provoca o assoreamento e um secamento mais rápido.

Correio da Cidadania: O que pensa dos primeiros protestos que começam a ser organizados, ou que ocorrem até espontaneamente, em torno à água, a exemplo do que tem ocorrido em cidades como Itu? Acredita que possam crescer a ponto de se tornarem massivos, e até mesmo reproduzirem as chamadas “guerras da água” que ocorreram em vários países?

Marzeni Pereira: Itu é um caso bastante emblemático. Lá, a gestão da água é de uma empresa privada, que vendeu água até acabar. E há o risco de a empresa abandonar a cidade quando a água acabar de vez e começar o prejuízo. Afinal, ela está lá atrás de lucro, não para fazer serviço filantrópico. Esse é o grande risco de o setor privado atuar no saneamento. Temos de combatê-lo.

Quanto aos protestos, são iniciativas interessantes da população. Ela tem de fazer parte da vida política do país, não pode ficar omissa em casa. É importante ter pauta de reivindicações, um programa a ser apresentado no momento. As manifestações ainda estão tímidas, mas acredito que a tendência é de ganharem força.

Mesmo porque a previsão para 2015 é de faltar mais água. Se não chover muito nesse verão, a coisa será pior. Portanto, há tendência de aumento de protestos no ano que vem. Como cidadão, já estou participando, como nos dias 1 e 5. São manifestações importantes e precisam continuar.

Correio da Cidadania: Nesse sentido, como acredita que será o ano de 2015 em São Paulo, especialmente no que toca a vida do cidadão médio? O racionamento, que de fato já ocorre, vai ser intensificado?

Marzeni Pereira: Na realidade, ainda não existe racionamento. O que é racionamento? É a definição de quanto cada pessoa, ou família, pode usar. Seria, por exemplo, definir uma cota de 150 litros por dia. Isso é racionamento. Existe outro modelo, o rodízio, que é quando se joga água de uma região para outra. Num dia, um local fica sem água e outro a recebe. Portanto, há diferença entre um e outro tipo de política.

Inclusive, penso que o racionamento tem de ser adotado, especialmente quando a situação se acirrar. Se não, alguns terão água e outros não, como acontece no rodízio. Quem tem caixa d’água ou um reservatório grande em casa não fica sem água. Quem não tem, fica sem. Imagine uma pessoa que sai de casa às 8 da manhã e volta às 10 da noite. Se não tiver caixa d’água, não toma banho. O rodízio é injusto pra quem não tem condição de comprar caixa d´água grande.

Em relação ao ano que vem, observamos que a recuperação do reservatório do Cantareira, nos últimos 10 anos, tem sido, em média, de 23%. Se, por exemplo, está em 10% em outubro, quando chegar a março deverá estar com 30% ou 40%. E essa marca não tem sido ultrapassada, com exceção de 2004 e 2008.

O problema é que neste ano estamos com 17% negativos. O volume operacional acabou em 15 maio; de lá pra cá, está sendo usado o volume morto. Se o reservatório recuperar 20% do volume, no final do período de chuvas não teremos mais de 5% de volume operacional. Se não tiver chuva em abril, quando normalmente ela é escassa, esses 5% durariam uns 30 dias, o que nos faria voltar a usar o volume morto em maio. Há um risco de usarmos o volume morto do Cantareira bem antes do período em que começamos a usar em 2014.

Correio da Cidadania: Finalmente, o que pensa que poderiam ser soluções tanto a curto, dada a gravidade da situação, como a médio e longo prazos?

Marzeni Pereira: A principal solução é chover. Se chover, tudo se resolve. Torcemos pra isso; de fato, caso contrário, a população vai sofrer. Se não chover, temos de tomar algumas medidas (na verdade, mesmo que chova, teremos que tomá-las).

Em primeiro lugar, é preciso reeducar a população a reduzir o consumo. As empresas também, pois quando se fala em redução de consumo parece que só a população consome. Mas, no Brasil, 70% da água é consumida pela agricultura, 22%, pela indústria e 8%, pelas residências. E quando se fala em redução de consumo, só se fala dos 8%, mas não dos 92%.

A região metropolitana de São Paulo não tem muito peso da agricultura, mas tem da indústria. Precisa reduzir o consumo residencial e industrial. Precisa também de uma forte redução de perdas. Precisa de uma orientação sem meio termo para a população. Não pode ser como hoje, o governo e a Sabesp têm de falar mais claramente à população de como a situação é grave, além de esclarecer se precisamos fazer rodízio, racionamento ou as duas coisas juntas.

Há a necessidade de definir as atividades humanas básicas que terão suprimento de água garantido, como hospitais, escolas, creches. Quanto à população de baixa renda, com menos condição de comprar caixa d’água, seria necessário o governo distribuir tais caixas, distribuir filtros de hipoclorito, porque muita gente vai usar água de mina se precisar, o que traz risco de contaminação. Em caso de falta de água generalizada e uso de carros-pipa, tem que se saber como aqueles que não têm caixa poderão armazená-la.

Outro ponto é em relação ao emprego. Se de fato se concretizar a previsão, ou seja, se ocorrer falta de água generalizada em 2015, muitas empresas vão fechar, ao menos temporariamente, ou se mudar. Se não tiver política de estabilidade no emprego, pode ser uma catástrofe.

Também se deve incentivar uso de água de chuva e reuso. Pouco se fala em coletar água de chuva. Se a população fizesse isso, e reduzisse ao menos 10% do consumo, teríamos cerca de 5 metros cúbicos por segundo de economia de água. Isso equivale ao novo sistema que a Sabesp constrói agora, o São Lourenço, que custará 2 bilhões de reais.

Finalmente, é necessário estatizar o saneamento – não a Sabesp, mas o próprio saneamento. Não tem sentido um serviço tão importante quanto esse na mão de quem quer lucro. Mas a estatização não pode ficar na mão do governo, com empresários controlando por dentro. É preciso controle dos trabalhadores. Além de uma comissão e investigação populares, que apurem responsabilidades. É preciso coletar e tratar mais esgoto, usando tal água em atividades, principalmente, industriais, pois há uma série de usos possíveis com a água de esgoto.

Recuperar mananciais é outro ponto importante. Se isso não for feito, as consequências futuras podem ser mais graves. O Rodoanel passou pelos mananciais, o que mostra como não se deu importância a eles. Pessoas que moram em áreas de mananciais precisam sair de lá, através de negociações sérias, com plano habitacional. Com casa garantida, claro, ao invés de serem retiradas como lixo.

Há uma série de ações possíveis no médio e curto prazo. Mas têm de ser feitas em diálogos com a população, se não os interesses pelo lucro vão falar mais alto.

Gílson Sampaio/Correio da Cidadania 

Fontes: Correio da Cidadania , Notícia Final

O Brasil é o único país do mundo que autorizou o uso comercial dessa tecnologia. Até o momento não foi comprovado se ela de fato reduz a dengue e se apresenta riscos para a população e o meio ambiente. Este livro trata dessas preocupações.

A empresa inglesa de biotecnologia Oxitec desenvolveu uma cepa geneticamente modificada do mosquito Aedes aegypti para produzir crias que morrem prematuramente. A empresa já liberou um grande número destes mosquitos no Brazil, nas Ilhas Cayman e na Malásia em experimentos que visam reduzir a população adulta do Aedes aegypti, o qual é responsável por transmitir a doença tropical febre da dengue.

Embora a Oxitec continue a promoção de sua tecnologia patenteada, este artigo aponta uma série de preocupações e questões não respondidas em torno ao uso do Aedes aegypti geneticamente modificado (GM) como forma de controle de mosquitos. A tecnologia pode não ser particularmente efetiva em suprimir as populações de mosquitos e pode inclusive, em especial nos casos de eficácia limitada, piorar o problema da dengue. Existe ainda incerteza sobre o quanto algumas crias dos mosquitos GM sobrevivem até a idade adulta. De maneira geral, os potenciais efeitos adversos desta tecnologia não estão ainda completamente compreendidos, dadas as complexas interações nos ecossistemas entre o Aedes aegypti, outras espécies de mosquitos, os vírus que eles carregam e os humanos que eles picam.

Estas preocupações não foram apropriadamente consideradas antes dos experimentos de campo, para os quais as avaliações de risco e o processo de consulta foram seriamente inadequados. Sem um exame compreensivo dos riscos e benefícios, é questionável se os objetivos de controle da dengue e do mosquito estariam atendidos da melhor forma recorrendo aos mosquitos GM da Oxitec.

* A distribuição do livro é gratuita. Caso você more no Rio, é preciso buscar um exemplar na Fundação Heinrich Böll (Rua da Glória, 190 - apto 701), caso contrário, enviamos pelos correios gratuitamente. Por favor, nos informe um endereço com CEP através do email: info@br.boell.org

Caso queira fazer o download gratuitamente em PDF clique aqui

Sumário:

Capítulo 1. Introdução 1

Capítulo 2. A liberação de mosquitos geneticamente modificados eliminará as populações silvestres de mosquitos? 4

Capítulo 3. A erradicação da população de mosquitos reduzirá a febre da dengue? 11

Capítulo 4. Impactos do antibiótico tetraciclina 16

Capítulo 5. Impactos ou alterações em outras espécies de mosquitos 20

Capítulo 6. Introdução de novas cepas de mosquitos e transmissão de outras enfermidades 24

Capítulo 7. Pode-se desenvolver uma resistência, e, portanto mais mosquitos geneticamente modificados iriam sobreviver e se reproduzir, ou a capacidade física dos mosquitos geneticamente modificados se reduz com o tempo? 27

Capítulo 8. Compatibilidade com os métodos de controle tradicionais 30

Capítulo 9. Os mosquitos geneticamente modificados poderão picar as pessoas ou causar danos a outros seres? 32

Capítulo 10. Rastreabilidade e monitoramento 34

Capítulo 11. Avaliar os impactos potenciais das liberaçoes em um sistema complexo 36

Capítulo 12. Regulação, consentimento e movimentos transfronteiriços 39

Capítulo 13. Alternativas 57

Capítulo 14. Conclusões 61

Notas 65

Fontes: Pratos Limpos , Heinrich Böll Brasil

Mosquitos Geneticamente Modificados: preocupações atuais

O Brasil é o único país do mundo que autorizou o uso comercial dessa tecnologia. Até o momento não foi comprovado se ela de fato reduz a dengue e se apresenta riscos para a população e o meio ambiente. Este livro trata dessas preocupações.

A empresa inglesa de biotecnologia Oxitec desenvolveu uma cepa geneticamente modificada do mosquito Aedes aegypti para produzir crias que morrem prematuramente. A empresa já liberou um grande número destes mosquitos no Brazil, nas Ilhas Cayman e na Malásia em experimentos que visam reduzir a população adulta do Aedes aegypti, o qual é responsável por transmitir a doença tropical febre da dengue.

Embora a Oxitec continue a promoção de sua tecnologia patenteada, este artigo aponta uma série de preocupações e questões não respondidas em torno ao uso do Aedes aegypti geneticamente modificado (GM) como forma de controle de mosquitos. A tecnologia pode não ser particularmente efetiva em suprimir as populações de mosquitos e pode inclusive, em especial nos casos de eficácia limitada, piorar o problema da dengue. Existe ainda incerteza sobre o quanto algumas crias dos mosquitos GM sobrevivem até a idade adulta. De maneira geral, os potenciais efeitos adversos desta tecnologia não estão ainda completamente compreendidos, dadas as complexas interações nos ecossistemas entre o Aedes aegypti, outras espécies de mosquitos, os vírus que eles carregam e os humanos que eles picam.

Estas preocupações não foram apropriadamente consideradas antes dos experimentos de campo, para os quais as avaliações de risco e o processo de consulta foram seriamente inadequados. Sem um exame compreensivo dos riscos e benefícios, é questionável se os objetivos de controle da dengue e do mosquito estariam atendidos da melhor forma recorrendo aos mosquitos GM da Oxitec.

* A distribuição do livro é gratuita. Caso você more no Rio, é preciso buscar um exemplar na Fundação Heinrich Böll (Rua da Glória, 190 - apto 701), caso contrário, enviamos pelos correios gratuitamente. Por favor, nos informe um endereço com CEP através do email: info@br.boell.org

Caso queira fazer o download gratuitamente em PDF clique aqui

Sumário:

Capítulo 1. Introdução 1

Capítulo 2. A liberação de mosquitos geneticamente modificados eliminará as populações silvestres de mosquitos? 4

Capítulo 3. A erradicação da população de mosquitos reduzirá a febre da dengue? 11

Capítulo 4. Impactos do antibiótico tetraciclina 16

Capítulo 5. Impactos ou alterações em outras espécies de mosquitos 20

Capítulo 6. Introdução de novas cepas de mosquitos e transmissão de outras enfermidades 24

Capítulo 7. Pode-se desenvolver uma resistência, e, portanto mais mosquitos geneticamente modificados iriam sobreviver e se reproduzir, ou a capacidade física dos mosquitos geneticamente modificados se reduz com o tempo? 27

Capítulo 8. Compatibilidade com os métodos de controle tradicionais 30

Capítulo 9. Os mosquitos geneticamente modificados poderão picar as pessoas ou causar danos a outros seres? 32

Capítulo 10. Rastreabilidade e monitoramento 34

Capítulo 11. Avaliar os impactos potenciais das liberaçoes em um sistema complexo 36

Capítulo 12. Regulação, consentimento e movimentos transfronteiriços 39

Capítulo 13. Alternativas 57

Capítulo 14. Conclusões 61

Notas 65

Fontes: Pratos Limpos , Heinrich Böll Brasil


Posted at: 10:55, October 14, 2014 By Luis R. Miranda

Brazilian president, Dilma Rousseff is now facing two threats: Losing the Spring election and dealing with the economic recession Brazil has fallen into in 2014. Photo Credit: www.businessinsider.com
Segundo a declaração de testemunhas, só na construção da refinaria da Petrobrás em Pernambuco, no nordeste do Brasil, o esquema de corrupção levou ao desvio de mais de 10 bilhões de reais.

BRAZIL – Com apenas duas semanas até a votação para elegir presidente no segundo turno, a atual presidente, Dilma Rousseff (PT), e o senador Aécio Neves (PSDB), surfam uma nova onda de suspeitas e acusações de corrupção que parece abalar mais a imagem de Dilma.

O ex-diretor de abastecimento da maior empresa pública do Brasil, a Petrobrás, Paulo Roberto Costa, declarou esta semana perante um juiz que esta empresa tinha um sistema de corrupção institucionalizada e que o PT embolsou entre 1% e 3% de todos os contratos que foram celebrados entre 2004 e 2012.

Mas os esquemas de corrupção não param por aí. O comerciante e experto em lavagem de dinheiro, parceiro de negócios obscuros do Costa, Alberto Youssef, acrescentou que “pelo que me lembro, não houve uma empresa que não pagou o pedágio.”

Ambos Costa e Youssef foram forçados a declarar para evitar passar o resto de suas vidas na prisão. Eles foram presos e acusados​​, entre outras coisas, por peculato e lavagem de dinheiro.

Descobriu-se que Costa tinha uma conta na Suíça com mais de 18 milhões de euros, e a polícia reuniu provas da relação com vários negócios que Costa tinha com Yousseff. Costa também recebeu dinheiro de empresas relacionadas com a gigante brasileira de petróleo.

Ambos concordaram com o juiz que, depois de declarar sobre o sistema de corrupção usado na Petrobrás, suas sentenças seriam reduzidas do mínimo de 40 anos que eles teriam que passar na cadeia.

O choque que as declarações criou surge do fato que toda essa corrupção ocorreu enquanto Dilma Rousseff era presidente do conselho de administração da Petrobrás.

A primeira declaração foi revelada há algumas semanas por uma revista, onde Costa afirmou que mais de uma dúzia de políticos brasileiros, incluindo senadores e ex-ministros tinham se apropriado ilegalmente de dinheiro da Petrobrás.

Agora, a acusação vai um passo além. Yousseff explicou que ele e Costa costumavam se encontrar com o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), entre outros, para entregar a parte da propina cobrada pelo partido.

“Nós nos econtramos em hotéis no Rio de Janeiro ou São Paulo, ou na sua própria casa. Discutimos assuntos relacionados com as empresas que iriam participar de projetos liderados pela Petrobrás “, disse Yousseff.

De acordo com ele, as empresas pagaram dinheiro para receber contratos milionários. Por exemplo, na construção da refinaria da Petrobrás em Pernambuco, no nordeste do Brasil, foram pagos subornos por 68 milhões de reais.

Alguns meios de comunicação brasileiros estimam que só neste esquema a corrupção levou ao desvio de mais de 10 bilhões de reais.

Yousseff foi mais longe e disse que um grupo de congressistas pressionaram em 2004 para o presidente Lula nomear Costa como o chefe do Departamento de Abastecimento da Petrobrás, e que eles pressionaram o Lula bloqueando iniciativas políticas no Congresso.

“Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enlouqueceu e teve que finalmente ceder. Ele colocou Paulo Roberto Costa no cargo“.

Em uma reunião com sindicalistas em São Paulo, o próprio Lula negou esses fatos: “Estou farto sobre denúncias de corrupção às vésperas de eleições.” Ele acrescentou: “É sempre a mesma coisa: quando temos eleições, as alegações aparecem, e não parece haver necessidade de provar nada “.

Arlindo Chinaglia, um deputado do PT, especificou que, nos três meses que antecederam a nomeação de Costa em 2004, o Congresso Nacional, longe de reduzir o número de projetos aprovados, apresentou e aprovou um número considerável de leis. Desta forma, Chinaglia tentou desmontar o argumento apresentado por Yousseff.

No entanto, as alegações de corrupção envolvendo o PT, que está no poder há 12 anos, marca e define o ritmo da campanha que acabará na eleição entre Dilma e Aécio Neves no próximo dia 26 de Outubro.

A candidatura de Rousseff acusa Neves de estimular acusações de corrupção e de usar veneno eleitoral como munição.

“O que é estranho é que as acusações saiam duas semanas antes da votação”, disse Lula. Neves

Neves reagiu e disse que as últimas acusações provam que “eles roubaram a maior empresa do país”, e que “a presidente não está indignada com isso, mas com o fato de que as acusações saiam agora“.

Fonte: Real Agenda

A Corrupção Generalizada mina a Presidência Rousseff

Posted at: 10:55, October 14, 2014 By Luis R. Miranda

Brazilian president, Dilma Rousseff is now facing two threats: Losing the Spring election and dealing with the economic recession Brazil has fallen into in 2014. Photo Credit: www.businessinsider.com
Segundo a declaração de testemunhas, só na construção da refinaria da Petrobrás em Pernambuco, no nordeste do Brasil, o esquema de corrupção levou ao desvio de mais de 10 bilhões de reais.

BRAZIL – Com apenas duas semanas até a votação para elegir presidente no segundo turno, a atual presidente, Dilma Rousseff (PT), e o senador Aécio Neves (PSDB), surfam uma nova onda de suspeitas e acusações de corrupção que parece abalar mais a imagem de Dilma.

O ex-diretor de abastecimento da maior empresa pública do Brasil, a Petrobrás, Paulo Roberto Costa, declarou esta semana perante um juiz que esta empresa tinha um sistema de corrupção institucionalizada e que o PT embolsou entre 1% e 3% de todos os contratos que foram celebrados entre 2004 e 2012.

Mas os esquemas de corrupção não param por aí. O comerciante e experto em lavagem de dinheiro, parceiro de negócios obscuros do Costa, Alberto Youssef, acrescentou que “pelo que me lembro, não houve uma empresa que não pagou o pedágio.”

Ambos Costa e Youssef foram forçados a declarar para evitar passar o resto de suas vidas na prisão. Eles foram presos e acusados​​, entre outras coisas, por peculato e lavagem de dinheiro.

Descobriu-se que Costa tinha uma conta na Suíça com mais de 18 milhões de euros, e a polícia reuniu provas da relação com vários negócios que Costa tinha com Yousseff. Costa também recebeu dinheiro de empresas relacionadas com a gigante brasileira de petróleo.

Ambos concordaram com o juiz que, depois de declarar sobre o sistema de corrupção usado na Petrobrás, suas sentenças seriam reduzidas do mínimo de 40 anos que eles teriam que passar na cadeia.

O choque que as declarações criou surge do fato que toda essa corrupção ocorreu enquanto Dilma Rousseff era presidente do conselho de administração da Petrobrás.

A primeira declaração foi revelada há algumas semanas por uma revista, onde Costa afirmou que mais de uma dúzia de políticos brasileiros, incluindo senadores e ex-ministros tinham se apropriado ilegalmente de dinheiro da Petrobrás.

Agora, a acusação vai um passo além. Yousseff explicou que ele e Costa costumavam se encontrar com o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), entre outros, para entregar a parte da propina cobrada pelo partido.

“Nós nos econtramos em hotéis no Rio de Janeiro ou São Paulo, ou na sua própria casa. Discutimos assuntos relacionados com as empresas que iriam participar de projetos liderados pela Petrobrás “, disse Yousseff.

De acordo com ele, as empresas pagaram dinheiro para receber contratos milionários. Por exemplo, na construção da refinaria da Petrobrás em Pernambuco, no nordeste do Brasil, foram pagos subornos por 68 milhões de reais.

Alguns meios de comunicação brasileiros estimam que só neste esquema a corrupção levou ao desvio de mais de 10 bilhões de reais.

Yousseff foi mais longe e disse que um grupo de congressistas pressionaram em 2004 para o presidente Lula nomear Costa como o chefe do Departamento de Abastecimento da Petrobrás, e que eles pressionaram o Lula bloqueando iniciativas políticas no Congresso.

“Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enlouqueceu e teve que finalmente ceder. Ele colocou Paulo Roberto Costa no cargo“.

Em uma reunião com sindicalistas em São Paulo, o próprio Lula negou esses fatos: “Estou farto sobre denúncias de corrupção às vésperas de eleições.” Ele acrescentou: “É sempre a mesma coisa: quando temos eleições, as alegações aparecem, e não parece haver necessidade de provar nada “.

Arlindo Chinaglia, um deputado do PT, especificou que, nos três meses que antecederam a nomeação de Costa em 2004, o Congresso Nacional, longe de reduzir o número de projetos aprovados, apresentou e aprovou um número considerável de leis. Desta forma, Chinaglia tentou desmontar o argumento apresentado por Yousseff.

No entanto, as alegações de corrupção envolvendo o PT, que está no poder há 12 anos, marca e define o ritmo da campanha que acabará na eleição entre Dilma e Aécio Neves no próximo dia 26 de Outubro.

A candidatura de Rousseff acusa Neves de estimular acusações de corrupção e de usar veneno eleitoral como munição.

“O que é estranho é que as acusações saiam duas semanas antes da votação”, disse Lula. Neves

Neves reagiu e disse que as últimas acusações provam que “eles roubaram a maior empresa do país”, e que “a presidente não está indignada com isso, mas com o fato de que as acusações saiam agora“.

Fonte: Real Agenda

Postagens mais antigas Página inicial
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato