background img

Vacina Merck, mais provável de se infectar com o HIV

É perfeitamente normal se hesitar cada vez que um novo estudo científico é publicado em um Jornal. Se há uma coisa que o público aprendeu sobre ciência na última década, é que mesmo quando ela é uma ciência exata, há sempre espaço para erros. Às vezes erros que são propositadamente comprometidos, como no caso da ciência climática. Apesar de viver em uma grande época de avanço tecnológico e científico, não se pode ser muito cauteloso ao afirmar um fato. Hoje, mais do que nunca, os jornalistas e o público que lêem notícias precisam fazer sua própria lição de casa, a fim de assegurar a veracidade dos fatos apresentados.

Uma peculiaridade da informação científica é que, quando é um objetivo comercial, é servido rápido e de forma imprudente colocando para todos verem, mas quando essa informação é valiosa comercialmente ou faz descobertas científicas obsoletas ou velhas,a informação é censurada ou apenas publicado na traseira de jornais e revistas, muitas vezes escritos com letras em tamanhos minúsculos. Este é o caso com o estudo mais recente sobre os perigos da vacina desenvolvidos para prevenir a infecção com HIV. Eu sabia que tinha que cavar fundo para encontrar qualquer informação sobre este tema.

Vacinas, independentemente do que a maioria da comunidade científica diz, são produtos tóxicos cuja utilização traz frequentemente efeitos colaterais indesejados e em diversas ocasiões causa a morte de um doente. O debate sobre a toxicidade da vacina e os perigos desses produtos apresentada aos usuários é geralmente centrada em dois pontos. Primeiro, como pode uma vacina diretamente causar doença ou morte, e segundo, como pode uma vacina indiretamente causar doença e morte. Note-se que nenhum dos pontos inclui questionar como uma vacina pode tratar ou curar uma doença. Isto porque nunca foi demonstrado que uma vacina tem ajudado no tratamento ou cura de uma doença. Na verdade, os estabelecimentos médico-militares estão cada vez mais ansiosos para utilizar vacinas como armas, como supostas soluções médicas para a doença real.


Vacina da Merck falhou em testes clínicos

No caso da vacina do HIV produzida pela Merck, que estava a ser submetido a estudos em seres humanos, os resultados seguidos de observações levaram os cientistas a avisarem o público sobre a relação entre a vacina e o aumento da probabilidade que os homens ficam infectados com o vírus HIV. De acordo com o estudo publicado no Jornal Infectious Disease , a vacina da Merck torna mais provável, e não menos, que alguns homens sejam infectados com HIV. Os cientistas que conduzem os testes dizem que não podem dizer por que a vacina aumenta as chances de infecção , simplesmente dizem que os homens que não foram circuncidados e que já pegaram o vírus da gripe comum, estão de duas a quatro vezes mais de probabilidade a se infectar com o HIV. Parece que o vírus do resfriado é utilizada pela Merck para produzir a vacina, assim qualquer um que pega a mesma cepa do vírus do resfriado aumentar suas chances de infecção quando comparado a outros homens.

Eu não sou um cientista ou médico, mas acho que este é um caso em que a cura é mais perigosa que a doença. O problema com a vacina da Merck é uma situação antiga e bem conhecida. . A maioria se não todas as vacinas são feitas com ingredientes que são perigosos para os seres humanos A lista é longa , e os ingredientes são divididos nas categorias acima: vacinas que causam dano direto e vacinas que provocam uma reação que causa a doença. No caso da vacina contra o HIV, o segundo cenário parece um bom lugar para os cientistas encarregados  pesquisarem por novas provas.

A utilização do vírus da gripe, que em teoria não pode tornar as pessoas doentes com um resfriado, contém um dos três genes do vírus HIV, uma combinação que pretende usar o princípio citado pelo estabelecimento médico - debunked - que por uma injecção do agente patogénico no corpo humano, o sistema imunológico pode ser 'treinado' para lidar com futuras infecções pelo vírus da mesma. A maioria, se não toda a pesquisa científica é baseado no mesmo princípio, não importa há quanto tempo as empresas farmacêuticas não consiga produzir uma vacina única que realmente faz o que eles dizem que faz: curar ou tratar doenças.. O que é ainda mais preocupante é que, além de defraudar o público a confiar em um produto que não funciona como anunciado, a indústria farmacêutica utiliza genes de vírus realmente perigosos, com o objetivo de prevenir ou tratar a doença.

"Eu realmente gostaria de poder dizer o porquê, mas eu não posso", disse Ann Duerr, especialista em vacinas no Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, e que também liderou o novo estudo. Num estudo anterior, A Merck tinha dado a vacina a um total de 778 voluntários do sexo masculino, um número que incluía homens que tinham forte imunidade contra o vírus da influenza Ad5(usado para fabricar a vacina) e outros que não têm tal imunidade.

Na conclusão do estudo, - que aconteceu com os resultados da Merck,em análises não independentes, 21 homens que receberam a vacina foram infectados com HIV, enquanto que apenas 9 foram infectadas no grupo de homens que receberam placebo.A vacina conhecida como V520 é feita com o adenovírus tipo 5, que foi geneticamente modificado para não reproduzir, de modo a Merck e os seus cientistas acreditam que o vírus é a culpa para as infecções.Esta é uma maneira comum das companhias farmacêuticas operarem, ou seja, culpam um ingrediente  da vacina por falha em entregar os resultados prometidos. É menos comum que os cientistas na qual trabalham na produção de vacinas,culparem os genes que causam a doença - neste caso, o gene do HIV. Tal concessão, suponho eu, seria prejudicar ainda mais a credibilidade do negócio,ou seja  a política habitual usado para criar vacinas.

O mais recente fracasso da Merck para criar uma vacina "segura" fez que o estabelecimento médico saísse como verdadeiros bombeiros para se salvar. Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional dos EUA de Alergias e Doenças Infecciosas, recorreu às boas e velhas mentiras para validar a falha de pesquisa da vacina: "Historicamente, as vacinas têm sido a arma mais eficaz contra as doenças infecciosas como a poliomielite, sarampo, caxumba e varíola. "

Outro estudo da Merck, que incluiu 3.000 pessoas em 9 países foi brutalmente encerrado em 2007, após os resultados não mostraram efeitos positivos da injeção em voluntários através das vacinas , na qual foi levantada a suspeita de que eles estavam se tornando mais suscetíveis à infecção pelo HIV.

A mais recente das pesquisas médicas da Merck incluiu 1836 pessoas. Um total de 172 homens que participaram do estudo em última análise, tornaram-se infectadas. Estes homens eram altamente imune ao vírus Ad5 e apenas em estudos anteriores foram citadas como não-circuncidados. Segundo o Dr. Anthony S. Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, os resultados "acrescenta que a credibilidade à crença que o efeito era real", como ele explica que as infecções observadas em voluntários poderia ter sido de origem biológica.

Dr. Duerr, que no passado não tinha nenhuma explicação sobre o porquê de infecção pelo HIV, agora acredita que os homens que foram infectados com adenovírus, tinham anticorpos contra ela e que um conjunto de células CD4 (glóbulos brancos) sistemas imunitários foram capazes de reconhecer a estes anticorpos na qual as células T CD4 + estavam presentes no sangue. Dr. Duerr, disse que, embora seja uma boa coisa para ter mais células CD4, neste caso, estas células são exatamente os genes do ataque do vírus HIV. Bingo!

Objetivamente falando, e tomando a palavra do Dr. Duerr, este é um exemplo de como as experiências da comunidade científica estão preocupadas com a saúde e o bem-estar da humanidade, a realização de experimentos baseados em premissas e princípios ultrapassados no processo, às vezes propositadamente, cria produtos farmacêuticos que causam a doença, em vez de tratar ou curar as pessoas. Prova clara do que parece ser a mais completa ignorância sobre o resultado final de sua experiência é a conclusão do Dr. Deurr sobre seu experimento realizado: ". A vacina poderia ter sido a criação do que os militares chamam de" ambiente rico em alvos "Uma analogia muito interessante , pois agora sabemos que o Pentágono pretende usar vacinas para levar as pessoas a tornarem-se obedientes , como mostrado em um vídeo do Departamento de Estado sobre a qual informou em abril.

Experimentos com seres humanos, apesar dos riscos

O fracasso contínuo pela comunidade científica para produzir uma vacina que pode tratar ou curar a AIDS parece ser o mais ousado na busca de um avanço, ainda ignorando os perigos, e expondo os pacientes aos medicamentos cuja criação baseia-se do  zero, questiona-se o futuro de seres humanos saudáveis. Parece como se os cientistas fizessem experiências com a intenção de "ver o que pode sair de seus ensaios" esperando por uma série de resultados concretos que eles tenham pensado enquanto faziam suas pesquisas. Outro exemplo que apoia este ponto  é que agora os cientistas por trás da vacina contra o HIV, começam a olhar para ideias na utilização de um vírus de chimpanzés para criar uma outra versão da vacina. Mas não era um vírus da imunodeficiência símia (SIV), na qual tem crédito por ter dado origem a epidemia da Aids? Isso é o que grande parte da comunidade científica aceita hoje.

Claro, que outros que pesquisaram mais sobre a origem do vírus HIV aprenderam que a infecção ocorreu através da vacina da poliomielite, que foi feito utilizando uma estirpe de imunodeficiência símia. Conforme relatado pelo jornalista Edward Hooper, o HIV remonta à prova de uma vacina oral contra a poliomielite chamado Chat. Esta vacina foi administrada a cerca de um milhão de pessoas no Congo, Ruanda e Urundi em 1950. A vacina necessária foi cultivado em um tecido vivo e, em seguida os criadores utilizaram células de rim tomadas a partir de chimpanzés infectados com SIVcmz. O resultado foi a contaminação da vacina e contaminação resultante dos seres humanos com HIV-1.

Origens do HIV

Talvez a pessoa mais sincera quando se trata da verdadeira origem do vírus HIV é o Dr. E. Boyd Graves, que entrou com um pedido de liberdade de informação nos EUA para tornar público o seu programa especial de vírus, na qual alega conter detalhes sobre o criação do HIV. Dr. Graves publicou um gráfico chamado de Fluxograma Especial de vírus em 1971, o que parece explicar a origem de muitos dos vírus conhecidos hoje e como eles causam doença em seres humanos. Este inclue o HIV. Outra fonte que apoia a posição do Dr. Graves é um livro chamado Full Disclosure, escrito pelo Dr. Gary Glum, publicado em 1994, mas bloqueado para venda em livrarias pelo governo dos EUA. Um extrato do primeiro capítulo do livro descreve a origem do HIV:
AIDS foi o resultado de um programa de pesquisa de décadas, realizado em laboratórios químicos e de guerra bacteriológica neste país (EUA) e outros. Para os envolvidos, é um triunfo da ciência em resposta para o que eles consideram como o problema mais premente do planeta: o controle populacional. AIDS é a arma perfeita biológica. Ela pode ser confinado com algum grau de sucesso para grupos específicos, e desde o período de incubação pode ser mais de sete anos, milhões de pessoas podem ser infectadas antes da primeira pessoa na cadeia apresentar quaisquer sintomas.
Leia mais sobre este livro censurado pelo Dr. Glum aqui .

Um ponto que é muitas vezes esquecido pelo público e pouco divulgada pela mídia é, como pode a comunidade médica propor a buscar uma cura ou tratamento para uma doença causada por um vírus ou outro patógeno, não ter certeza sobre a origem desse vírus? Esta situação ocorre com o HIV e AIDS. Não há maneira mais fácil de entender esse dilema, só é preciso analisar o filme House of Numbers , para  notar a falta de consenso sobre a patogênese, diagnóstico e tratamento.

Não é que a partir do ponto de vista científico essa incerteza sobre a origem se torna inútil qualquer vacina ou comprimido?

Texto traduzido do Inglês

Fonte:
http://real-agenda.com/2012/05/26/vacuna-de-merck-hace-mas-probable-infeccion-con-virus-vih/ 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato