background img

Produtos químicos em alimentos: O pior dos piores

Posted at: By Luis R. Miranda

Se o alimento não é nutritivo, substantivo e rico em nutrientes, é provável que a sua saúde é prejudicada. Imagem: nutriswiss.ch
Na primeira parte desta série, fiz uma descrição das duas definições principais da palavra “alimento”, que a maioria das pessoas usam para guiar os seus hábitos alimentares. Também comecei a estabelecer as bases para uma descrição detalhada dos ingredientes químicos mais nocivos que estão presentes em nossos “alimentos”, apesar de que  não deveriam estar.

Como explicado no primeiro artigo, alimento é algo que “nutre, sustenta ou suplementa” o corpo com nutrientes que necessita para se manter saudável. Outras vezes, alimento é entendido como “o material constituído essencialmente de proteínas, carboidratos e gorduras utilizado no corpo de um organismo para sustentar seu crescimento, reparação e processos vitais para fornecer energia.” A primeira e não a segunda definição deve ser usada para orientar nossos hábitos alimentares. Por quê? Porque as fontes de “alimento” podem não ter os nutrientes que nosso corpo precisa para ser saudável.

Nem todas as proteínas, carboidratos e gorduras são iguais. Apresentei a idéia de que a natureza e só a natureza tem a capacidade de criar alimentos com quantidades adequadas de proteínas, carbohidratos e gorduras apropriadas para nutrir, sustentar e dar ao nosso corpo os nutrientes necessários e que qualquer coisa feita em um laboratório para ser embalado como “alimento” nunca pode substituir a sabedoria da natureza.

É muito importante conhecer e identificar os ingredientes presentes nos produtos industrializados que são considerados como alimento. Esta tarefa não é fácil, pois a maioria dos ingredientes dos produtos industrializados não são naturais. Você precisa fazer um esforço extra para aprender como e por que os alimentos que comemos afetam nossa saúde e como podemos ajudar a prevenir doenças e desfrutar de uma vida saudável.

Embora o número de químicos utilizados nos produtos industriais é imenso, há alguns que são mais comumente usados ​​e, portanto, representam uma ameaça maior para a nossa saúde. Então, vamos nos concentrar na lista dos químicos mais comuns que são usados nos produtos que normalmente passam por comida.

O nome do primeiro produto químico que deve ser evitado é bisfenol A, também conhecido como BPA. Este ingrediente é um composto químico sintético a base de carbono que é usado para fazer produtos de consumo como garrafas de água, equipamentos esportivos, CDs, DVDs, resinas, tubulações de água, produtos enlatados, papel térmico para recibos de cartão de crédito e muitos outros. Como mencionado no primeiro artigo, o BPA causa desregulação endócrina. Isso significa que é uma substância com a capacidade de interferir no sistema endócrino do corpo. O sistema endócrino é responsável pela regulação e gestão de secreção interna de hormônios como o estrogênio.
Desreguladores endócrinos têm efeitos adversos no desenvolvimento, na reprodução e nos sistemas neurológico e imunológico em humanos e animais selvagens. Nos seres humanos, disruptores endócrinos tais como BPA imitam hormônios de origem natural e, por conseguinte, afetam de forma negativa processos celulares importantes, tais como o metabolismo, reprodução, desenvolvimento sexual, homeostase mineral, batimentos cardíacos e a digestão.

A exposição humana ao BPA ocorre através do contato direto com as mãos. O principal problema é que o BPA tem propriedades semelhantes aos hormônios, em outras palavras, pode passar como um imitador de estrogênio, por exemplo. Segundo a Dra. Lori Cooper, BPA é considerado um “estrogênio estrangeiro” e, como tal, pode perturbar “a função reprodutiva, a saúde óssea, a síntese protéica, o metabolismo do colesterol, saúde mental, desejo sexual e muitos outros sistemas.”
Metabólitos do BPA podem ser potencialmente xenoestrógenos mais fortes do que o BPA. BPA adere-se a várias células, como um interruptor de ativação e desencadeia muitas das mesmas mudanças químicas que ocorrem naturalmente no corpo. Embora inicialmente pensou-se que o BPA agia apenas através de proteínas celulares chamadas receptores de estrogênio (que funcionam como interruptores de sinalização nas células), também aprendemos que o BPA pode exercer seus efeitos estrogênicos através de outros receptores .
Um estudo realizado pela Agência Nacional de Alimentos dos Estados Unidos (FDA) descobriu que o BPA pode ser um perigo para os fetos, bebês e crianças. BPA é conhecido por perturbar a função da tireóide, aumentar o risco de câncer, promover o crescimento anormal de células, o crescimento anormal da próstata e afetar negativamente o sistema reprodutivo e o comportamento sexual. Enquanto os estudos do governo e da indústria alimentar dizem que pequenas quantidades de BPA são inofensivas aos seres humanos, estudos como o do INSERM – Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale – mostram que mesmo a exposição moderada ao BPA “é suficiente para produzir uma reação negativa no testículo humano.”

No entanto, os danos causados ​​pelo BPA não terminam aí. Este produto químico é também uma preocupação pela sua relação com a asma e problemas cardíacos. Um estudo em 2010 por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Columbia descobriu que a exposição ao BPA na infância pode desencadear ataques de asma, um resultado que os cientistas têm reproduzido em testes de laboratório. “Vimos um aumento do risco de asma quando a pessoa foi exposta a baixas doses de BPA”, disse a Dra. Kathleen Donohue, da Universidade de Columbia. “Eles mediram o BPA em idades diferentes e, mesmo assim, encontraram associações consistentes”, acrescentou. Apesar destas descobertas, alguns pesquisadores dizem que mais estudos são necessários para encontrar um relação 100% conclusiva entre BPA e asma.

Quando se trata de problemas de coração, o BPA também é uma preocupação séria. Este composto químico está ligado a arritmias cardíacas e problemas reprodutivos em fêmeas. Segundo um relatório da revista ScienceNews, os efeitos negativos do BPA são conhecidos pelo menos desde 1938. Naquela época, os pesquisadores descobriram que o BPA pode provocar mudanças biológicas geralmente associadas com ação estrogênica. Um dos principais efeitos do BPA em humanos é a reprogramação de genes de fertilidade. “Quando se trata do coração da mulher, os casos em mulheres adultas pré-menopausicas podem causar estragos … há sensibilidades únicas para arritmias durante a gravidez”, diz o professor Scott Belcher, da Universidade de Cincinnati.

O debate sobre os efeitos do BPA em humanos e animais é focado nos níveis de exposição, tanto externos quanto internos. Embora estudos do governo e da indústria sugerem que pequenas quantidades podem não afetar negativamente a saúde dos indivíduos, estudos mais recentes dizem o contrário. Mas há uma outra salva neste debate. A questão é se as medidas tomadas pelos governos e estudos feitos pela indústria de alimentos estão realmente medindo BPA corretamente e se a exposição ao BPA é tão pequena como alguns estudos sugerem.

Um novo estudo conduzido por Frederick vom Saal, da Universidade de Missouri- Columbia tem levantado uma questão que nem os governos nem as empresas que utilizam o BPA em seus produtos alimentares querem ouvir: Os seres humanos estão expostos ao BPA mais do que é medido e até mesmo em baixos níveis o BPA pode causar danos. Mesmo pequenos níveis de exposição ao BPA, as observações de Vom Saal determinaram parecem ser prejudiciais.

Um estudo em 2010 pela EPA dos EUA informou que mais de um milhão de quilos de BPA são liberados no meio ambiente a cada ano só nos Estados Unidos. Vários estudos descobriram que o BPA “afeta o crescimento, reprodução e desenvolvimento em organismos aquáticos.” Assim, o dano causado pelo BPA não está limitado a humanos. Peixes de água doce são algumas das espécies mais sensíveis. “A evidência dos efeitos relacionados com o sistema endócrino de peixes, invertebrados aquáticos, anfíbios e répteis ocorreram em níveis ambientalmente inferiores aos necessários para observar uma exposição aguda e uma toxicidade alta”, diz um estudo realizado pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA. “Existe uma ampla variação dos valores relatados para os efeitos relacionados com o sistema endócrino, mas muitos caem na gama de 1 ug / L de 1 mg / L. Isto é 1 micrograma por litro a 1 miligrama por litro de exposição ao BPA.

Mesmo a menor sugestão de que baixos níveis de exposição ao BPA de alguma forma ameaçam a saúde dos seres humanos e o meio ambiente deve incentivar os consumidores, a indústria e o governo a erradicar o uso de BPA. Até que mais estudos provem conclusivamente o que muitos estudos têm mostrado – que o bisfenol A é uma ameaça para a saúde humana e é uma das muitas substâncias químicas que devemos evitar – o BPA deve ser proibido em todos os produtos alimentares como medida de precaução.

Em nosso terceiro artigo da série Realidade Química, vou continuar mostrando o que a ciência nos diz sobre os ingredientes utilizados pela indústria de alimentos em produtos industriais e como eles afetam o nosso bem-estar devido a sua bioacumulação em nossos corpos através do consumo e / ou a exposição contínua.

Para mais informações sobre o BPA e outros desreguladores endócrinos, por favor leia a seguinte documentação:


Fonte: Real Agenda 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato