background img

Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

Um experimento científico dinamarquês feito por um grupo de 5 meninas da escola Hjallerup Skole, [e sem o PhD de Harvard, ainda] da 9ª série do ensino fundamental ganhou interesse mundial a partir de uma experiência domestica e muito fácil de ser observada.

Elas perceberam que ao dormir com seus celulares ao lado da cama na altura de suas cabeças, no dia seguinte tinham dificuldade de concentração.

Queriam demonstrar essa observação para comprovar suas suspeitas – a de que as ondas de radio eletromagnéticas afetam a atividade do cérebro – então, optaram por usar um ser vivo sensível a essa exposição – as plantas.

Pegaram 6 bandejas contendo sementes de agrião que tiveram a mesma atenção e dosagem de água para sua alimentação. Essas primeiras 6 bandejas foram colocadas em um quarto sem a presença de um roteador Wi-Fi, e outras 6 bandejas foram colocadas em outra sala na presença e próxima de 2 roteadores Wi-Fi, que emite radiação como um celular comum.
O experimento durou 12 dias e as sementes nas 6 bandejas que estiveram na ausência dos roteadores Wi-Fi germinaram e se desenvolveram normalmente, enquanto as sementes próximas aos roteadores, não. As sementes escureceram e morreram.

Um grupo de cientistas trabalhou 10 anos sobre o papel das linhas de transmissões de radio nas cidades [mas sem as sementinhas na água], até que, em 1986, o Congresso dos Estados Unidos reconheceu que as linhas de transmissão não estão necessariamente isentas de risco.

"Está claro que as ondas de baixa energia podem interagir com as células e órgãos e produzir mudanças biológicas", constata o relatório da comissão de assessoramento tecnológico do Congresso, ressalvando que ainda não se sabe exatamente o que se passa com os organismos vivos expostos a tais ondas. Mas já não se pode dizer que o risco não existe.

A radiação não-ionizante de ondas eletromagnéticas penetra no corpo e pode ter efeitos sutis, ainda pouco conhecidos.

Há dois tipos de radiação eletromagnética:

•· radiação ionizante - esse tipo de radiação contém energia eletromagnética suficiente para arrancar átomos e moléculas do tecido e alterar reações químicas no organismo. Raios gama e raios X são dois exemplos de radiação ionizante. Por isso que usamos um colete de chumbo quando somos expostos a raios-X;

• radiação não ionizante - Causa um efeito de aquecimento, mas em geral não o suficiente para resultar em algum dano ao tecido a curto prazo. A energia de radio frequência, a luz visível e a radiação de microondas são consideradas não ionizantes.

“Não existe norma brasileira que estabeleça o máximo permitido de dose de radiação, e as normas internacionais divergem muito” diz a pesquisadora Tânia Moraes, do IEE.

Se a norma soviética fosse adotada no Brasil quanto as emissões de radiação das antenas de radio e TV, uma pessoa estaria recebendo uma dose de radiação eletromagnética 336 vezes superior ao valor seguro, ou seja, 0 001 mW/ cm2.

Para os soviéticos, a mínima interação entre a radiação e o organismo é considerada indesejável, já para os americanos só julgam radiação como sendo danosa quando provocar aumento de temperatura nos órgãos internos explica o engenheiro Eduardo Berruezo do instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo. Segundo Berruezo, “se o aquecimento for maior ao do que a capacidade do organismo de dissipá-lo, então podem ocorrer danos a saúde”.

Outros efeitos, constatados por cientistas russos em animais, mostraram que, mesmo em baixas intensidades, as radiações causaram aumento da pressão arterial, alterações nos sistemas reprodutor, imunológico e nervoso.

Já expus aqui nesse BLOG a receita para o Microondas também

Caso você não acredite em nada disso, faça você mesmo o que as meninas Dinamarquesas fizeram:
Tome 400 sementes de agrião e as divida em 12 bandejas.

Em seguida, coloque as bandejas em duas salas na mesma temperatura, seis em cada quarto.
6 bandejas ficam em um cômodo longe de qualquer tipo de exposição a radiação eletromagnética (celulares, WI-FI etc)

6 bandejas ficam em outro cômodo ao lado dos aparelhos eletromagnéticos (celulares, WI-FI)
Dar às bandejas a mesma quantidade de água e luz solar ao longo de 12 dias

"Todas nós achamos que tivemos problemas de concentração na escola, se dormíamos com os nossos celulares à beira do leito, e às vezes nós também encontrávamos dificuldades para dormir ", explicou Lea Nielsen, uma das cinco pesquisadores iniciantes.

As cinco meninas Dinamarquesas ainda não tomaram nenhuma decisão sobre suas futuras carreiras, ainda estão surpresas com toda a atenção súbita da mídia. O fato é que: Nenhuma delas mais dorme com celular em seus quartos e sempre desligam seus computadores antes de dormir.
Parece que aprenderam a lição...

laura botelho

Fontes: Mother Nature Network , Coração de Deus , Laura Botelho Quantica , Notícias Alternativas

Um comentário: Leave Your Comments

  1. Há cerca de um ano instalei um roteador wi-fi em cima do gabinete de meu PC, bem na altura da cabeça.

    Meu rendimento escolar piorou nos dois últimos semestres. Tenho me sentido disperso e desmotivado.

    Às vezes experimento noites de insônia. Minha mulher tem mania de deixar o celular ligado ao lado do travesseiro, sobre a cama.

    Quer saber? Vou tirar esse roteador daqui. E vou comprar um despertador...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato