background img

Impressora 3D imprime Carros, Órgãos Humanos e Armas

Na terça-feira, uma pequena companhia de San Diego chamada Organovo Holdings, que já produz tecidos humanos em pequena escala, anunciou parceria com a produtora de software Autodesk para projetar uma plataforma bioimpressora.

A ideia é utilizar parte do software da Autodesk hoje empregado para o projeto e fabricação de objetos inanimados, tais como luminárias ou eletrodomésticos, a fim de construir tecidos vivos e, no futuro, órgãos humanos.


os órgãos vivos possam ser produzidos da mesma maneira que hoje fabricamos, por exemplo, floreiras e componentes de aviões, com o uso de impressoras tridimensionais, o custo da medicina talvez caia, e a capacidade dos serviços médicos aumentará.

"No momento, podemos criar uma fatia tridimensional de fígado instruindo uma 'impressora' quanto ao posicionamento de células", disse Keith Murphy, presidente-executivo da Organovo. "Podemos criar algo com menos de um milímetro de espessura, que colocamos em um banco de testes para estudos de medicamentos. A questão de longo prazo é se poderemos produzir um fígado inteiro".

Esse seria um processo mais complexo, envolvendo colocação precisa de células para a confecção do material do órgão e de complementos como veias e capilares, e ao mesmo tempo manter todo o complexo vivo. Murphy declarou que provavelmente serão necessários muitos anos de trabalho antes que isso aconteça.

A tarefa também seria muito mais ambiciosa do que os demais esforços de produção de órgãos, a exemplo da criação de uma traqueia adulta usando células-tronco em um tubo de plástico esterilizado, empreendida por uma equipe de cirurgiões de Baltimore.

Um projeto de prazo mais curto envolveria a produção de fatias de fígado para testes de medicamentos, o que permitiria que cientistas testassem facilmente coisas como dosagens variáveis de medicamentos, e a criação de tecidos para testes cirúrgicos. A Organovo teria de produzir quantidade significativa de material em suas impressoras, nesses dois casos.

Murphy disse que trabalhar com a Autodesk, que já trabalhou extensamente no segmento de impressoras 3D, oferecerá à sua empresa melhor compreensão de como desenvolver software 3D, o que ajudará a Organovo e outras companhias a projetar tecidos tridimensionais melhores.

A Autodesk, por sua vez, quer simular de que forma objetos tridimensionais não vivos são criados, para que possa melhorar suas operações básicas.

"Se você projeta um chassi de automóvel, o projeto não se altera", diz Carlos Olguin, que comanda o grupo de software biológico, nanodimensional e programável da Autodesk. "A impressão biológica envolve a montagem autônoma de coisas como células-tronco. É um paradigma de design diferente que pode ter grande efeito sobre coisas como protótipos em escala maciça".

"Porque que a biologia está se tornando uma disciplina mais madura em termos de engenharia, queremos encontrar muito mais parceiros", ele disse. As empresas não estão pagando uma à outra pela colaboração, e duas equipes de cerca de quatro pessoas, uma de cada companhia, trabalharão juntas em no que Olguin definiu como "primeira fase" do projeto.



"ARMAS E CONTRABANDO 3D?"

As capacidades da impressão 3D em arte, esculturas e brinquedos fizeram bastante barulho no South by Southwest nos últimos dias. Mas um grupo do Texas tem uma aplicação mais controversa em mente: armas.

“Quando li as notícias sobre o evento, é tipo, ‘Olhe para essas coisas incríveis que fizemos com a impressão 3D’”, afirmou o CEO da empresa sem fins lucrativos pró-armas Defense Distributed, Cody Wilson.

“Mas as pessoas não sabem o que fazer com isso (impressoras 3D), é tudo sobre cupcakes e coisas do tipo”, afirmou durante uma apresentação nesta segunda, 11/3, no evento de tecnologia realizado em Austin.

A Defense Distributed fabrica partes de armas usando impressoras 3D e posta as “blueprints” (modelos) online para qualquer pessoa baixar. Sua última realização é uma revista “imprimível” para um rifle AK-47. A empresa prevê um futuro em que qualquer um possa ter acesso fácil a tecnologia para imprimir partes de armas por conta própria, apesar de Wilson não ter dito se esses planos incluem armas completamente montadas.

A esperança do grupo é que a tecnologia para isso torne-se tão avançada e espalhada que tornará sem força as leis de controle de armas. “As pessoas poderão passar esse ‘contrabando’ umas para as outras ao ponto de que ‘contrabando’ não será mais uma maneira significativa de descrever isso”, afirmou Wilson.

O grupo DIY (faça você mesmo) de “amantes de armas” já enfrentou várias dificuldades desde sua criação em 2012, que agora incluem uma possível legislação para fechá-lo. Apesar disso, Wilson disse “não vou parar” ao público do SXSW.

Até o momento, o Defense Distributed imprimiu partes de armas fabricadas em plástico, informou o CEO. A AK-47 testada pelo grupo conseguiu disparar 60 cartuchos antes de a unidade começar a quebrar, disse.

Segundo Wilson, a Defense Distributed, que mantém um repositório de arquivos em defcad.org, já registrou 50 mil downloads nas últimas duas semanas e um total de 400 mil desde dezembro.




Referencia:
Libertar
Estadão 

Fontes:
Folha , Ariquemesonline , Forum anti nova ordem mundial

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato