background img

YouTube: Monitorando você

George Orwell pode ser considerado um visionário. O autor do livro 1984 (escrito em 1948) retratou um futuro sombrio para a humanidade, em que o governo controlava a população por meio de teletelas, televisores capazes de vigiar os cidadãos.

O aparelho sempre exibia a imagem do “Grande Irmão” (um líder do único partido dominante), transmitindo a sensação de que ele observava a população o tempo todo. Todos os lugares (inclusive as casas dos cidadãos) tinham uma teletela. Não é a toa que o reality show Big Brother adotou esse nome.

Você acredita estar sempre sendo monitorado? Podemos estar vivendo hoje uma era “Orwelliana”, em que nossos passos são vigiados continuamente. E nem sites da internet, como o YouTube, deixam de nos rastrear.
O Big Brother do filme "1984" (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
Bem-vindo ao Big Brother

Desde os ataques do 11 de setembro, a vigilância aumentou no mundo todo. Seja nos shoppings, restaurantes, ruas, lojas e parques, não importa aonde vamos: estamos sendo controlados por câmeras.

Se isso não é o bastante, no começo do ano, foi descoberto que o iPhone registrava secretamente a localização do usuário. Um pouco mais tarde seria revelado que o Android e o Windows Phone também faziam isso. As operadoras também conseguem localizar você: basta apenas estar com o celular ligado (leia a matéria completa a respeito do que as empresas sabem sobre sua localização).

Na internet não é muito diferente. Somos rastreados o tempo todo, em qualquer site que acessamos. Os provedores, os sites de análise comportamentais, as agências de publicidade, o Google, o Facebook. Todos querem saber por onde você “anda” e o que faz na web.

Recentemente foi descoberto um cookie no Facebook que continuava monitorando as atividades na internet, mesmo depois do usuário fazer logoff na rede social. Os dirigentes da empresa desconversaram, mas admitiram o “erro” e corrigiram o bug.

Não foi a primeira vez que a empresa criada por Zuckerberg enfrenta problemas com privacidade. Em novembro do ano passado, o Facebook admitiu que vendeu dados dos usuários.

As empresas apresentam diversas justificativas para o excesso de controle, algumas até razoáveis e outras sem sentido. Muitas vezes só descobrimos que estamos sendo vigiados quando alguém pesquisa a fundo e descobre um problema desse tipo. Quais as formas que governos e empresas podem estar nos monitorando e que ainda não conhecemos?

Até tu, YouTube?
Assim como as teletelas conseguiam exibir e ver ao mesmo tempo, suas visitas banais ao Youtube estão sendo monitoradas também. Enquanto estiver conectado, o site mantém o registro de seu histórico de visualização, e usa os vídeos que você assistiu, os vídeos de que gostou e suas inscrições para “recomendar outros vídeos para você”. Isso quer dizer que eles rastreiam tudo o que você faz. As informações são da página de ajuda do site.

Outro detalhe importante: se sua conta ainda não era vinculada ao Google, agora ela é. Você é automaticamente registrado com sua conta da Google no YouTube. Entende-se por “automaticamente” como algo obrigatório e sem oferecer opções.

Driblando o recurso

Ainda há esperança. Existem alguns caminhos para você se livrar dessa falta de privacidade.

1. Desvinculando o cadastro

Caso sua conta do YouTube seja antiga (feita antes de maio de 2009), você pode desvinculá-la da Google.

2. Múltiplas sessões

Outra opção é manter duas contas ativas, uma para o YouTube e outra para os outros serviços da Google. A empresa permite múltiplos logins dentro do mesmo navegador. Infelizmente, o YouTube não é suportado em sessões adicionais, portanto, você deve logar sua conta do YouTube como a principal. São suportados em logins adicionais os serviços: Gmail, Calendar, Code, Reader, e Sites.

3. Apagando o histórico

Não tão funcional como as outras opções acima, apagar o histórico de visualizações remove o rastreamento. Infelizmente, não há a possibilidade de permitir ou não o arquivamento de histórico.

Espiadinha

É claro que o YouTube não consegue enxergar o que você está fazendo dentro da sua casa, mas sabe de tudo o que você está fazendo dentro do site. Isso é bastante incômodo. A privacidade é hoje uma das principais insatisfações de usuários na internet.

As empresas deveriam ser mais transparentes ao divulgar quais informações são obtidas e quem tem acesso a elas. Também deveria ser fornecida ao usuário a opção de ser rastreado ou não, pelo menos em algumas ações.

Foram as imposições que fizeram do livro 1984 um “futuro a ser combatido”, e é justamente isso que as gigantes da internet andam fazendo:

bisbilhotando sem qualquer permissão. Mas dessa “espiadinha” a gente quer distância.

Fontes: Tecmundo , Revellati Online

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato