background img

Todas as vantagens do microchip

Então, gosta o Leitor da ideia do microchip implantado no corpo dele?

Não? Esquisito, pois a BBC fornece uma série de boas razões para correr e pedir um chip já, sem perder tempo.

Conta o jornalista Frank Swain:

Alguns anos atrás, eu estava sentado na beira da minha cama num pequeno apartamento, respirando uma nuvem de acetona, utilizando um bisturi para pegar no canto de um cartão de viagem electrónico. Mais de 10 milhões de londrinos usam estes cartões Oyster para utilizar a rede de transportes públicos da cidade. Eu tinha decidido dissecar o meu. [...] Escondido dentro havia um minúsculo microchip ligado a um fino fio de cobre fino: a chip de identificação por radiofrequência (RFID).

Aprendemos: todos utilizam microchips (10 milhões só em Londres!), não fazem mal nenhum, até dão para usar os transportes públicos.

O meu objectivo era enterrar o chip sob a minha pele, para que as barreiras da máquina na entrada do metro se abrissem com um aceno de mão, como se eu fosse algum tipo de assistente tecnológico.

O jornalista tem alguns problemas, uma visita pelo menos neurológica não seria mal.

Desde então, as pessoas têm usado a técnica que eu ajudei a popularizar [pois não satisfeito, o simpático Frank fez um vídeo de fundamental importância para a Humanidade: "Como remover o chip RFID do cartão Oyster", um must para a auto-realização, ndt] para colocar o chips libertado em pulseiras, anéis, varinhas mágicas, mesmo frutas.

Em Londres há diversas pessoas com problemas, não apenas o nosso Frank.

As pessoas que fazem isso vão entrar na comunidade dos grindres, que amam modificar o seu próprio corpo com os avanços tecnológicos. [...] Uma das actualizações mais populares é a implantação de um microchip sob a pele, normalmente na parte carnuda entre o polegar e o indicador.

Tomem Amal Graafstra, um "tecnólogo aventureiro" auto-didacta e fundador da empresa biohacking Dangerous Things ["Coisas Perigosas": já o nome é um programa, ndt], em Seattle. Ele tem um duplo implante, um microchip em cada mão.

Na sua mão direita há um chip reprogramável, o mesmo tipo usado no cartão Oyster, que pode ser utilizado para armazenar pequenas quantidades de dados. Pressionando a mão no telefone, a informação pode ser baixada do seu corpo ou enviada. A esquerda contém um simples número de identidade que pode ser utilizado para destravar a porta de casa, fazer login no computador ou até mesmo ligar a moto.

Espalhados pelo globo há um certo número de indivíduos com sérios problemas, pessoas que evidentemente não têm nada que fazer na vida e que precisam de urgente ajuda. Mas por enquanto vamos em frente.

Este mês, na conferência Transhuman Visions em San Francisco, Graafstra apresentou
uma "estação de implantação", oferecendo aos participantes a oportunidade de ser "chipados" por 50 Dólares. Utilizando uma agulha maior daquela concebida para o microchip dos animais, Graafstra injectada uma placa RFID revestida de vidro do tamanho de um grão de arroz para cada voluntário. Até o final do dia, Graafstra tinham criado 15 novos ciborgues.

Mais 15: o total não pára de aumentar...
Diz Graafsta, a raposa de Seattle:

Todos os filme de Hollywood contam de implantes para rastrear as pessoas. As pessoas não percebem que é a mesma tecnologia que o cartão na carteira. Quando alguém usa um cartão de crédito, sem fio ou não, é seguido por várias corporações sabem quem são, quando compram, quanto gastaram e onde vão.

Pois: esta já deveria ser uma boa razão para evitar um microchip na pele, não é? Não, não, pois segundo Graafsta as vantagens são imensas:

Uma vantagem é que você nunca vai perder o chip, e torna o roubo físico impossível.

Sim, sem dúvida, isso justifica a implementação, estúpido eu a não pensar certas cosias...

Em última análise, os microchips implantados oferecem uma maneira de tornar o seu corpo físico legível por uma máquina. Actualmente, não existe um padrão único de comunicar com as máquinas que sustentam a sociedade - desde os painéis de acesso até as caixas electrónicas - mas uma diversidade infinita de sistemas de identificação: bandas magnéticas, senhas, números PIN, perguntas de segurança. Todas essas são tentativas para colmatar o fosso entre a sua identidade física e digital. E se você esquecer ou perder estes dados, de repente fica cortado fora da sua conta bancária, do correio electrónico e muito mais. Um chip implantado, pelo contrário, poderia agir como o nosso cartão de identidade universal para navegar num mundo regulado por máquinas.

E conclúi o jornalista:

É o início dum lento movimento para um mundo onde tudo será acessado com um único microchip RFID. Se aquele dia chegar, não consigo lembrar dum lugar mais seguro do que o meu corpo.

Com certeza e eu até posso sugerir em qual parte do corpo: o caixa craniana, que actualmente parece vazia.

Agora, a sério.
Um artigo no site da BBC, um artigo inócuo, com um par de vídeo inócuos.

É assim que, devagarinho, põe-se em contacto uma pessoa normal com a ideia do chip implementado. Uma pessoa que até hoje provavelmente nunca pensou nesta hipótese e que ainda continua a recusa-la. No entanto, a partir de hoje, num escuro canto do cérebro mora uma ideia, aliás, uma pequena equação que o artigo conseguiu introduzir: microchip = segurança.

Este é o início.

A seguir, um curto vídeo imperdível: Amal Graafstra, a Mente Brilhante de Seattle, que acciona a sua mota com o microchip implantado.



Fontes: BBC , Informação Incorrecta

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato