background img

Alemanha e França quebraram compromisso e venderam dívida

Acordo que viabilizou ajuda do FMI quebrado logo após aprovada a ajuda. Desde 2010 bancos reduziram em 70% exposição à dívida grega.
Os bancos alemães, franceses e holandeses desfizeram-se da dívida grega durante um dos piores momentos da crise, apesar de terem garantido que não o fariam, o que terá assim piorado a situação financeira do país.

De acordo com a edição de hoje do jornal espanhol El País, a ajuda financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI) de 30 mil milhões de euros só foi viabilizada depois do compromisso da Alemanha, França e Holanda de que os seus bancos conservariam as carteiras de dívida pública grega.

Contudo, assim que o plano de ajuda foi aprovado, as instituições financeiras terão começado a desfazer-se dos títulos. Ao fim de ano e meio, a exposição à dívida grega já era de apenas metade. De 2010 até ao final do ano passado, reduziu-se em mais de 70%, de 122 mil milhões de dólares (90,4 mil milhões de euros) para abaixo dos 34 mil milhões (25,2 mil milhões de euros).

Como revela o jornal, referindo actas confidenciais do FMI de 10 de Maio de 2010, "os representantes holandês, francês e alemão comprometeram-se em que os seus bancos continuariam a apoiar a Grécia e a manter a sua exposição [à dívida]".

O documento de quatro páginas revela ainda as críticas da China, Austrália, Argentina ou Brasil ao plano de ajuda de 30 mil milhões de euros. Além de apontarem os "enormes riscos" do programa - não só para a Grécia como para o prestígio do FMI, com a possibilidade de se repetirem os erros cometidos pelo Fundo nas crises da Argentina e da Ásia - , defendiam uma reestruturação da dívida com intervenção do sector privado, o que só veio a acontecer quase dois anos depois.

Colaborador: JBraga

Fonte: Economia Sapo PT

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato