background img

México proíbe uso de sementes transgênicas da Monsanto


Vitória foi conquistada por um pequeno grupo de camponeses apicultores

Um pequeno grupo de apicultores infligiu uma importante derrota à gigante da biotecnologia Monsanto, o que brecou as ambições da empresa de plantar milhares de hectares de grãos de soja geneticamente modificados para resistir a seu próprio pesticida Roundup.

Um juiz distrital do estado de Yucatan derrubou no mês passado uma permissão concedida pelo ministério da agricultura do país e pela agência de proteção ambiental, de junho de 2002, que levaria à plantação comercial da soja.

A permissão autorizava a Monsanto a plantar suas sementes em sete estados, em mais de 235.000 hectares, apesar de protestos de milhares de agricultores, do Greenpeace, da Comissão Nacional do Conhecimento e Utilização da Biodiversidade do México e da Comissão Nacional de Áreas Protegidas, além do Instituto Nacional de Ecologia.

Um grupo de camponeses do grupo indígena maia entrou com uma ação argumentando que a licença colocava em risco a produção tradicional de mel numa região que inclui as comunidades Ticul, Santa Elena, Oxkutzcab, Tzucacab, Tekax, Peto e Tizimin, em Yucatan.

“A decisão do juiz foi uma grande conquista, por não haver reconhecimento de nosso direito legítimo de tomar decisões sobre nosso território e nossa sobrevivência,” disse o apicultor Lorenzo Itzá Ek. “A apicultura é nossa principal atividade econômica tradicional e não queremos nosso mel contaminado com transgênicos ou outros produtos tóxicos, com substâncias químicas que matam nossas abelhas.”

Foi a terceira derrota da Monsanto no leste do México este ano. Em abril e maio um tribunal em Campeche decidiu a favor de apicultores das comunidades locais de Hopelchén e Pac-Chen. As decisões se seguiram às de um juiz federal que, em outubro de 2013, proibiu que o ministério da agricultura e a agência ambiental concedessem mais licenças para plantação de milho transgênico no México.

No Brasil… agricultores estão pedindo que quatro fabricantes de sementes transgênicas os reembolsem pelo pesticida que usaram em suas plantações de milho este ano. De acordo com Ricardo Ricardo Tomczyk, presidente da Aprosoja, no Mato Grosso do Sul, a Spodoptera frugiperda (também conhecida como broca do milho), desenvolveu resistência à proteína venenosa do tipo de milho geneticamente modificado “Bt corn.” As empresas envolvidas são Monsanto, Dow Chemical e Dupont, todas americanas, e a Syngenta, baseada na Suíça, diz o ww4report.

Fontes: Verdade Mundial , Planeta Sustentavel Abril , ww4report , Forum Anti Nova Ordem Mundial

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato