background img

Exclusivo: denunciante Glaxo vem a público com detalhes chocantes de suborno, fraude de marketing e outros crimes farmacêuticos


(NaturalNews) O denunciante e também empregado  da GlaxoSmithKline, Blair Hamrick  ajudou a fazer história na  medicina. Junto com seu colega Gregory Thorpe, Blair alertou sobre práticas criminosas que ocorrem dentro da GlaxoSmithKline, que já levou à maior entrada criminosa de liquidação financeira na história da medicina ocidental. A GSK está a pagar uma multa 3000 milhões dólares , enquanto se declara culpada de crimes de alta traição.

Blair recentemente se juntou a Mike Adams,  para uma entrevista em vídeo. Nesta entrevista surpreendente, Blair descreve seu conhecimento de primeira mão do "suborno" de médicos, o impulso para off-label, comercialização de medicamentos não aprovados para as condições de saúde, a comercialização ilegal de drogas para crianças, como 80% dos médicos estavam dispostos a serem "subordinados", e outros detalhes surpreendentes dos bastidores da máfia criminosa  conhecida como "grande máfia farmacêutica".

A entrevista completa em Inglês está disponível no YouTube:
 http://www.youtube.com/watch?v=y_RJ9QPG70U

E também  no site TV.NaturalNews:
http://tv.naturalnews.com/v.asp?v=1FE6404520AA77A877753AA936722510

Blair Hamrick também está sendo entrevistado na rádio nacional ao vivo por Mike Adams no Alex Jones Show, nesta terca-feira 17 de julho, começando às 12 horas oriente / 9:00 Pacífico (www.InfoWars.com ). Aqueles que perderem a transmissão ao vivo podem baixar o arquivo de áudio da entrevista no site  www.PrisonPlanet.TV

Abaixo,  foram selecionadas e publicadas as declarações transcritas de Blair Hamrick como revelado nos vídeos acima.

A pior decisão já feita por qualquer empresa farmacêutica 
O acordo de US $ 3 bilhões foram alcançados com a ajuda do escritório de advocacia conhecido como Kenney & McCafferty ( http://quitam-lawyer.com ), especializado em casos de denúncia.

"Quando nossos clientes foram forçados a sair de suas posições de mercado, a GlaxoSmithKline ('GSK) teve prova de comercialização ilegal de drogas off-label. Nossos clientes devidamente relataram erros de marketing para a gestão em 2001. Uma investigação interna que se seguiu, mostra que a GSK verificou as suas alegações, mas a empresa não tomou nenhuma atitude, escolheram os grandes lucros acima da segurança e conformidade do paciente ", disse o advogado denunciante Tavy Deming de Kenney & McCafferty. ( http://www.prnewswire.com/news-releases/glaxosmithklines-gsk-3-billio ... )

"GSK poderia ter salvo centenas de milhões, talvez um bilhão de dólares ou mais de US $ 3 bilhões na qual hoje tem que pagar ao acompanhamento de recursos de investigação. Em vez disso eles ignoraram a evidência de comercialização indevida através de propinas médicas. Quando você olha para o que Greg Thorpe escreveu sobre a  precisão e os detalhes  de reclamações distribuídas aos mais altos níveis,percebe que a Glaxo é quase surreal pois a empresa não tomou nenhuma ação corretiva. Agora, mais de uma década depois, a GSK está essencialmente admitindo que Thorpe estava certo em 2001 ", Kenney disse. "Tem sido 10 anos muito, muito, muito longos para os denunciantes Thorpe e Hamrick Blair." 
 
Documentos judiciais revelam ainda mais detalhes
O seguinte documento PDF contém  páginas selecionadas de "7 reclamações alteradas" apresentado no Tribunal Distrital dos EUA de Massachusetts, na qual Gregory Thorpe e Blair Hamrick processaram Smith Kline Beecham e GlaxoSmithKline.

Este documento mostra algumas das alegações gerais contra a GlaxoSmithKline. Ver o documento na íntegra aqui:
http://www.naturalnews.com/files/GSK_7th_amended_complaint_Select_Pag ...

Essas alegações são extensas e perturbadoras. Elas incluem:

De 1997 até o presente e contínua,o plano de marketing GSK, na qual desenvolveu em um nível alto executivo, e tem servido para "Explorar o Bolus" de programas de saúde financiados pelo governo, tais como Medicaid e TRICARE, com o efeito direto e intencional de provocar a apresentação de alegações falsas a programas como o aqui identificados.

A GSK ilegalmente e fraudulentamente promoveu e comercializou a venda de seus medicamentos para off label, ... Como parte desse esquema, a GSK abertamente e agressivamente identificou pela prescrição  alvos médicos e métodos de rastreamento para ter os maiores volumes de pacientes inscritos em programas de saúde financiados pelo governo, tais como Medicaid e TRICARE.

A GSK pagou remuneração ilegal (propina) para médicos e outros prestadores de cuidados de saúde com o propósito e a intenção de induzir os médicos e profissionais de saúde a prescrever medicamentos da GSK em troca, violando da lei Anti comissão-federal e os análogos de ressalto anti-leis dos Estados de acusação.

Gestores e executivos de níveis superiores da GSK , incluindo, o chefe  executivo da GSK   JP Garnier, o atual presidente de Operações Farmacêuticas Stout David, o vice-presidente de Produtos Farmacêuticos (e ex-presidente de Operações Farmacêuticas) Robert A. Ingram, o vice-presidente sênior Stan Hull, o Diretor Regional Mike Bennett, e o vice-presidente e chefe de observância corporativa Arjun Rajaratnam, tiveram conhecimento de esquemas ilegais de marketing da GSK ,na qual têm desempenhado um papel ativo no apoio e promoção desse regime
Citações surpreendentes do denunciante Blair Hamrick
A seguir, todas as citações de Blair Hamrick, sobre a Saúde com Mike Adams. Assista ao vídeo completo em:
http://tv.naturalnews.com/v.asp?v=1FE6404520AA77A877753AA936722510

Como tudo começou:
Estávamos discutindo onde a empresa estava indo e como ela tinha tomado a decisão, a pedir-nos para fazer coisas antiéticas e ilegais. Venda de drogas off-label. Venda de drogas para as crianças na qual diz especificamente em sua bula este medicamento não é indicado para crianças menores de 18 anos, mas eles estavam a pedir-nos especificamente para vendê-lo às crianças.

Sendo treinados para vender medicamentos off label:
Quando tinhamos reuniões regionais, na qual  treinava a venda de off-label. Por exemplo, o  medicamento Wellbutrin, é indicado para a depressão, mas aparentemente eles não estavam satisfeitos com a quantidade de dinheiro que estavam fazendo, então começaram a empurrá-lo para perda de peso, para pediatria, para a disfunção sexual. Você provavelmente já ouviu a citação, este slogan baseou-se em torno do que os médicos podiam ver por um breve segundo. Ei lembre-se Wellbutrin é a droga que faz feliz e magro. Estas são frases que perfura o nome do fármaco na parte de trás da cabeça do médico, e eles são enganados em escrever prescrições para um produto que não pode ser apropriado.

Isso era para quando você só tinha um minuto para falar com o médico. Lembre-se de Wellbutrin é a droga  feliz e magro. Agora, se você realmente tem a oportunidade de falar com o médico, você pode então começar a falar sobre coisas como a intimidade e a depressão, e com as drogas concorrentes como Paxil, os pacientes têm problemas com a sua libido, e você deve usar Wellbutrin, porque aumenta a libido, então dependia  promover sua droga principal , fomos treinados em descobrir quais  eram  os simtomas, em seguida, voltar-se para o que o estavamos  escrevendo sobre a  droga.

Sobre o marketing de off-label :
Quando uma empresa ativamente comercializa uma droga que não é indicado para um estado de doença específica, que é uma violação da lei. E ... é uma trivialidade.

Sobre gerando efeitos colaterais:
Com esses estudos, você está treinado para se concentrar em como ele funciona bem, mas não se concentra  tanto sobre os efeitos colaterais. Você realmente não quer. Se eles fazem as perguntas, então você pode enfrentá-los, mas vão transformá-la em uma forma muito positiva.

[Nós diríamos] bem, doutor, a insônia [efeito colateral] é transitória. Então, é só um problema para o primeiro par de dias. Uma vez que seus pacientes se acostumam com a droga, a insônia vai desaparecer. Portanto, é uma máquina de rotação.

Por exemplo, a droga Advair para a asma. Eles saíram com os dados SMART,que mostrou um aumento da incidência de morte em afro-americanos. Assim, o estudo foi interrompido, tiveram avisos de caixa negra e folheto informativo, os médicos foram treinados para informar  bem, doutor, você sabe que a maioria das pessoas de menores condições sócio-econômicas não são compatíveis com os medicamentos, assim com Advair você não tem que se preocupar com seus pacientes não tendo a sua corticosteróide inalado porque Advair é uma combinação de um corticóide inalatório e de longa ação beta-agonista. Então é sempre uma rotação, para que eles, basicamente, de acordo com a nossa queixa, tendo um resultado muito negativo perigoso de uma droga [estudo], tentam transformá-la como positiva.

Sobre a responsabilidade das empresas de produtos e os danos aos consumidores :
Quando você olha para uma droga como o Wellbutrin, e tem uma incidência de 0,1% da apreensão, que é um em mil, mas se você é uma pessoa que tem uma convulsão, é 100 por cento [para você]. Quando [nós] percebemos que se uma criança tem uma convulsão, quem é o responsável? É o médico? É de mim? É a empresa? Onde é que a bola para? E, infelizmente, no mundo corporativo, existem tantos véus de proteção que ... eles são um réu corporativo que nada mais é do que uma mesa cheia de advogados, e ninguém paga o preço.

É ofensivo. Na minha opinião, eles não têm nenhuma consideração alguma para a vida humana. Mas ... Eu sofri nada comparado a um pai cujo filho cometeu suicídio em Paxil. Imagine como é horrível e  repulsivo. Você só está falando de uma empresa mau administrada por pessoas más, na minha opinião.

Sobre as drogas da  empresa, CEOs  criminalmente responsáveis ​​pelos seus atos:
Quando é que o público seja ultrajado a dizer basta? Porque este tipo de comportamento vai continuar até que alguém vai para a prisão. Eles estão machucando nossos filhos. É ofensivo, é imoral, é antiético, e para uma empresa que tem o slogan que deixam as pessoas a sensação de viver mais e fazer melhor, e depois se escondem por trás desse slogan [enquanto] você está dizendo para seus representantes de vendas venderem os rótulos para crianças ... como o mal é que recebe? Ele só não pode ficar mais mal do que isso.


Propinas ilegais e corrupção de médicos
Fui promovido quando eu estava na Glaxo, após cerca de dois anos, a uma posição de especialidade, fui chamado de especialista da área terapêutica. Então um dos meus trabalhos foi recrutar palestrantes locais, para  serem treinados sobre as drogas e falar com outros médicos.

Primeiro, eles têm que começar a descrever a droga, e se não está descrevendo a droga suficiente, você tem que falar com eles sobre isso, então quando eles fazem um programa que fala em US $ 2.000 por 30 minutos - em qualquer lugar de $ 500 a $ 2500 para uma conversa de meia hora - depois, se a mensagem que está enviando não é exatamente do jeito que você quer que ela seja,você treina o médico a nossa mensagem de marketing, este é o ponto que queremos  para outros médicos.

Eu mesmo tive médicos que, quando entrei em seus escritórios e eles descobriram que eu era o especialista da área terapêutica, eles falavam hey, você pode definir-me no programa? Porque é um dinheiro extra. Há os mesmos médicos lá fora, eles ganham tanto dinheiro nas excursões, eles começam a contratação de profissionais de enfermagem ou outros médicos para ver seus pacientes, e eles só podem ir para o escritório duas ou três vezes por mês. Porque eles estão falando por fora. É tão lucrativo. ... [Eles podem fazer] $ 6.000 em um dia para fazer três apresentações de meia hora. ... E na maioria das apresentações de slides vêm dos departamentos de marketing da empresa.

Na época eu deixei Glaxo, eles tiveram mais de 40.000 rede de "oradores".

De acordo com documentos judiciais, a GlaxoSmithKline tinha realmente desenvolvido uma rede de "oradores" (ou seja, principalmente médicos que recebem propinas para escrever prescrições), totalizando 49.000.

Texto traduzido do Inglês

Fonte:
http://www.naturalnews.com/036499_Glaxo_whistleblower_bribery.html


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato