background img

Agenda George Orwelliana: Pesquisadores desenvolvem pílulas com sensores para monitorar pacientes

Quando a pílula da Proteus atinge o fundo do estômago, envia os dados coletados para um aplicativo de celular. Foto: reprodução/ Proteus
Parecem comprimidos comuns, alongados e um pouco menores que vitaminas diárias.

Mas, se o seu médico prescrevê-los num futuro não muito distante, poderá haver uma reviravolta num antigo clichê: "Tome dois desses computadores digeríveis, e eles me mandam um e-mail pela manhã".

Enquanto a sociedade luta contra problemas de privacidade relacionados a computadores vestíveis como o Google Glass, cientistas, pesquisadores e algumas start-ups já preparam a próxima e mais intrusiva onda da computação: aparelhos digestíveis e sensores minúsculos alocados dentro de comprimidos.

Embora esses dispositivos ainda não estejam disponíveis ao público, algumas pessoas já os engolem para monitorar dados de saúde e compartilhá-los, pela internet, com um médico. E existem ainda protótipos de aparelhos miúdos que podem fazer coisas como abrir as portas do carro ou preencher campos de senha.

Para trabalhadores de profissões extremas, como viagem ao espaço, várias versões dessas pílulas já são usadas há algum tempo. Mas, no próximo ano, o médico da sua família --se ele for adepto à tecnologia-- poderá tê-las em seu kit de medicina.

Dentro desses comprimidos estão pequenos sensores e transmissores. Você os engole com água, leite, o que preferir. Depois disso, eles seguem ao estômago e percorrem o intestino intactos.

"Você irá --voluntariamente, devo dizer-- tomar uma pílula que você pensa ser um medicamento, mas na verdade é um robô microscópico que irá monitorar seus sistemas" e transmitir o que está acontecendo pela rede, disse Eric Schmidt, presidente do conselho do Google, numa conferência da companhia no último outono. "Se eles fizerem a diferença entre a vida e a morte, você vai querer tomá-los."

Uma das pílulas, feita pela Proteus Digital Health, uma pequena empresa em Redwood City, na Califórnia, não precisa de bateria. No seu caso, o corpo é a fonte de energia. Assim como uma batata pode acender uma lâmpada, a Proteus adicionou magnésio e cobre em cada lado de seu sensor, de forma que os ácidos estomacais gerem energia suficiente para fazê-lo funcionar.

Quando a pílula da Proteus atinge o fundo do estômago, envia os dados coletados para um aplicativo de celular. O computador pode monitorar o comportamento do uso dos medicamentos ("A Vovó já tomou seu remédio hoje? A que horas?") e como o corpo do paciente está reagindo aos remédios. Ele também detecta os movimentos da pessoa e seu padrão de descanso.

Executivos da empresa, que arrecadaram, recentemente, US$ 62,5 milhões (R$ 141 mi) de investidores, acreditam que essas pílulas vão ajudar pacientes com problemas físicos e neurológicos. Pessoas com dificuldades relacionadas ao coração poderiam monitorar o fluxo sanguíneo e a temperatura corporal; aqueles com problemas no sistema nervoso, incluindo esquizofrenia e mal de Alzheimer, poderiam monitorar seus sinais vitais em tempo real.

A Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) aprovou o comprimido da Proteus na ano passado.

Uma pílula chamada CorTemp, feita pela HQ Inc., em Palmetto, na Flórida, tem uma bateria interna e transmite, em tempo real, a temperatura do corpo enquanto percorre o interior do paciente.

Bombeiros, jogadores de futebol, soldados e astronautas tem usado esses dispositivo, para que seus empregadores os monitorem e se certifiquem de que seus corpos não superaqueçam. Lee Carbonelli, chefe de marketing da HQ, disse que a companhia esperava ter, no ano que vem, uma versão para o público que se comunicasse com um app para smartphones.

Gerações futuras dessas pílulas poderiam ser ferramentas de conveniência.
No mês passado, Regina Dugan, vicepresidente sênior do grupo de tecnologia avançada da Motorola, exibiu um exemplo desse uso --junto com tatuagens de identificação de frequências de rádio que grudam à pele como adesivos-- na conferência D:All Things Digital.

Tendo a pílula em seu corpo, você poderá ter acesso ao seu smartphone sem a necessidade de digitar uma senha. Porque, em vez disso, você será a senha. Sente no carro e ele será ligado. Toque a maçaneta da porta de casa e ela será destravada automaticamente. "Seu corpo se tornará um token de autenticação, disse Dugan.

Mas, se as pessoas estão preocupadas com privacidade por causa da ascensão dos computador vestíveis, espere só até elas descobrirem os computador digestíveis.

"Essa é apenas outra daquelas tecnologias que nos trazem opções maravilhosas e terríveis ao mesmo tempo", disse John Perry Barlow, cocriador da Electronic Frontier Foundation, um grupo de advocacia especializado em privacidade.

"A vantagem é que há um grande número de coisas que você quer saber sobre si mesmo numa base contínua, especialmente se você é diabético ou sofre de alguma outra doença. A desvantagem é que a operadora do seu plano de saúde poderá saber todo o funcionamento do seu corpo."

E se esse minúsculo computador dentro de você fosse hackeado? Digamos que isso seria um problema.

Existe ainda uma última pergunta para essa pílula. Depois que ela faz seu trabalho, passando pelo estômago e pelo intestino, o que acontece? "Ela atravessa o seu corpo naturalmente em 24 horas", disse Carbonelli, da HQ. Mas, como cada pílula custa US$ 46 (R$ 104), "algumas pessoas escolhem recuperá-la e reciclá-la."

Comentário (Blog Lado Oculto Nova Ordem Mundial) :

A cada dia que passa a agenda da elite global vai sendo estabelecida, e a grande massa nem sabe que essa agenda existe, outros fazem pouco caso, chamam tudo de conspirações malucas, vindo de malucos conspiratórios. Eles tão pouco sabem que tanto faz para a elite, pois eles acreditando ou não, não irá impedir a elite de trabalhar a todo vapor. Mal sabem eles que estão aderindo e aprovando tal agenda, que na real, é contra eles mesmos.

Eles (da elite) nos apresentam os "avanços" como algo revolucionário, que é para o bem da humanidade, mas quem está alerta sobre essa agenda global sabe que no fundo não é.

Eles usam uma tática que é o apelo a autoridade, onde tenta convencer o público que tal método é bom e confiável, pois celebridades, médicos, astronautas, soldados e dentre outros estão usando e aprovam esse novo artificio. É ai que a grande massa vai de cabeça nesse novo método, e aí de quem dizer que esse avanço é nocivo e tendencioso, porque o artista que ele(a) tanto ama disse numa entrevista/comercial que usa e aprova esse novo método ou para os fãs de tv, onde acreditam nos tele jornais, que para eles, não mentem nunca.

Agora algumas perguntas que fica ao ler a noticia:

O que será que essa pílula faz realmente? Será que têm dupla programação? Será que ela pode literalmente ler o que pensamos? Ela pode dar o poder da elite controlar nossas emoções? Ela poder da informações a elite do local onde estamos, como um GPS? O que realmente ela coleta além de informações médicas? Será que os micro-computadores são totalmente eliminados ou retirados do nosso corpo, sem restar nenhum?

São perguntas como essas que nos fazem pensar e ter as respostas, porque a grande mídia nunca irá nos informar do real intuito dessas novas tecnologias que são nocivas, rotuladas de beneficio para a humanidade.

Lembre-se que a alguns tempos atrás quando nós (os chamados loucos conspiratórios) falávamos que a internet, celular, telefones residências e etc, eram monitorados pela elite, a grande massa manipulada nos chamavam de loucos, e hoje eles só acreditam porque os teles jornais noticiaram. Hoje voltamos a denunciar os novos artifícios da elite, e eles nos chamarão de loucos, amanhã pode ser tarde demais, quando eles acordarem.

Fiquem atentos.

Fontes:
Folha , Lado Oculto Nova Ordem Mundial , Ciência em Pauta

| Enviar artigo para um amigo |

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato