background img

Cofre do "fim do mundo" já passou das 740 mil amostras


Nessa semana, está agendado para o cofre do fim do mundo receber quase 25 mil amostras de sementes do mundo inteiro, incluindo grãos que crescem nas montanhas mais altas do mundo e uma planta cujo caule vai na bebida equatoriana do “Dia dos Mortos”.

Com essas adições, o cofre, que já tem quatro anos, e era antigamente conhecido como cofre global Svaldbard de sementes, atingiu um número de amostras maior do 740 mil. Em 2010, o número era de 500 mil.

“Nossa diversidade vegetal está constantemente ameaçada, por danos com incêndios, interesses políticos, guerras e tornados, até coisas mais mundanas, como falha de sistemas de refrigeração e cortes de orçamento. Mas essas sementes são o futuro de nossa fonte de alimentos, já que carregam tesouros genéticos como a resistência ao calor, tolerância a pestes e doenças”, afirma Cary Fowler, diretor de uma das entidades responsáveis pelo cofre.



A ideia do cofre é funcionar como um arquivo de sementes do mundo; como exemplo de possíveis acidentes, um incêndio em janeiro destruiu variedades únicas de bananas, batatas doces e outras frutas que estavam sendo duplicadas em um laboratório das Filipinas.

Entre as amostras que para chegar ao cofre, estão:
Grãos das montanhas Pamir, no Tajiquistão, incluindo trigo que cresce em uma grande variedade de altitudes, em verões quentes, e em invernos frios e secos. Diversidade como essa é importante para o desenvolvimento de um trigo resistente a pragas.
Uma variedade de trigo conhecida como Norin-10, que é fonte de genes que tornaram o trigo moderno mais forte, com caules resistentes que suportam mais grãos.
Amarante coletado de uma fazenda familiar do Equador, em 1979. As sementes de amarante eram usadas pelos incas e astecas, e seu caule ainda oferece um pigmento vermelho usado para a “colada morada”, bebida usada no “Dia do Mortos” do Equador.
Várias subespécies de cevada, importadas da Polônia pelos Estados Unidos. Elas deram origem a várias variações modernas, incluindo uma conhecida como “Klages”, popular entre os fabricantes de cerveja.

O cofre, que foi oficialmente aberto em 26 de fevereiro de 2008, está na montanha Platåberget, perto de Slavadbard, um grupo de ilhas ao norte da Noruega.

O gelo ártico oferece um congelamento natural para as sementes, enquanto um resfriamento adicional mantém a temperatura em menos 18 graus Celsius. O cofre tem a capacidade de armazenar 4,5 milhões de amostras – e cada uma contém cerca de 500 sementes, o que gera um total possível de 2,25 bilhões de sementes.


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato