background img

A Tecnocratização da Educação

Posted at: By Luis R. Miranda

Subvertendo as Práticas Educativas

A Fundação Bill e Melinda Gates está dirigindo 1,1 milhões de dólares americanos para atender os alunos em sete distritos da escola púbica dos EUA com “pulseiras de resposta galvânica” . Os dispositivos são projetados para medir a receptividade dos alunos através de aulas de tecnologia biométrica que lê e grava a conductância da pele , uma forma de atividade electrodermal que cresce durante estados como o tédio ou relaxamento. [1 , 2] .

O financiamento faz parte de $ 49 milhões de dólares de um projeto que está experimentando com sistemas de avaliação de professores da Fundação Gates. Como Melinda Gates disee para PBS NewsHour, “A Fundação sente que o nosso trabalho é ter certeza de tenhamos um sistema onde podemos ter um professor efetivo em cada sala de aula nos Estados Unidos “. [3]

O esforço das elites extraordinariamente ricas para subverter ainda mais as práticas educativas através de técnicas de ” neuromarketing ” é o exemplo mais recente de uma longa seqüência de reformas educacionais que datam do início de 1900. Na verdade, a fixação da Fundação Gates sobre medição e coleta de dados de estímulo-resposta é um capítulo na montagem desta história.

A educação sancionada pelo Estado nos Estados Unidos tornou-se um tipo de formação orientado para a tarefa, muito diferente do que foi, uma vez, a educação – o cultivo da vontade e do intelecto humano. Hoje, crianças na maioria das escolas públicas recebem esse tipo de condicionamento, enquanto os mais ricos costumam enviar seus filhos para instituições privadas ou recebem a educação casa. O que passa por educação, hoje, é de forma significativa o legado do psicólogo alemão Wilhelm Wundt e do projeto filantrópico da família Rockefeller do final do século XIX ao início do século XX.

Professor da Universidade de Leipzig, Wundt foi o criador do que ele chamou de uma psicologia “nova” ou “experimental” que retirou da psicologia todas as preocupações filosóficas com a alma, vontade ou auto-determinação do indivíduo. Na reconfiguração da psicologia de Wundt a mente é apenas um aparelho que responde a determinados estímulos e através da medição e registro dos estímulos e respostas dos alunos, o psicólogo em laboratório (posteriormente o professor, e agora os alunos em sala de aula) pode determinar a eficácia de um método de estímulo e resposta sobre o outro, bem como as capacidades funcionais do estudante.

Para Wundt e seus seguidores, o ser humano é a soma total de suas experiências, desprovido de caráter e essência que possa interferir com as extremidades da unidade coletiva. Este ponto de vista da psique humana preparou o terreno para o estabelecimento da eugenia, da psiquiatria e da engenharia social realizado em salas de aula de escolas públicas.

Wundt exerceu enorme influência nos seus estudantes de doutorado norte-americanos que estudaram em Leipzig e voltou para transformar a educação dos EUA. Um dos adeptos de Wundt foi G. Stanley Hall que, depois de estudar em Leipzig voltou para os EUA em 1883 para lecionar na Universidade Johns Hopkins, iniciou o Jornal Americano de Psicologia e foi o mentor intelectual e educacional do ícone americano John Dewey. Outros incluem James McKeen Cattell, que voltou em 1887 e assumiu uma posição docente em psicologia na Universidade de Columbia em 1891. James Earl Russell, outro dos alunos de Wundt, tornou-se diretor do Teachers College da Columbia em 1897 e permaneceu no cargo até o final de 1920 [4]

Nos próximos 30 anos Cattell, Russell e Dewey desempenharam papéis importantes na transformação da educação pública em ideias e abordagens de Wundt na educação pública americana. Ao mesmo tempo, Columbia Teachers College tornou-se a maior instituição de formação de professores em todo o mundo. No início da década de 1950 cerca de um terço de todos os reitores e presidentes de escolas de ensino credenciados nos EUA tinham sido formados pelo programa Columbia.

Enquanto os apóstolos de Wundt estavam dispostos a causar estragos na educação dos EUA , sua missão foi facilitada por um financiamento da Fundação Rockefeller. John D. Rockefeller viu o patrocínio da educação como um objeto gratificante, apontando para o 45.000 mil dólares que ele usou para estabelecer a Universidade de Chicago, em 1890, como o investimento que uniu o nome Rockefeller com a filantropia liberal. Ele e seus assessores, que incluía seu filho John D. Rockefeller Jr. e Frederick Taylor Portas ( nenhuma relação com Bill Gates), concluiram que a educação produzia um bom efeito em termos de polir a imagem da família.

Como João Júnior tornou-se mais envolvido nos esforços filantrópicos da família ele inventou novos caminhos para o dinheiro Rockefeller, fundando a Educação da Junta Geral – que ficou conhecida informalmente como o “Fundo de Educação Rockefeller”. O Conselho gastava fundos consideráveis ​​para remodelar o ensino fundamental na American do Sul, através da aplicação de abordagens experimentais de psicologia baseados em Wundt.

Gates comentou a famosa ambição da Diretoria Geral de Educação para as muitas escolas carentes públicas no Sul, onde a confiança desempenharia um papel importante na reforma educacional. ” Nós não devemos tentar fazer com que estas pessoas ou seus filhos se tornem filósofos, homens do aprendizado ou homens de ciência”, Gates anunciou.

“A tarefa que temos é muito simples, bem como muito bela, que é treinar essas pessoas como nós a encontramos para uma vida perfeitamente ideal exatamente onde eles estão. Então, vamos organizar os nossos filhos e ensiná-los a fazer de uma forma perfeita as coisas que seus pais e mães estão fazendo de uma forma imperfeita, nas casas, nas lojas e na fazenda “. [5]

Em 1916, o Conselho Geral da Educação propôs a criação de uma escola com um novo currículo que excluía Latim, Grego, Gramática e literatura clássica, enfatizando diferentes métodos de ensino de história e literatura. Em 1920 a Escola Lincoln foi criada e se tornou a escola laboratório para Teachers College da Columbia. Até ao seu encerramento, em 1946, Rockefeller gastou US $ 5 milhões de dólares na instituição e milhares de educadores que visitaram ou foram treinados lá foram lembrados como o programa era algo que deveria ser imitado em suas próprias comunidades. [6 ]

Como a educação americana foi sendo reformulada e, com ela, as possibilidades para uma opinião pública informada foram sendo diminuídas, a visão de democracia popular entre as elites após a Primeira Guerra Mundial também ficou turva. Por exemplo, Walter Lippmann, um membro fundador do Conselho de Relações Exteriores e defensor da anglo-americana ao longo dos anos 1920 e 1930, manteve em seus escritos que as decisões de substância não podem ser deixadas para o homem da massa que não tem conhecimento adequado em assuntos nacionais ou estrangeiros, mas deve, antes, ser a província de especialistas treinados.

De fato, o tema de especialização qualificada foi enfatizado igualmente pelo pioneiro em relações públicas Edward Bernays, que aconselhou seus clientes a usar figuras de especialistas do público tidos em alta conta, como cientistas ou médicos, para obter a aquiescência do público sobre um assunto ou para promover uma tendência ou produto. Em geral, o uso de especialistas para gerir e mobilizar a opinião pública surge relativamente ao lado de um sistema educacional que tinha chegado a compreender e tratar o aluno como um mecanismo de estímulo-resposta .

A maioria dos educadores profissionais a nível universitário encontram regularmente o legado da psicologia wundtiana e dos Rockefellers. Os alunos muitas vezes apresentam uma incapacidade de pensar logicamente e de forma independente ou em voz alta ou por escrito, porque experiências educacionais formativas reconhecem e tratam o indivíduo não como um ser humano completo sendo capaz de profundo reconhecimento e compreensão, mas sim como um aparato sensorial sobre o qual estímulos são direcionados e uma resposta solicitada e medida (ou seja, a resposta correta ou compra do produto). Assim, as respostas comuns quando o aluno é convidado a refletir e discutir o conteúdo do curso é de estranhar: O que você quer? Quanto devemos escrever? Será que isto vai estar no exame?

Em tal ambiente educacional e cultural, onde o reconhecimento e cultivo da vontade individual é desencorajado e o diferimento de opinião de especialistas é praticamente obrigatório, o resultado é uma combinação de ceticismo e cinismo. Erich Fromm reconheceu este fenômeno na década de 1940, apontando como a percepção entre os indivíduos que só treinam especialistas poderiam resolver problemas complexos e, em seguida, apenas em suas próprias especializações específicas, desencorajar as pessoas de utilizar suas próprias mentes a pensar seriamente e responder às preocupações da sociedade como um todo. “O resultado deste tipo de influência é duplo”, Fromm escreveu em 1941.

“Um deles é um ceticismo e cinismo em relação a tudo o que é dito ou impresso, enquanto o outro é uma crença infantil em qualquer coisa que uma pessoa é contada com autoridade. Esta combinação de cinismo e ingenuidade é típica do indivíduo moderno. Seu resultado é essencial para desencorajá-lo de fazer o seu próprio pensamento e decidir”. [7]

Este mesmo tipo de mal-estar apático atua no engajamento político de curto-circuito, para diminuir o exercício de simples bom senso nas decisões cotidianas. Na televisão a cabo e de transmissão, por exemplo, onde a maioria dos americanos ainda dependem fortemente para formar uma visão de mundo, um vai encontrar uma seqüência interminável de especialistas antes da câmera emitir um parecer para o telespectador .

A aplicação tecnocrática de neuromarketing que passap por educação, hoje, é um resultado adequado de uma sociedade que se tornou quase completamente controlada por uma elite científica. Como foi o caso de cem anos atrás, esta tecnocracia é financiada e dirigida pelos super- ricos, que são treinados para refinar e implementar o que eles vêem como práticas mais eficientes para esculpir e gerir a mente coletiva. Esta classe de auto-selecionados e seus supervisores também reconhecem como um novo mundo opera com a máxima eficiência quando a maior parte da população tem sido efetivamente zombificada através de rituais estupidificantes, um processo de estímulo-resposta que depois de muitas gerações chegou perto de completar fruição.

Este artigo é uma tradução de Luis Miranda. O texto original em Inglês The tecnocratização de Educação Pública por James F. Tracy pode ser lido aqui .

Fonte: Real Agenda

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato