background img

Relatório Chocante da OMS: O Período de Incubação do Ebola é de 42 Dias e não 21 Dias!

Natural News

Um relatório de cair o queixo divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 14 outubro de 2014 revela que 1 em cada 20 infecções por Ebola tem um período de incubação mais longo do que os 21 dias que tem sido repetidamente alegados pelos Centros de Controle de Doenças (CDC) dos EUA.

Isto pode ser o único e mais importante – e descaradamente honesto – relatório de pesquisa divulgado por qualquer órgão oficial, desde o início do surto de Ebola. O relatório da OMS “Avaliação da situação do Ebola“, encontrado aqui, explica que apenas 95% das infecções de Ebola experimentam a incubação dentro do prazo amplamente relatado de 21 dias. Aqui está a linguagem real do relatório:

95% dos casos confirmados tem um período de incubação no intervalo de 1 a 21 dias; 98% têm um período de incubação que cai dentro do intervalo de 1 a 42 dias. [1]

A não ser que a estrutura da frase seja de alguma forma enganosa, esta passagem parece indicar o seguinte:

95% das incubações do Ebola ocorrem entre 1 à 21 dias
3% das incubações do Ebola ocorrem entre 21 à 42 dias
2% das incubações do Ebola não são explicadas (por quê?)

Se esta interpretação das estatísticas da OMS estiver correta, isso significaria que:

1 em cada 20 infecções por Ebola pode resultar em incubações com duração significativamente maior que 21 dias•
A quarentena de 21 dias sendo imposta pelo CDC é totalmente insuficiente para deter um surto
As pessoas que são liberadas da observação ou auto-quarentena após 21 dias ainda podem se tornar pacientes de Ebola completos nas próximas três semanas mesmo que eles não tenham mostrado sintomas de infecção durante os primeiros 21 dias. (Sim, leia isso de novo…)

Qualquer declaração de que um surto tenha terminado requer 42 dias sem novas infecções

Ressaltando a importância da regra de 42 dias, o documento da OMS declara abertamente que um período de observação de 42 dias sem novos surtos é necessário antes de se declarar que o surto esteja sob controle. Nas próprias palavras da OMS:

A OMS está, portanto, confiante de que a detecção de novos casos, com vigilância ativa no local, ao longo deste período de 42 dias significa que um surto de Ebola está de fato terminado. [1]

A OMS “alarmou” sobre falsas declarações de testes negativos do Ebola

Também perturbador é o alerta aberto da OMS que as autoridades de saúde do governo que estão anunciando resultados negativos de Ebola em pacientes meras horas após eles serem testados, estão grosseiramente enganando o público e, essencialmente, praticando charlatanismo.

Conforme explicado pela OMS:
A OMS está alarmada com relatos pela mídia de casos suspeitos de Ebola importados em novos países que são ditos, por funcionários do governo ou ministérios da saúde, para serem descartados como “negativos” dentro de horas após o caso suspeito entrar no país. Essa determinação rápida do estado da infecção é impossível, lançando sérias dúvidas em alguns sobre a informação oficial que está sendo comunicada ao público e à mídia. [1]
Em outras palavras, a OMS está nos dizendo que todos os pronunciamentos públicos por parte das autoridades de saúde do governo são sem sentido. Uma determinação de infecção por Ebola não pode ser feita em poucas horas, ao que parece. Na verdade, como explica a OMS, um caso suspeito de Ebola deve ser observado e testado por 48 horas antes que qualquer grau de certeza possa ser alcançado sobre o estado da infecção por Ebola:

Dois resultados do teste de RT-PCR negativos, com pelo menos 48 horas de intervalo, são necessários para um paciente clinicamente assintomático ter alta do hospital, ou para um caso de suspeita de Ebola para ter alta conforme o teste dê negativo para o vírus. [1]

“Não há sinais” que os focos estão sob controle

Por fim, o relatório da OMS passa a concluir que os surtos de Ebola da Guiné, Libéria e Serra Leoa estão se multiplicando fora de controle. O relatório ainda cita o curioso fenômeno de inesperados surtos ocorrendo em áreas que se pensava estar erradicados:

Na Guiné, Libéria e Serra Leoa, novos casos continuam a explodir em áreas que pareciam que estavam sob controle. Uma característica incomum desta epidemia é um padrão cíclico persistente de aumento gradual do número de novos casos, seguido por súbitas crises. Os epidemiologistas da OMS não vêem sinais de que os surtos em qualquer um destes três países estejam sob controle. [1]

É possível que esses ressurgimentos de surtos estão sendo causados ​​por governos que não monitoram as potenciais vítimas do Ebola infectadas por 42 dias completos? Se eles só os observam durante 21 dias, em seguida, uma das 20 vítimas infectada pode ser diagnosticada como “limpa” e autorizada a regressar à população, onde logo se tornam sintomáticas e espalham a doença ainda mais.

Os médicos e funcionários da saúde dos EUA tem ensinado o número errado: 21 dias é apenas METADE da duração

É extremamente preocupante perceber que, para o nosso melhor conhecimento, cada pessoa nos Estados Unidos que foi suspeita de abrigar o vírus Ebola foi instruída a monitorar os sintomas para apenas 21 dias, e não os necessários 42 dias.

Isto significa que os cidadãos norte-americanos infectados pelo Ebola que estão “limpas” do Ebola ainda podem entrar em erupção com o vírus mortal por um período de mais de três semanas.

Porque é que ninguém relatou isso até agora? Como isso não é um dos únicos fragmentos de informação mais importantes do mundo neste momento em que toda a vida humana em nosso planeta está agora legitimamente ameaçada por um surto viral descontrolado com uma taxa de mortalidade de 70 por cento e sem tratamentos ou curas reconhecidas?

Fontes: Natural News , World Health Organization , Notícias Naturais (1) , Notícias Naturais (2)

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato