background img

Pesquisa Sugere que Existem Tratamentos Naturais para o Ebola



O medo da infecção com o vírus Ebola está se tornando tão contagioso quanto o próprio vírus com os meios de comunicação tradicionais, como a CNN, reportando que “Surto de Ebola poderia ter ‘consequências catastróficas”.

Dadas as estatísticas de mortalidade prevalecentes, talvez o medo seja, pelo menos em parte, justificado pela forma mais virulenta do vírus – o vírus Ebola Zaire – observou-se que a taxa de mortalidade de cerca de 83%, [1] e sem identificação oficial convencional ou terapia natural encontrados capazes de mitigar a morbidade e mortalidade associada à infecção a partir dele.

Na verdade, existem cinco vírus de Ebola no gênero Ebolavirus [2], sendo quatro deles conhecidos por infectar os seres humanos causando a doença do vírus Ebola, uma forma altamente letal de febre hemorrágica. Se acredita que a infecção pelo vírus do Ebola se origina de macacos ou morcegos frugívoros, e uma vez que um ser humano é infectado, a transmissão pode ocorrer através do sangue ou fluidos corporais, relação sexual, [3] e como um recente relatório de investigação revelou, através do ar.

Enquanto o sistema médico convencional reflexivamente coloca a sua fé e dinheiro em drogas e desenvolvimento de vacinas, como o NIH anunciou recentemente que vai começar um experimento antecipado sobre as vacinas contra o Ebola em setembro deste ano, muito pouca pesquisa tem sido realizada sobre a redução de riscos, mitigação ou danos pós-infecção, com o uso de produtos testados a tempo que aumentam a imunidade e/ou abordagens à base de plantas naturais. Dado o baixo risco de segurança e custo das intervenções de botânicos e baseados em alimentos, este é o lugar onde nós devemos procurar primeiro por soluções viáveis e imediatamente acessíveis. De fato, um recente estudo publicado em 2012 é uma grande promessa, tanto quanto a identificação de um caminho natural para atenuar a virulência – e, portanto, também o medo generalizado – associado ao vírus do Ebola.

Publicado na revista Archives of Virology e intitulado “A inibição do vírus de Lassa e infecção pelo vírus Ebola em células hospedeiras tratadas com genisteína inibidora da quinase e tirfostina“, pesquisadores da Universidade do Texas Medical Branch, investigaram o potencial papel terapêutico dos dois chamados ‘inibidores da quinase’ em interferir com o vírus do Ebola: 1) o composto vegetal genisteína 2) e a droga farmacêutica Tyrophostin (tirfostina).

Os autores mencionam um estudo em animais anterior mostrando que a genisteína foi capaz de reduzir os danos da infecção de um vírus que causa uma febre viral hemorrágica como o Ebola (VHF) em hamsters (o vírus Pichinde (PICV)), relatando os resultados da seguinte forma:

“A infecção dos hamsters por PIRV produz manifestações de VHF, incluindo inflamação/lesões em vários órgãos, aumento da temperatura do núcleo, perda de peso, viremia, exantema petequial, hemorragia e mortalidade. O tratamento dos animais com a genisteína inibidora da quinase levou a um aumento significativo de sobrevida e melhoria dos sinais da doença VHF [9]. Nenhum dos animais infectados tratados apresentaram quaisquer sinais adversos da doença associados com o tratamento. Portanto, este estudo serviu como um conceito de prova para a utilização de um inibidor da quinase como um terapêutico ou profilático em um modelo animal.”

Os pesquisadores procuraram identificar a genisteína e a capacidade da tirfostina de inibir a entrada viral de vários vírus conhecidos por causar febre hemorrágica, incluindo o Ebola, o vírus de Marburg (MARV), o vírus da estomatite vesicular (VSV) e o vírus de Lassa (LASV). As proteínas a partir destes quatro vírus foram modificadas para serem expressadas por um tipo especial de vírus, conhecido como o vírus da estomatite vesicular (VSV).

O estudo concluiu que tanto a genisteína quanto a tirfostina individualmente inibem a entrada destes vírus nas células, tanto através da interferência por meio da endocitose (o processo pelo qual uma célula extrai um vírus) e o desencapsulamento de proteínas (o processo pelo qual um vírus altera proteínas na superfície da célula hospedeira para ganhar a entrada). Observou-se também que um efeito sinérgico ocorreu quando a genisteína e tirfostina foram adicionadas em conjunto.

Os pesquisadores debateram as suas conclusões:

“Ao todo, estes dados demonstram que a infecção das células hospedeiras com as filovírus MARV, EBOV e o arenavírus LASV é inibida quando as células são pré-tratadas com genisteína ou tirfostina AG1478. Em ambos os casos, a inibição verificou-se ser dependente da concentração. Embora a inibição do EBOV em células pré-tratadas com 100 IM de genisteína pareceu ser ligeiramente diferente, a adição de concentrações crescentes de tirfostina AG1478 conduziu a um efeito antiviral sinérgico. Ao todo, estes dados demonstram que uma mistura de inibidores de cinase consistindo em genisteína e tirfostina AG1478 pode agir como um amplo antiviral contra o EBOV, VMDR, e LASV in vitro“.

De onde a genisteína vem?

Embora encontrada principalmente em produtos de soja, alimentos de soja fermentados, especialmente onde os micróbios benéficos causam a biotransformação do fitocomposto precursor genistin na genisteína, ela também é encontrada em grãos de fava, kudzu, café e trevo vermelho, e muitas outras plantas medicinais menos conhecidas.

Fontes:
- Natural Treatments for Ebola Virus Exist, Research Suggests
- CNN: Ebola outbreak could have ‘catastrophic’ consequences
- Green Med Info: Ebola – What You’re Not Being Told
- USA Today: NIH to launch early Ebola vaccine trial in September
- Green Med Info: Inhibition Lassa virus and ebola virus infection host cells treated kinase
- Notícias Naturais: Pesquisa Sugere que Existem Tratamentos Naturais para o Ebola

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato