background img

O lado mais negro do sistema: A ONU

Durante 67 anos, os EUA têm procurado defender os seus próprios interesses em detrimento da justiça global - não é de admirar que as pessoas estejam tão cépticas.

Tropas americanas usam morteiros de fósforo branco no Afeganistão
Há 67 anos sucessivos que os governos dos EUA têm resistido aos apelos para a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Defenderam um sistema que concede a cinco países o poder de veto sobre a política mundial, reduzindo todos os outros a espectadores impotentes . Têm abusado dos poderes e da confiança com que foram investidos . Os EUA têm colaborado com os outros quatro membros permanentes ( Grã-Bretanha, Rússia, China e França) num formato colonial, através do qual estas nações podem perseguir seus próprios interesses corruptos, em detrimento da paz e da justiça global.

Oitenta e três vezes os EUA exerceram o seu direito de veto. Em 42 dessas ocasiões, fizeram isso para que o tratamento dos palestinianos por Israel, não fosse condenado nem criticado. Na última ocasião, 130 países apoiaram a resolução, mas Barack Obama frustrou-a. Apesar do poder de veto ter sido utilizado com menos frequência depois do colapso da União Soviética em 1991, os EUA exerceram o veto interino 14 vezes (em 13 casos para proteger Israel) , enquanto que a Rússia apenas vetou nove vezes. Cada vez mais os membros permanentes têm usado a ameaça do veto para impedir uma resolução que está a ser discutida. Os cinco membros do Conselho de Segurança Permanente da ONU, têm intimidado o resto do mundo em silêncio.

Através desta tirana forma - criada num momento em que outras nações ou estavam destruídas ou sem voz - os grandes senhores da guerra dos últimos 60 anos, continuam a ser responsáveis pela paz mundial. Os maiores comerciantes de armas têm a tarefa de desarmamento global. Os mesmos que violam o Direito Internacional e a Administração da Justiça.

Mas agora, como o poder de veto de dois membros permanentes ( Rússia e China) obstruem a sua tentativa de derramar gasolina no fogo do Oriente Médio, os EUA de repente, decidem que o sistema é ilegítimo. Obama diz: "Se vamos acabar com o Conselho de Segurança da ONU não como um meio de fazer cumprir as Normas Internacionais e o Direito Internacional, mas sim como uma barreira ... então eu penso que as pessoas irão ser muito cépticas com o sistema." Bem, sim... é verdade .

Nunca Obama ou seus antecessores tentaram uma reforma séria do sistema. Nunca procuraram substituir uma oligarquia global corrupta por um corpo democrático. Nunca lamentam essa injustiça - pelo contrário, apenas se opõem a uma mudança - O mesmo vale para todos os aspectos da governança global.

Obama alertou na semana passada que o uso pela da Síria de gás venenoso "ameaça reverter a norma internacional contra as armas químicas levada a cabo por 189 nações." Esclarecendo que a norma internacional é trabalho do presidente dos EUA.


Em 1997, os EUA concordaram em acabar com as 31 mil toneladas de gás sarin , VX , gás mostarda e outros agentes que possuía, dentro de 10 anos . Em 200, solicitou a prorrogação do prazo máximo permitido pela Convenção de Armas Químicas - cinco anos. Mais uma vez, não conseguiu manter a sua promessa e em 2012 alegaram que seria até 2021. A Rússia pediu à Síria para colocar as suas armas químicas sob controle internacional. Talvez devesse pressionar os EUA a fazerem o mesmo .

Em 1998, a administração Clintonforçou a uma lei no Congresso, que proibia os inspectores de armas internacionais, da recolha de amostras de produtos químicos nos EUA e permite que o presidente recuse inspecções não anunciadas . Em 2002, o governo de Bush forçou a demissão de José Maurício Bustani , o director-geral da Organização para a Proibição de Armas Químicas . Maurício Bustani tinha cometido dois crimes imperdoáveis ​​: Tentou uma rigorosa inspecção às instalações nos EUA e tentou pressionar Saddam Hussein a assinar a Convenção sobre Armas Químicas, para ajudar a prevenir a guerra que George Bush estava louco para travar .

Os EUA usaram milhões de litros de armas químicas no Vietname, Laos e Cambodja. Também as usaram durante a destruição de Falluja, em 2004 e depois mentiram acerca disso . O governo de Reagan ajudou Saddam Hussein numa guerra contra o Irão na década de 1980, enquanto estavam conscientes de que Hussein estava a usar gás nervoso e gás mostarda. (O governo Bush, de seguida, usou isso mesmo como desculpa para atacar o Iraque, 15 anos depois) .

A varíola foi eliminada da população humana, mas estas duas nações - Estados Unidos e Rússia - insistem em manter o elemento patogénico em câmara fria . Afirmam que o seu objectivo é desenvolver defesas contra um possível ataque com armas biológicas, mas a maioria dos especialistas na área, consideram que é um disparate. Ao levantar preocupações sobre a posse do vírus pelo outro, têm trabalhado em conjunto para espancar os outros membros da Organização Mundial de Saúde, que os têm pressionado para destruir seus stocks .


Em 2001, o New York Times relatou que, sem supervisão do Congresso ou uma declaração à Convenção sobre Armas Biológicas, "o Pentágono construiu uma fábrica de germes tal, que poderiam usar micróbios letais suficientes, para acabar com cidades inteiras" . O Pentágono afirmou que o objectivo era a defesa, mas estas armas biológicas foram desenvolvidas violando o Direito Internacional, o que não é nada bom. O governo de Bush também procurou destruir a Convenção das Armas Biológicas e seu instrumento eficaz, as negociações sobre o protocolo de verificação, necessário para fazê-lo funcionar.

Pairando sobre tudo isto está o grande inominável: a cobertura que os EUA dão a Israel e às suas armas de destruição em massa. Não é apenas que Israel se recuse a ratificar a Convenção de Armas Químicas - Israel usou fósforo branco como arma em Gaza (quando implantado contra as pessoas , fósforo satisfaz a definição de "qualquer produto químico que, pela sua acção química sobre os processos vitais, possa causar a morte, incapacidade temporária ou danos permanentes ") .


É sabido também que, como o Washington Post aponta : "armas químicas da Síria são o resultado de um acordo de cavalheiros no Médio Oriente, que nunca foi reconhecido antes, e desde que Israel possui armas nucleares a Síria tentará também ficar na posse das suas armas químicas, o que não terá o reconhecimento do público ou da crítica" . Israel desenvolveu seu arsenal nuclear , desafiando o tratado de não proliferação e os EUA apoiam-no, desafiando a própria lei, que proíbe pagamentos de ajuda a países com armas de destruição em massa não autorizadas . Mas isso nunca foi do conhecimento do público.

Quanto às normas do Direito Internacional , vamos lembrar onde ficam os EUA: Permanecem fora da jurisdição do Tribunal Penal Internacional, depois de declarar que os seus cidadãos são imunes a acusação. O crime de agressão que cometeram no Iraque - definido pelo tribunal de Nuremberga como "o supremo crime internacional" - não passa apenas impune , mas também não é mencionado por ninguém no governo. O mesmo se aplica à maioria das subsidiárias dos crimes de guerra cometidos pelas tropas norte-americanas durante a invasão e ocupação. Guantánamo Bay aponta o dedo a qualquer noção de justiça entre as nações.

Nada disto é para exonerar o governo de Bashar Al- Assad - ou dos seus adversários - de uma longa série de crimes, incluindo o uso de armas químicas. Também não é para sugerir que há uma resposta fácil para os horrores na Síria .

Mas o fracasso de Obama para ser honesto, sobre o papel do seu país em destruir as normas internacionais e minar o Direito Internacional, de destruir o mito das decisões e o papel dos EUA nos assuntos mundiais , das suas intervenções unilaterais no Oriente Médio, vai tornar a crise na Síria ainda mais difícil de resolver. Até que haja alguma sinceridade sobre crimes do passado e as injustiças actuais, até que haja um esforço para resolver as desigualdades sobre as quais os EUA presidem , tudo que os EUA tentam - mesmo quando não envolve armas e bombas - irá atiçar o cinismo e a raiva do presidente, que diz que quer matar .
Durante seu primeiro discurso de posse de Barack Obama prometeu "pôr de lado as coisas infantis" Todos nós sabíamos o que ele queria dizer. Ele não fez isso.

AIPAC força o Congresso americano a atacar a Síria, assista ao pequeno vídeo.
 

Fonte: Maré Cinza


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato